Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O INDIGESTO NA PROSA E NO VERSO

A indignação na alma brasileira traduz-se de várias formas e roupagens, em tempos de agonia social e política.

Para os sensíveis de coração e alma os excrementos morais se traduzem em relatos para além da possibilidade do soco. Esta tradução se personifica na voz da prosa e do verso. É e amarga em sua formalidade de vocábulo revestido de sua indumentária de festa, como é da natureza da garganta metafórica.

Porque a garganta indignada produz um lirismo sem doçura. O canto truncado dos aflitos é verdadeiro, mesmo que pobre em sua desaforada aparência. Não é um objeto que se possa enquadrar dentro dos contornos da costumeira beleza, porém cumpre a função de abrir o tampão do tanque dos detritos.

O poeta abre a boca e se faz denúncia. Há tanta subversão de valores nestes tempos de cólera que a ética e a estética (antipoesia?) estão tontas qual uma bússola ensandecida.

E a voz em poesia, carregada de asco e proscrição se animaliza em visceral indigestão. Afinal, o que é o poema senão o relato triste de quem ama e se transfigura na matéria prima?

Não há como esperar belezas no lixo dos dias em que me sujo de pátria amada. Nada mais sei da linguagem do verso, porque avinagra o mosto dos amores e é fétido o olfato do apodrecimento. Não há como deixar de falar sobre o mundo dos fatos. Nós todos somos o ato-fato sobre coisas que cercam e aprisionam. Talvez a grandiloqüente manopla de Lúcifer.

O passo no sentido da crítica e da autocrítica é a flecha dos impulsivos que são sujeitos de si próprios. E a poesia em vez de doce fada é a pata claudicante de reversos e ritmos. Neste instante de amargura a garganta da criação, toda de preto sobre o branco, reza contrita a dor dos condenados a pensar.

Derrama-se o balde das emoções insepultas. O espírito cochicha e o poeta panfletário bota a boca no trombone na sagrada ilusão dos puros. O poema que chora ainda sujo de sangue é um natimorto de injúrias e apreensões. É ele a espada e a escritura, testamento vário dos que não compactuam e se imolam pela Verdade, pela Paz e pela Justiça Social.

A voz dos guetos de todas as circunstâncias é um malho batendo sobre a bigorna. Havidos assim, o verso e a prosa são relatórios escandalosos, a constatação da fúria, o beijo objetivo da morte sobre o esquife da vida.

Errar por ação, nunca por omissão.

Rio de Janeiro, na XIII Bienal do Livro, 20 de setembro de 2007, o Dia do Gaúcho.

– Do livro CONFESSIONÁRIO – Diálogos entre a Prosa e a Poesia, 2006 / 2008.
http://www.recantodasletras.com.br/artigos/665956
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 24/09/2007
Reeditado em 19/04/2008
Código do texto: T665956
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 70 anos
2771 textos (754558 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/08/17 21:08)
Joaquim Moncks