Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ASPECTOS DA AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM

UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ

CENTRO DE LETRAS, FILOSOFIA E PEDAGOGIA

ARTIGO CIENTÍFICO


ASPECTOS DA AQUISIÇÃO DA LEITURA

Paulo Ricardo Xavier da Silva


RESUMO: Este artigo tem como objetivo apresentar alguns dos aspectos, que são fundamentais na aquisição da leitura. Dessa forma, abordando concepções que possuem relevância dentro dos estudos do tema, expandido informações construtivas, que são importantes na perspectiva de adquirir uma visão mais ampla acerca da leitura. A pesquisa teve como subsídio teórico SOLÉ (1998), KATO (1995), SMITH (1999). De inicio falou-se sobre uma breve concepção a respeito da leitura, em seguida abordou-se a questão da decodificação e compreensão, bem como as estratégias na leitura e por fim ressaltaram-se os enfoques a respeito da memória na construção leitora, assim como sua aprendizagem.

PALAVRAS-CHAVE: Leitura. Compreensão. Estratégias de Leitura. Decodificação.


1. INTRODUÇÃO

     Este trabalho nasceu da curiosidade que se tinha de demonstrar a importância dos conhecimentos a respeito do tema abordado, no seu processo de construção e integração do individuo no contexto social.
     De fato, os estudos que giram em torno da aquisição da leitura possibilitam maior compreensão, através das ideias, dos modelos de aprendizagem propostos por estudiosos tanto da psicolinguística, psicologia, linguística dentre outras áreas, com o intuito de buscar mecanismos favoráveis às pesquisas dentro da esfera referente à aquisição da leitura. É importante salientar que o processo de aquisição é algo complexo, e que ao longo do tempo são feitas investigações que mantém avanços na disseminação de conhecimentos acerca da leitura.
     A leitura faz parte do processo social, na integração do homem com a realidade, é através da leitura que o mesmo adquire conhecimento em diversas esferas sociais. Sendo assim, a construção de um individuo, acerca dos processos de aprendizagem da leitura, deve ser de fundamental importância no seu processo educacional através da escola. A leitura é muito importante, pois ela traz benefícios inquestionáveis ao ser humano. Ela é uma “forma de lazer e de prazer, de aquisição de conhecimentos e de enriquecimento cultural, de ampliação das condições de convívio social e de interação” (SOARES, 2000, p. 19).
    O artigo apresentado possui informações importantes a respeito da leitura, tais conhecimentos são fundamentais para a compreensão dos aspectos relacionados a aquisição da leitura, para os estudantes e profissionais da área.

2. A LEITURA

    A leitura é um processo complexo que não envolve apenas a decodificação, nesse sentindo a construção de significado pelo leitor, é de fundamental importância para uma leitura eficiente. Más o que é leitura? Segundo Solé (1998, p. 22) “é um processo de interação entre o leitor e o texto; neste processo tenta-se satisfazer os objetivos que guiam a leitura”.
    A leitura tem um caráter de possibilitar aos leitores os conhecimentos em diversas esferas, sendo assim, o leitor possui objetivos que o leva ao ato de ler. É importante relatar que os objetivos relacionados à leitura, se fazem necessários quando se tratam de ensinar as crianças a ler e a compreender.
   Como foi mencionado anteriormente de que a leitura é um processo complexo, permite-nos abrangi outros fatores que são importantes na aquisição da leitura, podemos relatar que a decodificação das palavras, por si própria não nos permite considerar um elemento definitivo da leitura, assim, a interpretação, compreensão, bem como a produção de sentido se faz necessário ao processo de ler.

