Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O PÃO NOSSO, ONTEM E HOJE


No passado, segundo evidenciamos pelos escritos antigos, o pão era feito sem o uso de bromatos. A fermentação era obtida esperando-se a massa levedar naturalmente, por ação de bactérias naturais existentes nos amidos com os quais o pão era feito. Hoje, além de bromatos, outros ingredientes estão sendo utilizados para estabilizar, corar, etc. E assim o pão nosso de cada dia vai tornando-se mais artificial e menos natural, o que também faz-nos mais artificiais e frágeis.

Quando eu era menino e tinha que levar os bolos que vendia, nos fornos das padarias para poder assar, eu via a tarefa de preparar o pão e colocá-lo para crescer por um período considerável. Aliás, dependendo da quantidade que deveria ser feito, a tarefa começava cedo à noite, e se estendia até pela manhã. Hoje os pães são feito a qualquer hora do dia, em fornos elétricos ou à gás, e não segue mais os padrões de antigamente, afinal os tempos são outros.

Outrossim, antigamente a carne só era vendida depois de escorrer o sangue. Normalmente o gado era abatido em um dia e vendido a partir do dia seguinte. Também o gado era alimentado com pasto natural. Hoje o gado além de ser alimentado com ração na qual são incorporados nutrientes, ele também é tratado com anabolizantes, pesticidas, etc. Como se isso não fosse suficiente, os nutricionistas na área animal tem formulado composições alienígenas para alimentar o gado, que é engordado em regime de cativeiro. Uma dessas rações é o esterco do porco, chamado de “chocolate” por aqueles que militam na área pecuária de engorda de gado em confinamento. É que eles observaram que os suínos criados em cativeiro ou regime de confinamento, só aproveitam em torno de trinta por cento do que comem, defecando o restante do alimento. Então eles aproveitam-no e, após um certo tratamento para eliminar o mal cheiro próprio de fezes, administram como ração para gado. Pois o gado vacum tem uma digestão mais lenta e também remói, o que resulta em melhor aproveitamento do que fora excretado pelo suíno. Assim, o que antigamente era limpo hoje é porco. O mesmo fazem com a palhada de arroz que serve como cama para os frangos em aviários, juntamente com as fezes dos frangos. Também é dado como ração para engorda de gado em regime de confinamento.

Por outro lado, hoje também está sendo formulado rações para gado a partir de partes rejeitadas da sua própria espécie depois que são abatidos. Talvez por isso esteja havendo o problema chamado de “mal da vaca louca”, que tem ocorrido nos países da Europa, onde essa prática é utilizada. Segundo os cientistas o mal decorre da alteração de uma proteína animal utilizada na ração do gado. E que transferida para os humanos quando utilizam a carne do animal contaminado também se contaminam, chegando a provocar a morte.

As aves recebem hormônios através da ração a fim de serem induzidas a desovarem, contrariando a sua natureza.

Uma vida não tem preço. Mas parece que hoje os homens entendem que uma vida não tem valor. E assim dão preferência ao ganho e ao lucro.

Com o objetivo de aumentar a produtividade, o açúcar que hoje é fabricado recebe tratamento com substâncias químicas, se tornando não recomendável para todas as idades.

Até o mel, um produto outrora natural, já que obtido diretamente das flores e vegetais, hoje já não se pode confiar. Pois as abelhas, dos apiários que produzem mel em escala comercial, recebem tratamento com fungicidas e antibióticos, e até o seu favo já pode ser fabricado pelos homens.

Por tudo isso não é de admirar que o número de enfermidades esteja aumentando. E que algumas delas sejam causadas por esses motivos, embora não se cogite disso, ou até se negue, devido os interesses daqueles que obtêm ganhos e lucros com essas atividades.

É cada vez mais comum nos rótulos de comidas e bebidas as expressões: contêm acidulantes, antioxidantes, corante artificial, conservantes, estabilizantes, etc.

Assim, o pão nosso de cada dia, que outrora era obtido com suor e desejo, hoje tem sido obtido por meio de  engenhosidade e artificialismo.

Portanto, já não podemos dizer que comemos com satisfação ainda que o sabor possa agradar o nosso paladar, nem podemos confiar de que ele nos nutrirá, mas com desconfiança se mal não nos causará. Por isso jamais devemos prescindir de agradecer àquele que é poderoso para purificá-lo, guardando-nos de sofrermos as conseqüências que podem resultar do pão nosso de cada dia. Isso é uma droga!
oliprest
Enviado por oliprest em 01/09/2007
Código do texto: T633465
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Oli de Siqueira Prestes). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
oliprest
Manaus - Amazonas - Brasil, 67 anos
1906 textos (176009 leituras)
245 áudios (2453 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/08/17 12:26)
oliprest

Site do Escritor