Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Prejuízos causados pela irresponsabilidade no trânsito

Quem já presenciou o famoso RAPA, na cidade de São Paulo, onde fiscais da prefeitura recolhem os pertences de ambulantes que estão ilegais, pode ter uma noção da dificuldade que é viver na informalidade, na clandestinidade.
Alguns dirão que a culpa da informalidade recai sobre os ombros governamentais, afirmando que, a informalidade é fruto da alta taxa de desemprego existente no país associada à alta carga tributária. Esta afirmação é uma verdade parcial, porquanto, a sociedade não é composta apenas pelo governo, mas sim por toda a população brasileira.
Imagine, caro leitor, que supostamente temos um governo atuante, honesto, transparente, que trabalha com afinco para o crescimento econômico, beneficiando não apenas ricos ou pobres, mas sim todos. Imaginando que isto exista de fato, de nada adianta existir governo atuante e população negligente, mesmo porque isto é uma utopia, porquanto nossos governantes saem do seio da sociedade, ou seja, representam no poder as tendências que caracterizam a população.
Se há uma sociedade responsável em todos os aspectos, fatalmente seus representantes serão responsáveis, mas se há uma sociedade negligente e corrupta, acostumada ao “famoso jeitinho”, fatalmente seus representantes serão corruptos e negligentes.
É por isso que vamos falar sobre um problema de nossa sociedade, que redunda em graves prejuízos econômicos e atravanca ainda mais nosso progresso como nação: os prejuízos advindos da irresponsabilidade do cidadão brasileiro ao dirigir um veículo. Você já parou para pensar, caro leitor, que a maioria dos acidentes que ocorrem no trânsito trazem grandes prejuízos à nossa pátria? De acordo com o IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada), os acidentes que ocorrem nas estradas brasileiras lesionam a economia em R$.22 bilhões todos os anos. Motoristas que trabalham demais, estradas em péssimas condições, atropelamentos frutos do descaso e da despreocupação na hora de atravessar a rodovia, bebedeiras homéricas que ceifam vidas de inúmeros jovens, isso apenas para citar alguns exemplos que promovem o desperdício de dinheiro que poderia ser utilizado de forma a promover o progresso. Vejam o exemplo da bebida alcoólica aliada à direção. Lamentavelmente, o brasileiro se encaixa no quesito motorista que bebe e dirige. Uma pesquisa da Universidade Federal de São Paulo informou que o motorista brasileiro bebe muito além da média internacional, em uma blitz educativa foram anotados dados alarmantes: cerca de 20% dos motoristas estavam alcoolizados, nos Estados Unidos e Europa, as preocupações começam quando 2% dos motoristas estão alcoolizados. Pura questão de conscientização.
Veja o caro leitor, são bilhões gastos todos os anos com acidentes automobilísticos que poderiam ser evitados; são bilhões que poderiam estar sendo investidos em obras que geram melhoria e progresso à nação tirando inúmeras pessoas da informalidade, refletindo-se em uma melhor qualidade na educação, saúde e cultura, todavia, por irresponsabilidade é um dinheiro jogado fora, atirado ao vento por nossa inconseqüência. É questão de educação! Enquanto não promovermos a auto educação, conscientizando-nos de que nossas atitudes ecoam pelo país afora, dificilmente teremos governantes honestos e comprometidos com o bem coletivo. Vamos assumir o compromisso com o bem da coletividade, fazendo nossa parte com responsabilidade, que certamente as coisas se ajeitarão, a economia irá crescer, o analfabetismo será erradicado, a pobreza superada, a informalidade suplantada e o crescimento estabelecido, transformando de fato nosso país em “Abençoada Pátria Chamada Brasil”!
Pensemos nisso.

Fonte de pesquisa
http://www.infoseg.gov.br/. Acessado em 05/09/2007.


Wellington Balbo
Enviado por Wellington Balbo em 05/09/2007
Código do texto: T639658
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Wellington Balbo
Bauru - São Paulo - Brasil, 42 anos
364 textos (110844 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/10/17 22:08)
Wellington Balbo