2.1 Decodificação e Compreensão

    A decodificação é um processo inicial da leitura, em que consiste a visualização do símbolo, permitindo uma associação, ou seja, uma ligação entre a palavra e o som que são manifestados pelos alunos. De fato, o processo de decodificar como conceito de leitura, acarreta vários problemas, uma vez que nega a ação dos processos cognitivos , bem como os conhecimentos prévios do leitor, sendo assim, a decodificação não permite ao mesmo qualquer tipo de inferência.
    As atividades em leitura como processo de decodificação, em que o leitor utiliza basicamente o processo ascendente de decodificação, que o significado é construído com base dos dados dos textos, fazendo pouca leitura nas entrelinhas, é um leitor mensurado, tendo dificuldade em sintetizar ideias do texto, pelo fato do mesmo não saber como diferir o que é importante do que é simplesmente ilustrativo. Segundo Kato (1999, p.51) “o leitor que faz uma leitura linear com pouca predição é um leitor imaturo”.
    Diante das concepções apresentadas, percebemos que a leitura proficiente vai muito além do que aprender a decodificar palavras, embora seja uma instancia relacionada  a aquisição da leitura, no entanto, segundo Menegasse ( 1995, p.87) “ muitas vezes a decodificação não ultrapassa um nível primário de simples identificação visual, pois se relaciona a uma decodificação fonológica, más não atinge o nível do significado pretendido”.
    Após a etapa de decodificação, o aluno deve captar o sentido do que foi lido, compreender o que o autor está intentando passar, assim, a leitura baseada na compreensão, é uma leitura que possibilita a aprendizagem significativa dos conhecimentos codificados.
    Podemos encontrar em uma leitura eficiente, a construção de significados, bem como a compreensão de várias tipologias textuais, uma vez que o leitor ativo se dá conta que não ficou compreendido, é necessário uma avaliação, verificando as lacunas de compreensão ( a sensação de não estar compreendendo). É de fato, que os objetivos que o leitor trás consigo é de fundamental importância para a compreensão de textos. É importante ressaltar que se tentarmos compreender de forma ativa, logo detectaremos as lacunas e erros em nosso processo.
    Os conhecimentos prévios que o leitor trás, são fundamentais para que a compreensão seja alcançada de maneira mais rápida, ou seja, as informações processadas mantêm um elo com os conhecimentos de que o leitor dispõe sobre o tema do texto, assim sua aprendizagem será mais significativa, atribuindo significado ao conteúdo em questão, em suma, os conhecimentos prévios representam muitas vezes a disponibilidade de um certo grau de clareza entre as informações que o leitor irá estabelecer com  o texto.
    O leitor muitas vezes encontra problemas de compreensão dos textos, seja pelo fato de não ter conhecimento de algum dos elementos mencionados, ou pelo significado da palavra não ser coerente com o significado que o leitor tem sobre a mesma. Enfim, vários problemas surgem e algumas estratégias que são utilizadas pelo leitor muitas vezes não funcionam completamente, podemos mencionar a estratégia de ignorar as palavras, frases ou trechos, quando estes, não parecem essenciais para a compreensão textual, que é uma ação bastante utilizada pelos leitores, dessa forma havendo ações de ignorar e continuar lendo.

Isto às vezes dá resultado e de fato é uma estratégia que os leitores experientes utilizam com freqüência: por isso, entre outras razões, sua leitura é rápida e eficaz. Mas outras vezes não funciona: se a palavra aparece repetidamente, ou se ao saltear o parágrafo problemático percebemos que nossa interpretação do texto se ressente, não podemos continuar ignorando e precisamos fazer algo mais. (SOLÉ, 1998, p. 129).


     A compreensão da leitura, através dos textos possibilita a disseminação da aprendizagem e dos conhecimentos acerca do mundo, assim, essa atividade não poderia deixar de ser abordada como uma habilidade que se faz necessária nas práticas relacionada à leitura.


2.2 Interpretação e Construção de Sentido

    A interpretação é uma etapa em que permite que o aluno converse, dialogue com o texto, é a fase de utilização crítica do leitor, o momento em que faz julgamentos sobre o que lê, dessa maneira encontrará respostas, desde que tenha compreendido, assim a interpretação como atividade importante na leitura, faz com que o aluno decifre uma sequencia de ideias implícitas no texto.
    Imaginemos um professor que pede para um aluno realizar uma leitura sobre algum tema que faz parte do cotidiano. Após a leitura do texto o professor verificará como o aluno interpretou o texto, assim, fazendo-se questionamentos do tipo: O que o autor quis dizer com isso, ou, por que ele disse isso? Dentre outros questionamentos, que possibilitaram mecanismos favoráveis a uma boa interpretação.
    Na etapa da construção de sentido através da leitura, o aluno deve reter as informações que foram aplicadas nas etapas anteriores, absorvendo os conhecimentos instaurados nos textos.

