Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DÉDALO

A mitologia grega atribui a um notável arquiteto ateniense a construção do palácio do rei Minos, o Labirinto, com uma infinidade de cômodos dos quais só o próprio Dédalo era capaz de sair.
A passagem mitológica remonta ao ano 2800 antes da era atual e conta que no Labirinto da ilha de Creta fora colocado o terrível Minotauro - meio homem, meio touro - que se alimentava de carne humana. A existência da fera também é atribuída a Dédalo que teria construído um simulacro de bronze onde a esposa do rei teria se escondido e concebido de um touro aquele ser monstruoso. Por tal fato, o rei teria mandado prender Dédalo e seu filho Ícaro naquele mesmo Labirinto onde o arquiteto fabrica dois pares de asas que coladas com cera nos ombros lhes permitisse fugir. Ícaro perde a vida por desobedecer às instruções do pai e aproximar-se muito do sol derretendo a cera que lhe colava as asas, caindo no mar Egeu.
Dédalo construiu um enorme palácio onde as pessoas se perdem, asas fantásticas para seu filho que morre num vôo insano e um simulacro que permitiu a concepção de um homem-fera, o Minotauro.
As obras de Dédalo têm muito a ver com as humanas que, ao invés de servir ao homem, são a causa de sofrimentos indizíveis. O engenhoso ser humano é um desafortunado Dédalo que usa a sua inteligência para construir monumentos e máquinas que servem para atormentá-lo e fazer sofrer: alçar-se ao espaço para poder matar os seus irmãos; criar diversões fantásticas que imobilizam o espírito e a inteligência, transformando homens em verdadeiros animais que destroem a Natureza e a si mesmos em guerras que nunca terminam.
Ícaro julgou poder elevar-se por sobre as misérias humanas e aproximar-se do sol, fonte da vida e do conhecimento. Por tal pretensão pagou com a vida; pela insensatez de querer escalar as alturas metafísicas do conhecimento superior levando sobre os ombros o peso de preconceitos e crenças seculares tão bem simbolizados pelas angelicais asas do filho de Dédalo.
O mito de Dédalo ilustra sobre a inutilidade das obras humanas quando não revestidas de um caráter que transcenda a materialidade vulgar, e sobre a diferença fundamental que há entre dois tipos de conhecimento: o comum e o superior.


www.nagibanderaos.com.br                

Nagib Anderáos Neto
Enviado por Nagib Anderáos Neto em 02/09/2005
Reeditado em 31/10/2005
Código do texto: T46990
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nagib Anderáos Neto
São Paulo - São Paulo - Brasil
366 textos (88023 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 07:01)
Nagib Anderáos Neto