Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A alma do violino
 
Desde menina, sempre estudei música e ao longo de minha vida me relacionei com vários instrumentos, mas a vida foi sendo preenchida por tantas coisas que a música passou apenas a fazer parte da minha vida através do que podia ouvir e não do produzir.
 
Há dois meses atrás fui tocada por um projeto da Orquestra Sinfônica de Rio Claro convidando o publico em geral para fazer parte dela incorporando as cordas.

Senti um estalo dentro de mim, fui lá e me inscrevi.
 
Estou maravilhada em ver como um jovem maestro UNE, INCLUI, COMPÕE, e permite que todos COMPARTILHEM um conhecimento que está aí, não é de ninguém e é de todos ao mesmo tempo e que diferentemente de quando aprendi em aulas pesadas de teoria quando ainda era bem jovem, hoje me maravilho de ver esses “meninos” fazendo essa magia com um grupo tão heterogêneo que reúne crianças de 7, 8 anos, jovens, adultos e idosos como eu com quase 70 e, sem nenhuma aula de teoria, apenas na admiração pela música, consegue fazer com que esse grupo com apenas oito aulas esteja totalmente entrosado e tocando música que nem sabíamos que um dia poderíamos tocar.

E mais, que agora em maio vai fazer sua primeira apresentação pública no teatro do Centro Cultural para o que convido todos vocês.

 
Gostaria também de sugerir para todos os meus amigos  que se dêm a oportunidade de sentir como um maestro harmoniza um conhecimento ensinando sem palavras, apenas sendo o princípio que propicia todo o conhecimento porque nossa vida é apenas e tão somente interessante e gostosa na medida em que o conhecimento vai fazendo parte dela e que nos mostra que aprendemos todos os dias com tudo, mas que para podermos ver isto, só mesmo participando do processo.
 
Querem ver?

Aprendi nessa interação que o que faz aquela caixa de madeira do violino, recortada em formas delicadas e tão esmeradamente polida com verniz ou cera, reproduzir sons tão melodiosos é apenas e tão somente um pequeno cilindro de madeira colocado em seu interior e que une o tampo superior ao tampo inferior dessa caixa do instrumento, sendo ele o responsável por fazer reverberar o som dentro dela dando vida à música e sabem como se chama esse pequeno cilindro?

Chama-se alma do violino.................

é poético, não é? e sem o que não existe música, apenas um ranger de cordas e arco.

 
O que é mais interessante é que pude constatar que dentro de nós também temos um “pilar”, um cilindro que dá som à nossa caixa, nossa alma e que está representado pelos princípios, pois que sem eles, não pode haver som em nossa vida e que essa experiência com a Orquestra Sinfônica me mostrou a simplicidade do ensinamento sem palavras na ação do princípio que
 
UNE, INCLUI, COMPÕE e COMPARTILHA

conhecimento transformando a vida de todos em prazer com grandiosidade porque vocês podem imaginar o que é poder reproduzir temas como o de Antonin Dvorak, um trecho Do Mundo Novo e que podemos reconhecer como a trilha sonora que dá grandiosidade à nave INTERPRISE singrando o infinito em meio das estrelas? É inenarrável, apenas sensível.
 
Assim fica aqui mais essa sugestão do nosso projeto para todos que desejam incorporar as belezas do conhecimento com simplicidade dando VIDA ao seu dia a dia: AÇÃO dos princípios e que se o som conseguido estiver parecendo com uma taquara rachada, devemos reconsiderar a postura de nossa alma, se está bem posicionada cumprindo sua finalidade e que nada melhor para afinar nosso instrumento do que participar de uma “Orquestra Sinfônica” produzindo música que deleite a todos.
 
Com todo carinho que uma alma pode sentir por tudo
 
Vó Sandra







.

Sandra Canello
Enviado por Sandra Canello em 11/03/2012
Reeditado em 14/03/2012
Código do texto: T3548055
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Sandra Canello
Rio Claro - São Paulo - Brasil, 69 anos
157 textos (11349 leituras)
8 e-livros (367 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 31/10/14 08:42)
Sandra Canello



Rádio Poética