2.3 Estratégias de Leitura
    As estratégias de leitura possuem um vinculo de relações com procedimentos, sendo assim, “um procedimento – com frequência chamado também de regra, técnica, método, destreza ou habilidade – é um conjunto de ações ordenadas e finalizadas, isto é, dirigidas à consecução de uma meta” SOLÉ 2000, p. 68 apud Coll, 1987, p.89.
    As aplicações de estratégias permitem relacionar, avaliar, ou mesmo abandonar determinadas ações, com o intuito de que se possa conseguir metas, as quais nos propomos. Faz-se necessário ressaltar, que as estratégias de leitura, não possibilitam uma completude, ou seja, não se aplicam em sua totalidade a todas as ações, pois são arriscadas quanto ao caminho mais adequado a se seguir. De fato, sua potencialidade se encontra no âmbito de poderem se generalizar. É através do contexto, que tais estratégias podem ser aplicadas corretamente, a fim de solucionar tais problemas.
    Para exemplificar as atuações das estratégias citemos as que se relacionam na interpretação de relações anafóricas. Para extrair sentido de um texto, existem várias estratégias, porém temos aquelas que permitem a correta interpretação referencial dos elementos pronominais nos textos. A exemplo de relações pronominais e suas estratégias citemos: (a) Lucas estava com Paulo quando ele foi preso. Notam-se atribuições vagas, quanto ao referencial do termo anafórico, sendo assim as pistas sintáticas e semânticas respectivamente demonstram que “ele” não tem um co-referencial exato em ambos os casos. Vejamos a mesma sentença, agora de maneira contextualizada. (b) Toda vez que Lucas vai ao supermercado, ele consegue roubar algo. Hoje, ele está na cadeia e é bem feito para ele. Lucas estava com Paulo quando ele foi preso. Percebe-se que as pistas textuais nos revelam que se Lucas está na cadeia é porque ele foi preso. Logo o pronome anafórico “ele” apresenta como positivo co-referencial de Lucas e negativo co-referencial de Paulo. Dessa forma conclui-se que as estratégias que o leitor possui sobre conhecimentos a cerca de relações semânticas e sintáticas, acaba atuando como sinal verde para possível inferência positiva.
    O ensino de estratégias na compreensão leitora se faz necessário segundo Solé (1998, p.72) “porque queremos formar leitores autônomos, capazes de enfrentar de forma inteligente textos de índole muito diversa, na maioria das vezes diferentes utilizados durante a instrução”.
    Os leitores fluentes podem encontrar respostas para tais indagações acerca da significação, sem que identifiquem previamente as palavras individuais. Se os leitores fluentes não podem alcançar o significado de forma direta, deveriam tentar reter-lo das palavras individuais, bem como tentar identificar palavras desconhecidas pela sua forma e contorno. Porém são práticas que deixam certas incertezas, além disso, é complexo extrair significado de frases através do sentido individual das palavras, pois as mesmas podem ter diversos sentidos. De fato, o contexto dá pistas acerca da transparência semântica das palavras. Partindo-se da idéia de que o texto tenha a possibilidade geral de fazer sentido para os leitores, que estão tendo dificuldade de compreensão, as partes desconhecidas podem ser entendidas graças as outras do sentido potencial que o texto oferece.

Ler diretamente para encontrar o significado, então torna-se a melhor estratégia para a leitura – não como uma consequência da leitura de palavras e letras, mas como uma alternativa para a identificação das palavras e letras individuais. Em cada caso estamos olhando para a mesma coisa – as características distintas que estão inseridas no texto – mas fazendo uma pergunta diferente.  Podemos olhar o texto e fazer perguntas sobre letras, mas então precisaremos de uma quantidade relativamente concentrada de informação visual e veremos muito pouco. Ou podemos olhar para o texto e fazermos perguntas sobre palavra, vendo então um pouquinho a mais, mas provavelmente não o suficiente para encontrar sentido naquilo  que estamos tentando ler. Ou podemos olhar para o texto e fazer perguntas sobre o significado, situação na qual não teremos consciência das palavras individuais, mas teremos a maior chance de ler fluente e significativamente. (SMITH, 1999, p.108-109).


