Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
Raízes da minha identidade profissional: exemplo corporificado.*


      *texto apresentado no VI Colóquio Internacional Paulo Freire
realizado no Campus da UFPE(30/08 a 02/09 de 2007) na vivência de Círculos de Cultura, com foco no sub tema "Ensinar exige o reconhecimento e a assunção da identidade cultural".



    
             Nos espaços de educação em que atuo (formação de professores, Conselho Municipal de Educação, fórum de EJA...) e nos que já atuei, tenho realizado um exercício recorrente: relatar minha experiência de leitora e de aluna, com o propósito de demonstrar que  minhas vivências pessoais aliadas a experiências vividas na escola de  minha infância, foram  determinantes para minha escolha profissional e para minha prática como professora.  Embora  já passadas mais de três décadas,  avalio-a como uma experiência que merece ser compartilhada e difundida entre alunos e educadores.
               Afirmo que aquela pequena escola do interior, de classe multisseriada, de professora leiga, de condições pedagógicas mínimas, ensinou-me algo fundamental no meu processo de crescimento: reconhecer-me, assumir quem sou, de que lugar eu venho, quais as referências sobre as quais se assentam meu projeto de vida pessoal e de identidade  profissional.
              Meu relato é pautado na memória. As interações que estabeleci na rotina pedagógica daquele lugar estão categorizadas por mim como experiências de aprendizagens extremamente significativas na construção de Ser. Meu primeiro destaque é a lembrança que guardo,  do quanto aquela escola acolhia nossas diferenças e respeitava o jeito de ser de cada um e cada uma, possibilitando a busca da autonomia cognitiva.
          Um segundo destaque é que, talvez, pela fragilidade intelectual das professoras da escola à época em que cursava as séries iniciais, não havia muita ênfase nos conteúdos escolares. Em compensação, li todos os livros que me interessavam da modesta estante/biblioteca da escola. O aprendizado dos livros e da convivência com diferentes níveis de aprendizagem dentro de uma única sala proporcionou-me experiências muito interessantes, abrindo-me as portas de um novo mundo. Minha curiosidade, instigada por tantas relações e interações que se estabeleciam e por tantas leituras de meu interesse, foi determinante para as escolhas que fiz posteriormente.
            A simplicidade dos gestos das professoras sempre dispostas a acolher, a partilhar o conhecimento que dispunham, a bronquear quando necessário foram importantíssimos  como exemplos de profissionais, seres generosos e amorosos, disponíveis para atender as nossas necessidades. Um fato curioso era como se dava o atendimento ao aluno: sempre perguntava a professora se tinha "dever de casa" e ela os fazia para mim. Meus colegas não perguntavam e não levavam  o "para casa"  e eu achava aquilo muito natural. Compreendia que a  “necessidade” de “ fazer o dever de casa " era minha e não deles.
             Assumir-me como ser "pensante, mobilizador, criador e realizador de sonhos" tem em sua raiz a organização pedagógica de uma escola  que incluía, que levava em consideração a subjetividade de cada um e de cada uma, materializando essa inclusão na oferta de  experiências educativas em que todas e todos pudessem  expressar-se, socializando e produzindo conhecimentos. Exemplo disso é que, como sempre gostei de vivenciar situações e atividades ligadas a Arte de um modo geral, sempre cantava, representava, lia histórias e  poesias em momentos pedagógicos organizados pelas professoras, pelos colegas e por mim.
             Outras experiências vivenciadas, embora limitadas pela conjuntura da realidade do lugar e do contexto pedagógico da época, tiveram o sabor da aventura de aprender. Eram os piqueniques à beira do rio, as comemorações das datas cívicas e religiosas importantes para o calendário do lugar, as festas de encerramento do ano letivo. Cada uma delas era a oportunidade para aprender as tramas, os rituais, o vocabulário referente, geralmente oriundo do universo popular.
             Ser professora, ser educadora torna-se desejo e projeto a partir das experiências vivenciadas naquele espaço de extrema pobreza material, porém imensamente rico do ponto de vista da promoção humana, da afirmação de valores éticos e estéticos, da garantia da boniteza de cada um e cada uma  serem reconhecidos como seres inacabados, em permanente busca do reconhecimento de sua subjetividade e, conseqüentemente, de sua identidade  cultural.



Edna Maria Lopes do Nascimento
Maceió Alagoas
edna-lopes@hotmail.com
**Livro-base para a organização desse círculo: Pedagogia da Autonomia, de Paulo Freire.



EDNA LOPES
Enviado por EDNA LOPES em 03/09/2007
Reeditado em 01/10/2010
Código do texto: T636641

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Edna Lopes). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
EDNA LOPES
Maceió - Alagoas - Brasil, 54 anos
1381 textos (371786 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/08/17 04:41)
EDNA LOPES