Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Enquanto espero pelo comboio...

Estou de partida. Levo, porém, apenas os meus sonhos. ( A CASA; NEVOEIRO; FRIO; POEIRA; ATÉ AMANHÃ; EU O MEU TIO E O PIJAMA DELE; AFINIDADE; VIAGEM) Os sonhos são o suporte simbólico indispensável. Têm de estar sempre na bagagem. Seguros e resguardados. De repente deu-me um ataque de pudor!! Achei que os meus sonhos - aquelas coisas fantásticas que ocorrem quando estamos a dormir - são a minha história privada. Ora, o privado, as histórias mais lindas, até as vividas, aquelas que já habitam o passado têm de ficar (intocadas, bactereologicamente puras) no mais sagrado de nós. Ao abrigo da luz e da mundanidade. Fiquei tímida. Vou fechar tudo naqueles baús míticos que assombram os sotãos e interrompem a simetria lenta das teias de aranha. É nesses lugares de silêncio, inobservados, que tudo se transmuda em memórias insuportavelmente belas. É só esperar pela passagem do tempo...
Voltarei consoante a disponibilidade, para falar de coisas várias. Mundanas. Pensei partir de vez, mas não fui capaz. Tenho aqui amigas e amigos. Ficarei, portanto. Agora com o meu nome: Adélia Rocha.
Adélia Rocha
Enviado por Adélia Rocha em 27/08/2007
Código do texto: T626193
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Adélia Rocha
Portugal
69 textos (10130 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 21:17)
Adélia Rocha