    O grau de atenção que se é dado aos textos, tem muito a ver com o propósito consciente de procurar uma determinada informação textual, assim podemos dar apenas uma olhada no título, correr com os olhos para ver do que se trata, dentre outras atividades que segundo Kato (1995, p. 109) “são apenas algumas das estratégias conscientes de que um leitor se utiliza para apreender a informação procurada no texto”.
    Pode-se estabelecer um elo entre as estratégias e a aprendizagem, proporcionando ao aluno mecanismo de compreensão nos procedimento da leitura.


3. METODOLOGIA

    Para a realização deste artigo, optou-se por estabelecer uma pesquisa somente de cunho bibliográfico, utilizando-se livros, tais como: O aprendizado da leitura (Kato), destacando-se como resultado as manifestações a respeito de estratégias de leitura, bem como as obras, Estratégia de Leitura (Solé) e Leitura Significativa (Smith), as quais respectivamente contribuíram para ressaltar a respeito da compreensão e conceitos de leitura.
4. CONSIDERAÇÕES FINAIS

    Com a realização deste estudo, pode-se perceber que as concepções abordadas acerca da leitura possuem caráter importante no processo social do ser humano, alcançando-se expectativas significativas na disseminação dos conhecimentos sobre o tema, assim a aquisição da leitura compreende não só apenas o domínio da decodificação. Não se pode exaltar com plenitude o conceito de leitura como processo de decodificação, pois ler vai muito além do que simplesmente decodificar.
    A aquisição da leitura faz parte da construção de uma linguagem significativa, sendo um desafio para professores em proporcionar aos alunos, que o processo de leitura tem efeitos satisfatórios no processo social, assim estabelecer um vinculo entre as habilidades e as estratégias de leitura, pode-se oferecer condições necessárias no processo de evolução leitora.
    De fato, a leitura transforma o individuo, pois a aprendizagem da mesma possibilita o aluno conhecer o mundo através das palavras. É importante ressaltar a importância da compreensão leitora, no desenvolvimento de tal habilidade, sendo assim, deve haver um controle da mesma, o individuo deve está consciente das atividades leitora, se está havendo um progresso de coerência semântica, assim, a leitura torna-se proveitosa.
    As pesquisas em aquisição da leitura em áreas como Linguística, Psicolinguística dentre outras, nos revelam uma dimensão maior acerca do problema. São conhecimentos que possuem fundamentos teóricos, nos conduzido a uma melhor compreensão, e facilitando na apreensão significativa dos aspectos relacionados à em leitura, do funcionamento das estratégias, compreensão, decodificação e produção de sentido na leitura.



   








REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

KATO, Mary. O aprendizado da leitura. 4ª edição,  São Paulo, 1995.

MENEGASSI, Renilson José. Compreensão e interpretação no processo de leitura: noções básicas ao professor. MaringáRevista UNIMAR, v.17, n. 1, pp. 85-94, 1995.

SMITH, Frank. Leitura Significativa. ARTMED EDITORA S.A. São Paulo, 1997.

SOARES, M. As condições sociais da leitura: uma reflexão em contraponto. In: ZILBERMAN, R.; SILVA, E. T. (Org.). Leitura: perspectivas disciplinares. São Paulo: Ed. Ática, 2000.

SOLÉ, Isabel. Estratégias de leitura. 6.ed, ArtMed, Porto Alegre, 1998.













Paulo Ricardo Silva
Enviado por Paulo Ricardo Silva em 25/07/2012
Código do texto: T3795800
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Paulo Ricardo Silva
Viçosa do Ceará - Ceará - Brasil, 25 anos
24 textos (1537 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/14 06:40)
Paulo Ricardo Silva



Rádio Poética