CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto
RODOVIA RÉGIS BITTENCOURT - BR 116
Trecho de Miracatu/SP km 384 até trevo para Paranaguá/PR


INTRODUÇÃO
 
A rodovia Régis Bittencourt (foto 1) é o trecho da BR-116 que vai de São Paulo (capital) até a divisa entre o Paraná e Santa Catarina. Foi inaugurada no começo de 1961 durante o governo de Juscelino, com a denominação de BR-2. A maior parte da rodovia foi duplicada durante o governo FHC, restando ainda alguns trechos na Serra do Cafezal, que fica entre Miracatu e Juquitiba, no estado de São Paulo.
 
 
 
Foto 1 – Rodovia Régis Bittencourt
 
 
TRECHO PERCORRIDO
 
A descrição segue o sentido São Paulo-Curitiba e foi feita em junho de 2013. Para quem está na baixada santista e pretende ir para o sul do país, o melhor caminho é seguir pela SP-55 – Rodovia Padre Manoel da Nóbrega – a partir de Praia Grande até atingir a BR-116 no quilômetro 384, já no município de Miracatu. Desta maneira evita-se o trecho mais crítico e perigoso da rodovia que é na Serra do Cafezal. O trecho final da SP-55, de Peruíbe até a BR, é conhecido popularmente como “Estrada da Banana” e quem passar por lá vai entender a razão do nome. O relato a ser feito aqui tem seu início no km 384 da BR-116 até a bifurcação para Paranaguá, onde se interliga com a BR-277. O percurso tem 250 quilômetros.
 
 
TRAÇADO DA RODOVIA
 
O trecho percorrido é todo em pista dupla (foto 2), com a pavimentação em boas condições, acostamentos asfaltados e correta sinalização de solo. Há longos trechos em retas e também vários trechos de serra o que requer muita atenção do motorista, principalmente no inverno quando é comum a ocorrência de intensa neblina. Mesmo com a duplicação e nova pavimentação que a tornou mais moderna, ainda conserva uma topografia um tanto antiquada para o grande volume de tráfego. Em vários trechos as pistas se separam e nos trechos onde ficam em paralelo, o canteiro central é bem largo proporcionando boa segurança.


 
Foto 2 – Duas pistas da Régis Bittencourt
 

SINALIZAÇÃO
 
O trecho é bem sinalizado no que diz respeito às entradas para os municípios que ficam ao longo da rodovia. Mas quanto às distâncias a percorrer a falta de sinalização chega a incomodar, principalmente para quem – como eu – não usa GPS. Chega um momento que não se sabe mesmo onde está. Isso acontece nos dois sentidos. O ideal é planejar-se antes da viagem, seja com GPS, mapa da Quatro Rodas ou o próprio Google. Assim não se fica tão “vendido”.
 
VELOCIDADES MÁXIMAS
 
Aqui o bicho pega. A concessionária Auto Pista Régis Bittencourt (0800-7090116), que administra a rodovia, parece que gosta de brincar com os motoristas. A velocidade de cruzeiro é 110 km/h para veículos leves e 90 km/h para veículos pesados. Mas o que esses limites são alterados ao longo do percurso não é normal. De repente, do nada, surgem placas com alterações nas velocidades máximas – para menos, é claro –, e que são praticamente impossíveis de seguir. Próximo às cidades até que se justifica, mas há locais que não faz o menor sentido essa prática absurda que só serve mesmo para multar quem passa por ali. Uma verdadeira sacanagem dessa concessionária. Portanto, muita atenção durante o percurso.
 
 
PONTOS DE APOIO
 
A rodovia é bem servida de postos de abastecimento, restaurantes e lanchonetes. Não chega a ser uma Dutra, mas não se fica na mão. No sentido Curitiba, o primeiro bom local de parada fica 27 quilômetros após a passagem pelo km 384. É o Graal Ouro Verde, em Registro, que tem lanchonete, refeições e bons sanitários. Um pouco mais à frente há o Graal Buenos Aires, no mesmo estilo do primeiro. Na pista sentido São Paulo fica o Graal Petropen (km 463), ponto de parada dos ônibus interestaduais. No Paraná os postos do Grupo Pelanda são bons pontos de apoio nos dois sentidos (abastecimento, lanchonete e restaurante).
 
