Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Uma Ironia Social em Álvaro de Campos?

Quem cruzou com o Álvaro de Campos numa rua da Baixa? A sua sombra, o seu alter-ego em depressão? Aquele homem mal vestido, andrajoso, «pedinte por profissão que se lhe vê na cara», quem era? Ou todo o referente inicial do poema, atribuído sem dúvida alguma a AC, mas sem data, não foi mais do que um pré-texto para o poeta se auto-analisar? «Já disse sou lúcido... Sou lúcido... Sou lúcido.»
Concebido como um libelo social, é um dos grandes poemas contra-cultura, avant la lettre de movimentos literários anti-sociais que vieram depois, como o Dada ou a Beat-Generation, para usar dois exemplos díspares, distantes cronológica e geograficamente.
Sem veleidades de instrumentalizar a literatura comparada, cito Neruda que em 1953 afirmou «não há material antipoético, se se trata das nossas realidades», é verdade que a propósito do seu Canto geral sobre a América, mas idêntica observação serve ao poema de Campos.
Ele trata de uma realidade, diria social. Ao contrário do Canto General do poeta chileno, salvaguardadas as devidas proporções, no poema de Campos não há plantas, nem flores, nem vulcões nem rios. Há outra crónica, a da ironia sobre a sociedade que faz nascer os seus próprios pobres para depois exercer os mecanismos sentimentais e organizacionais da caridade.
De uma certa maneira, Álvaro de Campos, sobranceiro à vida, no entanto dir-se-ia que saiu de casa para, fortuitamente, se cruzar carnalmente, fisicamente com a sociedade. Também foi um cronista deste momento social sobre aquele homem mal vestido, a quem o poeta num gesto magnânimo, gesto largo e transbordante, deu tudo quanto tinha, no bolso em que tinha pouco. Queria o heterónimo Campos, esse «infeliz amigo» de Pessoa, falar realisticamente dos pobres, dos nossos pobres? E dos limites da caridade, e da filantropia de «repetição do tipo», isto é, daquela filantropia social do chamado jet set que exibe tiques de caridade para com os pobrezinhos, por reacção em cadeia?
Perante um poema que marca limites à literatura ( russa ), à sociedade e, até, à auto-análise psicológica, não sei responder-me.


 
João Tomaz Parreira
Enviado por João Tomaz Parreira em 18/09/2007
Reeditado em 18/09/2007
Código do texto: T657235
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
João Tomaz Parreira
Portugal, 70 anos
14 textos (781 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/10/17 09:57)
João Tomaz Parreira