Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

EU, RÉU SEM CRIME (dedicado a João de Seixas Dória)

                               

Devo escrever sobre o livro ou a festa, ambos de Seixas Dória? Sobre a festa? Sobre o livro? O livro ou a festa? O livro e a festa? Você disse o livro? E você, a festa? Aquela festa única arrematada pela 5ª edição do livro?
Eu, réu sem crime: a obra, a carta, o documento, a reflexão, o ensaio, a exposição de temas sociais políticos e econômicos na palavra arrebatadora da fonte da juventude, o sempiterno governador do povo sergipano.
O autor de Eu, réu sem crime movimenta a caneta da História desde Getúlio Vargas até deparar-se com o 31 de março, o General Castelo Branco e a prisão em Fernando de Noronha.
A narrativa de Seixas vem costurada pelo fio de um pensamento lógico, demonstrando profundo conhecimento dos problemas nacionais. Como raramente se consegue alcançar num texto, o prisioneiro da revolução envolve o leitor, carregando-o, sem pieguice e sem lamúrias – de forma mesmo dulcíssima – para o seio de sua família, dividindo o sofrimento causado pela prepotência e injustiça que impediram um governador eleito democraticamente de mudar a realidade de um estado cujo erário encontrava-se “às portas da falência, sem encaixe, e com saldo negativo desanimador. A arrecadação não dava para atender à folha de pagamento do funcionalismo público, pois esta era igual à 140% do recolhido em 1962. O Governador não podia comprar à vista, sequer, tinta para imprimir o Diário Oficial e o Estado não tinha crédito (...) A  comunidade empobrecia progressivamente. Sergipe registrou o menor giro comercial do Nordeste. Foi ainda detentor de outro recorde triste: a arrecadação sofreu uma variação negativa de 24,2% no quadriênio de 1959-1962, quando comparado com o Nordeste como um todo. Nós, que olhávamos o Piauí como modelo de pobreza, assistimos ao latifúndio agropastoril nos desbancar do segundo para o quarto lugar em renda per capita nordestina e fomos disputar os índices de pauperismo lá registrados, que eram considerados vergonha nacional...” E isto não é tudo!
Nelson Hungria, prefaciando a obra em destaque, refere-se ao episódio Seixas como Um caso que deslustra a Revolução de 31 de março. Como deslustra se a tal revolução não apresentou ou legou lustre algum? Na verdade, a Revolução devia era envergonhar-se de, na ânsia de “mostrar serviço”, “chegar de abafo”, “meter os pés pelas mãos”, soltar fogo pelas fuças dos tanques blindados e cortar a respiração intelectual do país de Caetano, Paulo Francis, Millôr Fernandes, Rubens Paiva e tantos e tantos.
Cada um de nós carrega as cicatrizes dessa deslustrada e grotesca Revolução.
Seixas Dória depôs ali e acolá, perguntou aos revolucionários e a si mesmo qual seu crime. Marcelo Rubens Paiva cresceu procurando onde acender uma vela pela memória do pai arrancado violentamente de dentro do lar.
Vejam vocês que me lêem, não é tragicômico alguém irar-se contra o outro e considerá-lo subversivo tão somente porque pronunciou a palavra slogan?
O que dizer de quem, com pesadas botas e ferraduras, pisoteia sobre a Constituição Federal?
Bom repetir as palavras de Seixas Dória “Liberdade não se compra e não se troca. Liberdade é um direito. E direito não se negocia. Quem negocia um direito, conspurca-o.Direito,defende-se.”
Quarenta e três anos já se foram. O susto não passou e o trauma não se extinguiu.
Que a poética festa do seu aniversário possa significar o desejo de cada cidadão de jamais sentar-se na cadeira de um réu sem crime.

Aracaju, 27 de fevereiro de 2007.
TÂNIAMENESES
Enviado por TÂNIAMENESES em 05/11/2007
Código do texto: T724022
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
TÂNIAMENESES
Aracaju - Sergipe - Brasil, 69 anos
1682 textos (175285 leituras)
1 áudios (102 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/08/17 08:38)
TÂNIAMENESES