Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Impressionante.

Segundo meu professor de geografia, artigos sao falados na 3a pessoa.
Entao ta ai.
Ela soh cansou de estar viva, impressionante como a musica ocupa um lugar vazio, oco. Ela desistiu de ver seus cabelos crescerem, e de continuar estudando pra ter uma vida mais feliz. Impressionante como ela achava que poderia ser feliz, ela realmente ja nao sabe mais o significado dessa palavra faz tempo. Lembro do tempo que ela estava viva, que o seu coracao ainda batia, e que seus sentidos eram mais fortes do que tudo. Impressionante como ela falava algo e isso se tornava realidade. Impressionante sua ingenuidade, ela, algo tao puro quanto uma rosa, que machuca tanto as pessoas pra depois elas apreciarem a parte boa, impressionante o jeito que ela usava as pessoas, e ninguem, por mais esperto que fosse sabia. Impressionante sua habilidade de mudar, de trocar de gosto em segundos e de todo mundo aceitar, impressionante como todo mundo aceitava. Como ela mudava e todo mundo dizia: "Ah, eh da idade." Impressionante como ninguem se preocupava, soh se preocupavam se alguem fosse achar algo estranho, caso alguem achasse algo estranho eles reparavam e corrigiam aquilo, impressionante como ela era moldada aos gostos alheios. Impressionante como ninguem agia, todo mundo achava que isso nao acontecia. E olha que ela ate tinha sonhos, morar sozinha, se isolar do mundo e nunca mais ter que machucar alguem de novo. Sim, depois dos 13 ela se "revelou" como diziam alguns. Ela deixou o cabelo crescer, ignorou quem a amava e foi em busca do que ela queria, impressionante como todo mundo a reprovava por isso. Ela soh queria ser feliz, ela soh nao queria ser mais alguem que tivesse que ser mantida pelos outros, ela soh nao queria mais pensar que nem eles. Afinal ela tem cabeca pra pensar, nao precisam pensar por ela.
Ela soh queria ser diferente, queria trilhar seus proprios caminhos, queria algo novo, isso ela sempre disse.
Ela queria algo novo, pra vida, pra sempre.
Ela queria algo que tivesse longe, algo que nunca poderia ser dela, impressionante como ela conseguiu estragar tudo.
Impressionante.
Ela um dia me disse que nunca tinha derramado uma lagrima por ele, eu nao acreditei. Entao ela me contou que soh contam as lagrimas que caem, as que nao tocam o chao nao contam.
Entao eu aprendi com ela, a ser indiferentemente surpreendente.
Acho que foi por isso que ela morreu tao cedo. Uma tragedia, alguns diriam, outros falam que isso eh coisa errada, que ela nao deveria ter se jogado da janela de cabeca, muitos ate deveriam ter avisado ela. Mas ela queria algo diferente, a arte de cortar seus pulsos parecia tao xinfrim, tao facil. Era muito mais facil e mais prazeroso se machucar, do que machucar aos outros. Parecia mais seguro, afinal soh ela sentiria dor.
Bom que ela sabia, que um dia, alguem ia descobrir.
Agora, ela eh soh mais uma menina de 15 anos que deixou de descobrir o mundo pra nao machucar mais quem ela ama, pq isso nao tem prazer nenhum.
Fer Bainy
Enviado por Fer Bainy em 01/09/2007
Código do texto: T634423

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Fer Bainy
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 25 anos
59 textos (7976 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/08/17 07:30)
Fer Bainy