Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

BRINCANDO...


Num domingo, depois da minha sauna e dois chopes, por volta do meio-dia, eu e minha esposa ocupávamos uma mesa no restaurante do bocha, do Clube de Regatas, aguardando pelo momento do almoço, e depois, pela  sessão de dança de salão.
Mas, quando abria minha Folha para atualizar-me sobre os últimos lances da novela PT e as CPMIs , notei, sobre a mesa ao lado, uma criança de uns cinco anos brincando com as peças do seu “Brincando de Engenheiro” .
Diante de mim, eu voltava a ver um brinquedo que milhares de pessoas conheceram  durante a infância, pequenos blocos de madeira  cujas lembranças por eles produzidas são capazes de atravessar gerações.
Como absorvido pela sucção de um túnel do tempo, voltei, num átimo de segundo,  cinqüenta anos, pelo menos ,  no tempo e no espaço, e fui, ansiosamente, ao encontro daqueles pequenos pedaços de madeira, ilustrados com janelas , portas e túneis imitando pontes.
Tomei uma das peças em minhas mãos. Mais de cinqüenta anos depois elas  pareciam menores, formas geométricas espaciais, diminuídas pela ausência do encanto que lhes faltava agora, encanto e magia que,  anteriormente, eu  projetava mentalmente sobre elas,  fruto dos sonhos e ilusões que recriavam o mundo mágico onde eu me refugiava dos adultos.
Lembrei-me da minha coleção de discos de plástico colorido, setenta e oito rotações, com histórias narradas por locutores de rádio ( não havia televisão) , lembrei-me  do ursinho que batia tambor ao ser levado pelo cordão de barbante por entre os cômodos da casa de chão de cimento vermelho e telhado à vista ( não havia laje de concreto), lembrei-me da primeira caixa de lápis de cor e do cheiro forte das massinhas de  modelagem. Renasceu em mim, por instantes, a sensação agradável que sentia quando meu pai  chegava de bicicleta, trazendo,  num saco de papel, restos de tocos de madeira, com um furo no centro, obtidos em alguma  oficina de marcenaria, acompanhados de um pequeno jogo de ferramentas em miniatura ( martelo, serra, alicate) : eles foram, durante muito tempo,  meus brinquedos que, sem as facilidades eletrônicas, se transformavam em tratores (toco retângulo de madeira com uma lata de sardinha nele afixada com pregos , sem tampa, usada como lâmina ), em aviões, em carrinhos de mão.
Vivi uma vida naquele momento.
Mas, se não bastasse, como se do nada , surgiu uma banda percorrendo os corredores do clube : a Banda Marcial de Serrana.
Jovens, impecavelmente vestidos em branco e preto, faziam ecoar pelos arvoredos o melhor da música popular brasileira : “Trem das Onze”,  do imortal Adoniran, “Só quero um xodó” , do Dominguinhos, “Poeira” de Ivete Sangalo.
E a letra dessa música  , mais do que nunca,  fez sentido : “A minha sorte grande / foi você cair do céu / Minha paixão verdadeira / Viver a emoção / ganhar teu coração / pra ser feliz / a vida inteira .
Eu me sentia assim, à toa na vida , vendo a banda passar, e tendo a sorte grande de poder ter tido uma infância feliz e com coisas boas para recordar.

Tórtoro
Enviado por Tórtoro em 25/08/2005
Código do texto: T45151
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Tórtoro
Ribeirão Preto - São Paulo - Brasil, 67 anos
176 textos (27937 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 13:16)
Tórtoro