Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O ponto de mutação: algumas leituras desse filme.


A grande mensagem do filme “O ponto de Mutação” é que tudo no universo está interligado. Cada coisa depende de outra e de outra e de outra. Tudo tem a ver com tudo.
A forma mecânica de compreender o mundo, inaugurada por Descartes e Newton, prevendo que o todo seria compreensível a partir da compreensão das partes, teve a sua importância no mundo da ciência, mas já não responde às indagações deste século. A compreensão das partes não é a mesma coisa que a compreensão do todo. Cada parte tem uma função particular, mas essa função particular nem sempre leva à compreensão do todo, que deve ser compreendido por si mesmo.
O cartesiano diria que para compreender o que seja a árvore, seria necessário dissecá-la em suas partes: raízes, tronco, folhas, seiva, frutos e etc.. No entanto, essa dissecação não permitiria a compreensão da árvore como habitat de milhares de seres vivos que abrigam em seus galhos, em suas raízes, em sua casca e em seus frutos. A árvore é um mundo vivo. Ela transpira vida, a nossa vida, o oxigênio que nos garante a vida. Ela inspira o gás carbônico do meu ambiente, mortal para nós, alimenta-se dele e transpira o oxigênio, vital para os seres humanos. Que relação de intimidade a árvore tem conosco! E não adiantaria nada dissecá-la, porque isso não nos ajudaria em sua compreensão. Além de tudo, a árvore somente desempenhará essa função quando interligada aos demais elementos do meio. Ela precisa daqueles animais que vivem em suas raízes para desempenhar essas funções, ela precisa da luz que vem de tão longe para auxiliá-la nessa missão. Certamente é mais importante essa compreensão holística da árvore do que a compreensão de suas partes.
Essa compreensão global se aplica a tudo. Essa é a mensagem de “O ponto de mutação”.
“Nenhum santo se sustenta só”. Ninguém é uma ilha. Todo homem é parte de um continente. O relógio registra um tempo mecânico, mas o tempo não é mecânico. Cada hora é diferente de outra e a mesma hora não se repete. A visão mecanicista que deu sustentação à construção do pensamento científico já não serve mais. Podemos até repetir os resultados de uma experiência anteriormente realizada, seguindo os mesmos passos, mas essa experiência somente correspondeu àquele momento original. Ele não se repete mais. As novas séries de experiências de mesma natureza são identidades singulares; não são meras cópias daquela anterior. Descartes via o corpo como se fosse uma máquina. Mas o corpo é muito mais maravilhoso do que a singeleza cartesiana. Cada missão do corpo é uma aventura inédita com milhões de variáveis agindo simultaneamente, sem que seja possível isolar as suas ações para compreender os seus efeitos, porque os efeitos não se repetem. Tudo está em constante mutação e cada construção é inédita.
O século XVII foi maravilhoso para sua época, mas seu pensamento tinha limites. Não há uma repetição mecânica. O mundo existe em redes, com tudo conectado com tudo. Todos os problemas existentes são partes de uma mesma crise. A solução desejada deve ser uma solução global e não individual.
A visão de Heráclito é mais adequada do que a visão de Cartesius. Precisamos de uma nova forma de ver as coisas. Uma que as veja, não mais como isoladas umas das outras, mas que as vejam todas como partes de um grande sistema. Só essa nova percepção sistêmica poderá nos ajudar a avançar no conhecimento dos elementos em torno dos quais o mundo está a girar. O mundo muda muito mais rapidamente do que a nossa capacidade de percebê-lo, porque queremos ir para os detalhes, cuja soma das partes não é igual ao todo. E ainda que fosse, quando terminássemos de conhecer todas as partes, o mundo cujas partes analisamos já não existiria mais.
Precisamos de uma compreensão holística, globalizante. Precisamos de um pensamento ecológico, que nos ajude a manter o mundo inteiro e unido, interligado e coeso, ao invés de um somatório de partes singulares e autônomas.
A vida é uma montanha de probabilidades e de conexões. São essas conexões que dão sentido às coisas. Nós somos as partes de uma inseparável teia de conexões. Estamos vivendo no meio de uma dança de partículas, a todo instante criando e destruindo coisas. Enquanto vivemos, nosso pensamento não deve ser no mundo ao nosso redor. Devemos pensar na sétima geração que virá depois de nós e pensar no mundo que deixaremos para elas.
De um modo geral, os homens somente pensam no entorno de seu próprio umbigo. É por isso que não conseguem compreender o mundo.  É por isso que os poetas e ecologistas tem uma visão mais acentuada, porque não se prendem ao presente, mas conseguem se projetar no futuro. E então sua visão se aproxima mais da realidade em mutação constante.
A mensagem global de “o ponto de mutação” é que todos devemos nos esforçar para mudar a nossa forma fragmentada de ver as coisas, em prol da construção de uma visão de mundo que seja mais holística, criativa e ecológica.
Prof Izaias Resplandes
Enviado por Prof Izaias Resplandes em 19/02/2015
Código do texto: T5143106
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (SOUSA, Izaias Resplandes. (Título da obra) Poxoréu (MT). Disponível em: < http://recantodasletras.uol.com.br/artigos>. Acesso em: (data do acesso).). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Prof Izaias Resplandes
Poxoréo - Mato Grosso - Brasil, 59 anos
333 textos (265325 leituras)
19 e-livros (2367 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 21:21)
Prof Izaias Resplandes