Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

POEBRAS: FOMENTO E PRESERVAÇÃO DA CULTURA

A CASA DO POETA BRASILEIRO, que usa a sigla POEBRAS – com tonicidade no ‘bras’ -, tem por objetivos primordiais cultuar, cultivar, divulgar, valorizar, promover a arte poética, congregando e prestigiando os que fazem versos e os que dizem versos.
 
É uma Casa fraternalmente aberta aos amantes da “arte melódica e harmoniosa da literatura: sua excelência, a Poesia”.

Mas não é restrita unicamente àqueles que fazem versos. Pretende-se que nestas casas espirituais sejam congregados, numa proposta de CONFRATERNIDADE, todos os portadores de criatividade e inventiva que desejem partilhar o talento com a sua comunidade.

A Casa do Poeta é feita para todos e tem em seus quadros, além dos versejadores, escritores, músicos, cantores, declamadores, artistas plásticos, e demais pessoas interessadas na promoção da área cultural.

Abnegados ativistas culturais versejadores que têm na alma versos em cascata, e que fazem da poesia a beleza da vida, fundaram a POEBRAS em 24 de julho de 1964, vigente, no país, o movimento revolucionário desde abril do mesmo ano. Mesmo exercitando o direito de palavra e o de dizê-la, a POEBRAS nunca teve maiores problemas com o poder durante todo esse tempo.

A idéia da criação da POEBRAS nasceu junto com a Casa do Poeta Rio-Grandense – a CAPORI, designada como entidade-líder da Casa do Poeta Brasileiro. Ambas nascidas no Rio Grande do Sul, o Estado pioneiro no país na implantação dessas Casas, onde as pessoas se benzem e oram sob a forma de poemas, no templo espiritual da Poesia.

Nelson Fachinelli, o “Operário das Letras”, idealizador, fundador e pai dessas Casas, gaúcho de Porto Alegre, em assembléia com sessenta pessoas, plantou a Casa do Poeta Rio-Grandense e edificou a POEBRAS Nacional.

Ao ativista cultural Fachinelli coube a missão de conduzir os primeiros passos, permanecendo à frente da Casa do Poeta Brasileiro por trinta e oito anos.  Mais tarde, a entidade passou a ser dirigida por Coordenadores Regionais que compõem a Deliberativa, ficando Fachinelli, desde então, com o encargo de Coordenador Executivo Nacional.

Responderam pela Coordenação Deliberativa os ativistas culturais Idalina Cotrin Appis e Oswaldo Névola, de São Vicente – São Paulo.  Desde 2003, a coordenação é exercida pelo poeta João Justiniano da Fonseca, que a acumula com o exercício da presidência da POEBRAS Salvador.

Na capital gaúcha, de 1992 a 2003, o advogado, poeta e ativista cultural Joaquim Moncks funcionou como Consultor Jurídico Nacional, elaborando um anteprojeto de estatuto-modelo, o qual estimulou a organização de inúmeras Casas de Poetas em vários Estados.

Também em Salvador, Bahia, está sediada outra representatividade: a Revista da Casa do Poeta Brasileiro, sob a direção e organização do poeta João Justiniano da Fonseca, que já editou e fez editar seis números, de 1999 até esta data.

A CASA DO POETA Lampião de Gás, da capital de São Paulo, criada pela poetisa Colombina, em 1948, é reverenciada como a entidade-mater, desde a fundação da POEBRAS Nacional. Foi nela que o ativista fundador se inspirou para criar a CAPORI. Seu maior desejo sempre foi o de ver a coirmã de São Paulo articulada com a Casa do Poeta Brasileiro.

A idéia da criação destas “Casas da Poesia” surgiu quando Fachinelli participou, em 1962, na cidade de Santos/SP, das comemorações dos 80 anos do nascimento do poeta santista Martins Fontes. O seu piedoso coração lírico sonhara a Poesia espalhada como uma bênção de amor por toda a nação brasileira.

A POEBRAS Brasília foi instalada em 1978 pelo consagrado poeta J.G. de Araújo Jorge, que foi deputado federal por várias legislaturas, e que manteve durante muitos anos o programa radiofônico ‘Salão Grená’, pelos microfones da Rádio Nacional, e que estimulou o cultivo da Poesia em todo o Brasil.

