CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

 INTEGRAÇÃO ESTADUAL PELO ESPORTE
                      Sérgio Martins Pandolfo*
      Nosso clube do coração, o Clube do Remo, nesse último final de semana fez-nos uma falseta, sofrendo acabrunhante derrota em jogo amistoso (ou amigável, como dizem os lusos) contra o Paragominas Futebol Clube (PFC), há pouco constituído como agremiação desportiva, mas que já deu entrada em pedido de filiação à Federação Paraense de Futebol objetivando disputar a segunda divisão do Campeonato Paraense de 2013, a chamada “segundinha”. O jogo realizou-se no novo e muito bem estruturado estádio (nada de arena!) de futebol municipal e o escore foi de 2XO favorável ao PFC, nada que pudesse desanimar ou demover a paixão clubística dos seus muitos milhares de torcedores que vibramos com as vitórias do Leão Azul de Antônio Baena, até porque, é voz corrente, a única convicção imutável do homem (e da mulher, é óbvio, embora em menor grau de firmeza) é a afeição clubística. Ele é capaz de mudar de amor, de convicção política, de religião, de cidade, de amigos, deixar de fumar ou beber, de predileção gastronômica, de interesse econômico, porém jamais mudará a sua paixão por um clube que, via de regra, emerge ainda na infância. Também, longe de nós a intenção de reduzir o mérito, a garra e o melhor nível de desempenho exibido pelo clube interiorano.
   O que nos move a fazer essas considerações é a observação de que nossos principais clubes da capital, Remo, Paysandu e Tuna, são atualmente muito pouco conhecidos, em nosso próprio Estado, além das faixas lindeiras de Belém. A propósito, vamos com certa frequência a Paragominas, a bela e florescente cidade do nordeste paraense, e ficamos entristecido em constatar que a população lá residente, máxime a oriunda doutras plagas que não as dos municípios parauaras mais ligados a Belém, só conhece e torce por clubes tais o Flamengo, Fluminense, Corinthians, Palmeiras, Cruzeiro, Grêmio e outros de maior visibilidade nacional. Nas lojas de material esportivo somente camisas, flâmulas e artigos outros desses clubes, nada dos daqui. Por isso que julgamos que a entrada do PFC no Campeonato Paraense, mesmo na “segundinha”, é auspiciosa, mas não o bastante.
   Observando o desenrolar do Campeonato Brasileiro, nas suas diversas divisões, ou séries, vemos que inúmeros clubes dos quais nunca se tinha ouvido falar ou fazer referência, tais Luverdense, Icasa, Penarol e outros de repente passam a ser noticiados, divulgados, o que os torna conhecidos e, certamente, passíveis de auferir maior torcida e consolidação. Nossos clubes, principalmente a Tuna (1903) e o Remo (1905), mas também o Paysandu (1914), são dos mais antigos do País, propiciam arrecadações imensas e não podem ficar no anonimato ou ter diminuído seu prestígio. Muitas vezes, ao serem eliminados das competições que disputam – hoje infeliz e mormente as séries C e D – ficam sem jogar, e portanto sem aparecer, até a rodada do ano seguinte, o que é altamente deletério, pois têm que dispensar os jogadores de um plantel formado somente para aquele período, ficando apenas com as dívidas e obrigações fixas a pagar.
   Os dirigentes dessas agremiações deveriam voltar suas vistas ao passado, quando tínhamos o chamado “torneio início”, antecedendo o campeonato estadual, disputado entre os clubes locais (ainda mantidos na maioria dos estados), a que hoje se agregariam os interioranos; regionais (Norte, Nordeste) e até internacionais, em que entravam equipes das Guianas (Caiena, Paramaribo), com disputa de taça alusiva, garantindo receita, prestígio e torcida. Hoje, lamentavelmente, só se pensa no brasileiro, restando-nos tão somente a saudade, a lamúria e o consolo (?) de assistir pela TV os jogos de outros estados.
   Não podemos permanecer quedos e calados. Por isso que as torcidas dos clubes daqui e dos principais redutos interioranos devem pressionar a chamada “cartolagem” dirigente a fim de que ponham “seus” times para jogar entre si, a disputar um “caneco” qualquer e integrar o Estado pelo esporte. O que não faltará é assistência, disso temos certeza!

Nota: a foto acima é do Estádio Olímpico Estadual "Edgar Proença", o Mangueirão, onde se realizam os principais jogos em Belém

---------------------------------------------------------------------
*Médico e escritor. ABRAMES/SOBRAMES sergio.serpan@gmail.com - serpan@amazon.com.br www.sergiopandolfo.com
Sérgio Pandolfo
Enviado por Sérgio Pandolfo em 20/07/2012
Código do texto: T3788213
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Obras à venda

Sobre o autor
Sérgio Pandolfo
Belém - Pará - Brasil, 74 anos
314 textos (90971 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 28/07/14 11:23)

Site do Escritor