Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O PALHAÇO CAREQUINHA

 Publicado em 17 Abril 2006 no jornal DIARIO DO NORDESTE
O PALHAÇO CAREQUINHA

O circo, com seus acrobatas voadores, suas mágicas ingênuas, sempre foi e sempre será um marco inesquecível de nossas infâncias. A charanga com suas musicas típicas. Os saquinhos de pipoca ou pirulitos a tapearem a angústia da expectativa, da entrada triunfal dos artistas, recebidos com palmas e sorrisos.

Pela sua aparência o palhaço, com seus sapatões absurdos, seu nariz vermelho, sua cara pintada, já por si era uma piada, que fazia o público esquecer tudo de mau e de errado da vida lá de fora do circo. Explodiam as gargalhadas, primeiro das crianças, seguidas pelas dos adultos, após as quedas, os gestos e as palhaçadas habituais. A gente grande entregava-se à liberdade de ser criança outra vez. No picadeiro não estavam seres humanos a ameaçarem a segurança de inocentes. Mas mensageiros do riso que distingue o Homem dos outros animais. Não importava que não houvesse poltronas de veludo, ar-refrigerado, ambiente refinado entre espelhos e tapetes. As gargalhadas expulsavam todos os incômodos dos assentos duros, libertavam os corações oprimidos, e a meninada, dos dois aos oitenta anos, viajava-se para o país encantado de felicidade inédita nos dias atuais.
Foi-se nosso Carequinha, é verdade. Aos 90 anos, morreu aquele que marcou a vida de três gerações de crianças brasileiras: o palhaço Carequinha. Conhecido e idolatrado ate os anos de 1970, pelas crianças de então, marcou a todos pelo seu carisma, sua carreira bonita e, principalmente, por transmitir valores éticos e morais tão raros nos anos atuais.
Quando cantava O Bom Menino, aquele que não faz pipi na cama, não faz mal criação, vai sempre à escola, faz sempre a lição, não bate na irmãzinha, obedece aos mais velhos, estimulava as crianças a serem éticas, corretas e futuros cidadãos que se preparavam para o futuro praticando o bem, evitando a violência, valorizando a vida e a família, estudando e se aperfeiçoando através de seu próprio esforço, acreditando que somente com honestidade e ética podiam conquistar um futuro melhor.
As crianças davam boas risadas, procuravam suas palavras de carinho e incentivo que ajudavam aos pais a moldar seu caráter no caminho do bem. Morreu o palhaço com "P" maiúsculo, diferente daqueles que estão em Brasília ensinando a arte de "se dar bem" com mentiras, armações, corrupção. Resta somente a nossa saudade daquela época, daquele país bem melhor, do futuro que desejávamos e esperávamos então, a dor da falta do artista e as reminiscências da ingenuidade da infância. Com a morte do palhaço Carequinha, nós que, diariamente, somos feitos de palhaços, nos despedimos do cidadão George Savalla Gomes (o Carequinha).

Há poucos dias, através da poderosa rede Globo, o país se emocionou com a declaração de um garoto de favela de que seu sonho era ser palhaço de circo. O inusitado de tal confissão rompeu a carapaça de insensibilidade com que nos protegemos para esconder nossa condição de humanistas contra a vida moderna de violências, ódios e guerras ao nosso redor. Ali estava um menino, crescido entre tiros, drogas e permanente medo, a devassar sua alma de criança que desejava rir e fazer rir, nobre forma de amor declarado.
Ser palhaço. Existe profissão mais pura e generosa que essa? O sonho do menino favelado e de quantos mais meninos sobre a face da terra há de realizar-se, reacendendo o brilho nas faces infantis de suas platéias com a alegria das gargalhadas, abafando o estrondo das bombas, o matraquearem das metralhadoras, o ódio e a ganância dos monstros com forma humana, o choro de outras crianças com fome e sem lar. Os palhaços não morrem. Voltarão sempre como símbolo e promessa de esperança no amor e na paz, um dia, para toda a humanidade.

Para Pensar: "Se o dinheiro for sua esperança de independência, você jamais a terá. A única segurança verdadeira consiste numa reserva de sabedoria, de experiência e de competência." Henry Ford.
evilazioribeiro
Enviado por evilazioribeiro em 20/10/2007
Código do texto: T702875

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
evilazioribeiro
Fortaleza - Ceará - Brasil
215 textos (699192 leituras)
1 áudios (312 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 04:30)
evilazioribeiro