Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O MAR TENEBROSO

_____________________________

Por volta do século XV, o formato da Terra ainda não era um consenso entre os estudiosos da época. Muito a imaginavam plana como um disco, onde os mares terminariam em um abismo infinito. Se viajassem longe de mais encontrariam o fim do mundo e os barcos cairiam num abismo sem fundo.

 Transmitida ou forjada pelos Árabes, a lenda do Mar Tenebroso descrevia um oceano Atlântico habitado por monstros terríveis que podiam afundar qualquer navio e mergulhado em uma escuridão constante, onde todos os navios naufragariam nas ondas medonhas ou nas águas ferventes.

Segundo - A.H. de Oliveira Marques. História de Portugal - "toda a classe de superstição afrouxava a curiosidade e refreava o desejo de presa. Durante muito tempo os Portugueses da Idade Média como os Europeus em geral, hesitaram entre a vontade de seguir além, para ocidente e para o sul, e o temor de não regressar mais. [...]."

Para o Sul, havia como que uma fronteira natural, o Cabo Bojador. A muitos quilômetros de distância do Cabo ouvia-se o rugido das vagas altas que batiam contra os penhascos; a costa era perigosa. Havia nevoeiros espessos... Os marinheiros pensavam que chegavam ao Mar Tenebroso e ao fim do mundo e quando avistavam o longo promontório do Cabo, penetrando com profundidade pelo mar, ficavam convencidos que ali era o limite, a barreira, o fim do mundo, o abismo. ®Sérgio.

____________________

Se você encontrar omissões e/ou erros (inclusive de português), relate-me.

Agradeço a leitura e, antecipadamente, qualquer comentário. Volte Sempre!

Ricardo Sérgio
Enviado por Ricardo Sérgio em 21/09/2013
Código do texto: T4491417
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Sobre o autor
Ricardo Sérgio
Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Brasil, 67 anos
1281 textos (15345888 leituras)
7 e-livros (6392 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/12/14 21:49)
Ricardo Sérgio



Rádio Poética