Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O casamento



Descontraídas, as letrinhas brincavam no parque do abecedário. Elas iam e vinham, numa algazarra enorme, fazendo figuras e sombras, arranjos e combinações. Tinha letras de todas as cores, azuis, vermelhas, verdes, alaranjadas, cinzentas e brancas. Nesse brinquedo, via-se as maiúsculas puxando as menores, as góticas esnobando as cursivas, enquanto as simpáticas vogais olhavam para as consoantes, numerosas mas desorganizadas, com certa pena.  E lá se iam todas as letras, caminhando para não sei onde, sem um objetivo, arredias a qualquer construção lógica. Foi quando alguém perguntou: “Afinal, quem somos nós?  Para que servimos? De que nos adianta termos sons se não os podemos organizar?”.  As outras assentiram, meneando suas cabecinhas vazias, preocupadas com a inutilidade de suas vidas. Uma delas sugeriu: “E se a gente mandasse buscar um mágico, um técnico ou alguém especialista em montagens?”.  Enquanto algumas consentiram, outras tiveram idéia diferente: “Quem sabe a gente mandava buscar um padre ou um ministro,  para casar as mais afins?”.  Entre debates e votações, ficou decidido que chamariam alguém que resolvesse tão angustiante problema, e que desse a solução, de uma vez por todas,  acabando com a enorme solidão que elas sentiam.  E veio o especialista. Ele começou, primeiramente observando.  Depois fez a pesquisa.  Para o trabalho, trouxe consigo uma mala cheia.  Curiosas, as letrinhas azuis foram ver o que tinha dentro. Lá encontraram pastas, envelopes e pacotes, onde se lia: inspiração, técnica, criatividade, coragem, disciplina, conhecimento.  E se perguntaram intimamente: “Será que só isso vai nos trazer a felicidade?”.  O artista começou a trabalhar.  Dispôs as letras em formação, como num desfile militar, e foi juntando seus sons, suas cores, formando idéias, conceitos, juízos.  Teimosas e apressadas, algumas queriam, por si,  formar conjuntos. O “R” se colocou à frente, chamando o “O”, o “M”  e o “A”.  “Pronto, disse eufórico, escrevi Roma, a capital do mundo!”.  O técnico sorriu, e inverteu a ordem:  ficou AMOR; e disse: “apesar de todas aquelas ferramentas que vocês viram em minha pasta, jamais conseguirão criar algo de bom  se não acrescentarem o amor”.  As pequenas letras adoraram o casamento, começaram a se multiplicar na magia do amor, adquiriram vida e forma, sob a orientação do chefe. Surgiram contos, crônicas, ensaios, romances... Por fim, uma delas perguntou:  “Mestre, como é seu nome?”. Solicitamente ele respondeu: “Uns me chamam de amigo, outros de ministro de união; alguns dizem que eu sou um técnico, muitos acham que sou feitceiro porque faço mágicas...  Eu prefiro que me chamem pelo nome:  Eu sou o escritor”

(Crônica premiada)
Antônio Mesquita Galvão
Enviado por Antônio Mesquita Galvão em 27/10/2005
Código do texto: T64407
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Antônio Mesquita Galvão
Canoas - Rio Grande do Sul - Brasil, 74 anos
983 textos (321780 leituras)
10 e-livros (3490 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 08:55)
Antônio Mesquita Galvão