 
MUNICÍPIOS
 
Litoral Sul de São Paulo, Miracatu, Juquiá, Registro, Iguape, Cananéia, Jacupiranga, Eldorado (onde fica a Caverna do Diabo), Apiaí, Cajati, Campina Grande do Sul, são alguns dos municípios que possuem acesso pela Régis Bittencourt.

 
TRÁFEGO
 
A rodovia tem tráfego intenso nos dois sentidos, principalmente de caminhões, pois a Régis é a principal e praticamente única ligação da região sudeste com o sul do país. Nos trechos de serra eles chegam a ocupar as três faixas de rolamento (foto 3) e é muito comum seus motoristas não terem o menor respeito pelos veículos menores. Eles vão em cima mesmo, portanto não os desafie. Dirigindo a 100 km/h muitos deles me ultrapassavam sem a menor cerimônia. Um detalhe: os caminhoneiros não respeitam os limites de velocidade em lugar nenhum. Dá a impressão que a Régis atrai para si as maiores barbaridades no tráfego de veículos pesados, e muito do que se vê são verdadeiras disputas entre eles. Não sei qual a pior: Régis ou Dutra. Fica o alerta para que você olhe constantemente nos retrovisores, pois quando menos se espera há um deles colado na sua traseira.
 
 
 
Foto 3 – Caminhões no trecho de serra
 
 
PEDÁGIOS
 
No trecho em questão são quatro praças de pedágio e se paga nos dois sentidos. Em junho de 2013 a tarifa era de R$ 1,80.
 
 
POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL
 
A viagem que fiz foi de Santos/SP até Paranaguá/PR, num total de 932 quilômetros percorridos – ida e volta. Além da BR-116, viajei também pela BR-277 que leva a Paranaguá. Nesses 932 quilômetros só vi uma viatura da PRF e dois soldados no retorno, isso devido a um acidente ocorrido com uma carreta nas proximidades do km 525 da BR-116. Fora isso, nada. Sabendo dessa falta de fiscalização os caminhoneiros abusam mesmo e ficamos com aquela sensação de “ao Deus dará”.
 
 
ACIDENTE COM CARRETAS
 
Acidente com caminhões e principalmente carretas na Régis Bittencourt é fato corriqueiro e nesta minha viagem presenciei quatro deles. No retorno, o acidente ocorrido no km 525 me deixou parado por 45 minutos no km 531. Pelo menos o telefone da concessionária (ver item Velocidades Máximas) atendeu minha ligação e o atendente deu um posicionamento correto da situação. Um ponto positivo. Por isso é sempre importante saber o telefone da concessionária que administra as rodovias por onde se passa.
 
ATENÇÃO: Não se esqueça de levar água potável. Se ficar parado por algum motivo não tem como se virar.
 
 
CONCLUSÃO
 
Devido ao excesso de caminhões e carretas, aliado à irresponsabilidade de boa parte de seus motoristas, não dá para dizer que a viagem pela Régis Bittencourt é tranquila. Não é mesmo. A tensão de conviver com esses monstros da estrada e também com as placas de sinalização dos limites de velocidade mudando a cada instante, tornam a viagem estressante. Se não fosse por isso, poderia afirmar que a viagem é muito agradável, pois este trecho da BR-116 tem paisagens deslumbrantes ao longo de seu percurso.
 
 
* * * * * *
 
Arnaldo Agria Huss
Enviado por Arnaldo Agria Huss em 25/06/2013
Código do texto: T4358368
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Texto da Arnaldo Agria Huss). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre o autor
Arnaldo Agria Huss
Santos - São Paulo - Brasil, 64 anos
390 textos (128088 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/09/14 23:16)