Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

VISÃO REENCARNACIONISTA NAS DEFICIÊNCIAS HUMANAS



Em sua maioria, os médicos e especialistas das áreas das Neurociências,  são resistentes  a Doutrina Espírita, pois estudiosos que são e  obedientes a sua ética acadêmica, não aceitam que deficiências humanas, físicas ou mentais, tenham envolvimento com filosofias, ou sejam feitas analogias  como já ensaiamos em livros e artigos já publicados.
Pelo fato de defendermos  a ligação espirítica  das deficiências humanas, não deveríamos envolver síndromes ou doenças catalogadas cientificamente  com a doutrina, pelo simples fato de estarmos cometendo a imprudência de levar as pessoas interessadas, ou os leitores que estão buscando uma coisa por necessidade, e encontrando outra, disse-me um deles, expressando sua firme opinião sem arroubos ceticistas, mas deixando claro que erramos em querer fazer comparativos entre o técnico e científico com os ditames do Espiritismo.
Do ponto de vista filosófico, se pode colocar qualquer deficiência humana, independente de sê-la, é o que defendemos sem pretensão de criar polêmicas.
 André Luiz, que concluímos fazer uma complementação do Livro dos Espíritos e das obras básicas da Doutrina Espírita, proporciona informações que ultrapassam os atuais modelos teóricos vigentes da ciência materialista, reducionista e cerebrocêntrica, nos oferecendo uma visão histórica da Reencarnação, o que nos dá mais voz, independente de formação acadêmica específica, para fazer a conexão com os nossos conhecimentos atuais, e dela extrair certos ensinamentos sem restrições, inclusive do Espiritismo tradicional.
André Luiz  no livro  Evolução em Dois Mundos  diz: "Os Espíritos categoricamente inferiores, na maioria das ocasiões, padecendo monoideísmo tiranizante, entram em simbiose fluídica com as organizações femininas a que se agregam, sendo inelutavelmente atraídos ao vaso uterino, em circunstâncias adequadas, para a reencarnação que lhes toca, em moldes inteiramente dependentes da hereditariedade.”
Sem a compreensão da Lei da Reencarnação, a vida e o viver carecem de sentido e significado, independentemente da cultura científica e da medicina tradicional especializada, negarem a espiritualidade humana e qualquer idéia palingenésica ou reencarnacionista.
É no mínimo conveniente a reafirmação de que não pretendemos contrariar as Neurociências, ditar verdades como se fossem da nossa descoberta ou  criação,  ou ainda querer que o nosso pensamento prevaleça, mas sim, fazer com que o desespero da não existência estampada no rosto do desabilitado da mente, seja a ligação para a outra extremidade, gerando a esperança de que na Lei da Reencarnação esteja a resposta para os nossos questionamentos.
Conquanto que compartilhemos com estas disposições,  e em algum momento possamos  nos identificar com os desabilitados da mente, de uma forma ou de outra todos nós  temos a nossa porção deficiente.
São os dispositivos das formas da mente humana, que são imensas constelações de sensações,  que associadas ao mundo exterior, transformam estas sensações em conceitos das disposições éticas e intransponíveis das ciências, que impedem-nas de existirem na realidade.
Devemos ter em mente que Deus nos criou,  nos ama e ama a tudo o que criou.
Se não nos amasse não haveria nos criado, dessa forma por mais sugestões negativas que lancem sobre aqueles que não concordam com pontos de vistas alheios, ou abandonem recintos sectários devido a não afinidades, não conduzirão  o psiquismo a um temor infundado.
Amparado na sabedoria de Hermínio Correia de Miranda,  expressa no seu livro As Sete Vidas de Fénelon, “ele disseca a alucinante experiência pessoal de um psicanalista de renome, que um dia vê as suas convicções de materialista abaladas da maneira mais inesperada, em  saber como, começa a viver uma série de fenômenos psíquicos, que lhe descerram os mistérios do tempo, revelando-lhe fatos e experiências de suas vidas anteriores.”
Enquanto em outras doutrinas, para ser aceito, é preciso primeiro acreditar no que os iniciados dizem, constituindo a "fé cega", no Espiritismo, aquele que desejar conhece-lo,  será convidado a compreender antes de aceitar - e aí temos a "fé raciocinada", nos dizeres de Allan Kardec.
A ação de pessoas movidas pela "fé cega" pode, por vezes, constituir-se em ações irracionais de fanatismo.
Os espíritas sérios e estudiosos não têm razão para agir com fanatismo, seria demonstração de falta de conhecimento a respeito da própria doutrina.
Não podemos ficar indiferentes em tais circunstâncias.
O sentimento de caridade exemplificado pelo Divino Mestre, nos anima e impulsiona a tomar decisões para ajudar direta ou indiretamente os Irmãos do Caminho, vivendo a experiência de ter um ou uma deficiente, mental ou não,  na própria família.
Neste particular, os ensinamentos espíritas sobre a Reencarnação podem contribuir para o desenvolvimento de uma lúcida compreensão da vida dos desabilitados da mente, ajudando a todos os familiares quanto à aceitação de tão difícil e complexa patologia, e, ao mesmo tempo, poder também desenvolver estratégias e procedimentos de ajuda ao próprio, para facilitar sua convivência.
O sentimento de fraternal solidariedade, nos impulsiona a difundir o tema Reencarnação, com maior abrangência e amplitude, para ajudar pessoas que possam ter um caso de deficiência, doenças incuráveis ou não, levando mensagens de esclarecimento, esperança e consolação, a mentes e corações de familiares que se defrontam com filhos ou filhas portadores de síndromes com graus de complexidade.



Nilton Salvador
Enviado por Nilton Salvador em 24/08/2007
Código do texto: T621786
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nilton Salvador
Curitiba - Paraná - Brasil, 68 anos
45 textos (4232 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/08/17 18:58)
Nilton Salvador