Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

2 histórias de solidão

NOTA PRÉVIA: São histórias reais relatadas na imprensa.

1- A SENHORA DO AEROPORTO
A senhora recusou-se a falar com os orgãos de comunicação social. Parece até que fala pouco. Não quer saber de nada daquilo que a rodeia. Tem a sua vida para viver.
É apenas a história de uma senhora de sessenta anos, mais coisa menos coisa, que vive no aeroporto da Portela. Chega de manhã, faz a sua higiene nas instalações aeroportuarias, e depois senta-se numa cadeira, na sala de espera, assim como quem está prestes a iniciar viagem. Tem junto dela uma mala, a sua bagagem, como convém. Parece que causa algum incómodo, aquela inquilina quase viajante. Mas não há como impedir o acesso a passageiros. E ela é-o. Sempre calada, metida consigo própria, limita-se a ficar junto da sua mala de viagem, à espera, no aeroporto.

2- A RUA

Este senhor deixou que o filmassem, mas recusou ir a estúdio, dar o seu testemunho. Também ele tem a sua vida.
Quando se olha para ele parece um sem-abrigo. Mas tem casa. É um senhor de sessenta anos, mais coisa menos coisa. Há vinte anos, morreu-lhe a mulher e um filho num acidente de automóvel. Ele sobreviveu. Desde então, a sua rotina leva-o a fazer uma ronda pelos caixotes de lixo da cidade, à procura de alimentos para dar aos pombos. Depois vai para ao pé dos pombos e alimenta-os. A rua tem gente e movimento e pombos. É tudo o que ele precisa para viver. Mas continua a ter uma paixão: o futebol. Quando há jogo, leva uma cadeira e fica, sentado no passeio, a ver o espectáculo no televisor de uma montra de um stande de automóveis. Os donos do stande  deram-lhe um telecomando e deixam a televisão estratégicamente virada para a rua, para que ele possa assistir ao futebol. Ele tem casa e tem televisão. Mas lá, diz, em casa, tem as recordações do lar, da mulher, da vida que passou. Lá, diz, só tem vontade de chorar.

NOTA FINAL: Ontem, também tive necessidade de sair à rua. De bom grado iria até sentar-me no aeroporto da Portela. Tudo, menos estar em casa. Estava com uma vontade enorme de chorar.
Adélia Rocha
Enviado por Adélia Rocha em 02/09/2007
Código do texto: T635298
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Adélia Rocha
Portugal
69 textos (10123 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/10/17 16:58)
Adélia Rocha