Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Doutor Osório


Havia em Porto Alegre, até algum tempo atrás, uma casa noturna de alto luxo, chamada “Le Club”, bem freqüentada por casais formais e informais. Ali aconteceram grandes festas e promoções sociais, entre as quais, recordo, o inesquecível  reveillon da RBS, em 1995, cuja ida solo me custa explicações à Carmen até hoje....

Pois Doutor Osório, um bem sucedido profissional liberal, era habitué dessa badalada boate. Aí a ficção  e a vida se interpenetram. Não sei como, mas o fato é que a esposa ficou  sabendo que o marido andava arrastando o pé na noite portoalegrense. A cada sexta feira  era uma desculpa: jantar, trabalho,  reunião, palestra, assalto, doação de sangue, carro enguiçado, clube  de  serviço, loja maçônica, o escambal.

Um dia a complacente esposa não agüentou mais e disse-lhe: “Nesta semana, sexta-feira, quero que me leves a uma boate!” Politicamente, o marido tentou desconversar, mas não obteve êxito. Sexta-feira, pelas nove da noite a mulher estava pronta, mais empetecada que madrinha de casamento de interior, cheirando a laquê e Chanel  no  4,5, aguardando a hora.

Ao saírem ele propôs irem à boate do clube tal. “Não, disse a  mulher, eu quero ir no Le Club!” Sem opção, o homem se dirigiu para a citada casa noturna, que àquela hora já “botava gente pelo ladrão”.

Ao entrarem, o porteiro educadamente cumprimenta: “Boa noite, doutor Osório!”. A mulher olha o marido, que se faz de desentendido. Chega o maitre: “Boa noite doutor Osório, a mesma mesa de  sempre?” A mulher entra em estado de ebulição.

Na mesa, o garçom pergunta: “E aí, doutor Osório, comemos o costumeiro strogonof ?”. A mulher não se contém: “Como  é que esses caras te conhecem? De certo tu vens aqui toda a semana?” O marido tenta desconversar: “Que nada, bem, esses caras têm mania de chamar todo mundo de Osório, meu nome é comum...”.

Começam  a jantar, e a mulher engasgada de raiva. Antes de começar mais uma música, o cantor avisa: “Este bolero é dedicado a doutor Osório, bem acompanhado como sempre!”.

A mulher não se contém: “Cachorro, sem vergonha, ordinário, mulherengo, bagaceiro...”. Com o escândalo iminente, Osório levanta-se, manda pendurar a conta e conduz a mulher para fora. Lá na rua ela o insulta mais alto ainda. Vem o táxi. Ambos  embarcam.

O motorista é o primeiro a falar: “Ao mesmo motel de sempre, doutor Osório?”. Aí sim, a casa caiu. A ultrajada esposa abre um repertório de ofensas e palavrões nunca visto.

Afeito a arrufos de casais, o motorista nao se avexa, siplesmente pára o carro, volta-se para trás e diz, calmamente: “Se o senhor quiser, doutor Osório, eu boto essa puta a tapa pra fora do carro”.


escrita/publicada em 1997

(Crônica premiada)
Antônio Mesquita Galvão
Enviado por Antônio Mesquita Galvão em 11/11/2005
Código do texto: T70294
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Antônio Mesquita Galvão
Canoas - Rio Grande do Sul - Brasil, 74 anos
983 textos (322031 leituras)
10 e-livros (3490 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 13:02)
Antônio Mesquita Galvão