O Patrono Perpétuo da POEBRAS Nacional é o poeta baiano Castro Alves. O seu presidente de honra é Nelson Fachinelli, falecido em 26 de abril de 2006, em Porto Alegre.

Desde o X Congresso Brasileiro de Poesia, ocorrido em 2003, na cidade de Bento Gonçalves, na região serrana do RS, a Coordenação da POEBRAS é exercida por Joaquim Moncks, com sede operacional no RS.

A Casa do Poeta Brasileiro – POEBRAS Nacional, neste janeiro de 2009, está articulada em 73 (setenta e três) Casas de Poetas, sedes municipais e coordenadorias executivas distribuídas em (dezenove) Estados-Membros da Federação Brasileira.

Em dezembro de 2008 passaram a integrar o universo confederativo as Casas de Santiago e Rosário do Sul, ambas no RS. Totaliza um universo associativo de cerca de 3.000 (três mil) artistas da palavra e de outros naipes de manifestações artísticas predominantemente populares.

Destina-se a funcionar como representativa das reivindicações e dos interesses do associativismo poético nacional, nos moldes de uma Confederação Brasileira de Cultura, atendendo aos interesses dos outros naipes de produção e difusão cultural abrigados em seu bojo corporativo.

Apesar da sua profunda e exaustiva articulação associativa, estas entidades de direito privado têm custo baixo e totalmente suportável pelas Casas locais, que têm absoluta autonomia administrativa, regidas por estatutos, com sede e foro onde estão territorialmente localizadas. A Coordenação Nacional sugere, propõe através de recomendações às Casas agremiadas, entrosa e agiliza ações culturais, atendendo aos interesses regionais, inter-regionais e nacionais.

Por certo – espera-se – se conseguirá abrir portas junto ao Ministério da Cultura e à toda poderosa Comissão Nacional de Incentivo à Cultura – CNIC, que detém as verbas para o fomento cultural no Brasil, hauridas pela dotação orçamentária e generosas contribuições das Confederações Nacionais da Indústria – CNI, do Comércio – CNC, e da Agricultura – CNA.

Espera-se que a POEBRAS Nacional venha a obter em breve o seu reconhecimento para os efeitos de distribuição de verbas, como o programa ‘Ponto Nacional de Cultura’, através da Secretaria de Programas e Projetos do Ministério da Cultura. Espera-se, também, que o intelectual (jurado da CNIC) investido de mandato da área de Literatura e Humanidades, seja sensível aos projetos de cunho associativo-literários de âmbito nacional.

Na atual organização do esquema privado-governamental para a distribuição de verbas (atendendo aos interesses a nível nacional) têm-se como executores autorizados o SESC e o SENAC, articulados em agências distribuídas em todo o país. Estes organismos realizam bom trabalho, mas poderiam se valer de entidades corporativas nacionalmente articuladas.

A POEBRAS nasceu e vem se organizando para atuar em conjunto com os precitados organismos. Já temos – em vários pontos do país – incipientes projetos neste modelo. Há inúmeras Feiras do Livro em que o SESC e a POEBRAS atuam em mútuo apoio.

Num país que lê muito pouco e em que os seus compatriotas compram livros somente quando exigidos pelos momentâneos interesses, é possível que o exercício da confraternidade e do solidarismo sejam propostas oportunas, convenientes e factíveis para a o fomento e preservação da Cultura.

Não somente a pontual cultura literária, mas a CULTURA sob todas as suas modalidades e roupagens, já que as Casas de Poetas do esquema POEBRAS se destinam a abrigar e congraçar todas as possíveis manifestações do largo espectro da Cultura, como legítima organização não governamental (ONG) representativa dos valores culturais brasileiros.

– Do livro O HÁLITO DAS PALAVRAS, 2008 / 2009.
http://www.recantodasletras.com.br/artigos/483228
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 11/05/2007
Reeditado em 12/01/2009
Código do texto: T483228
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 70 anos
2798 textos (760680 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/09/17 06:29)
Joaquim Moncks