Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A realização do homem

* Publicado na VIII Coletânea Komedi em Julho/2004.


O ditado popular diz que o homem só se torna realmente realizado após ter conseguido unir esses três elementos de felicidade: Plantar uma árvore, ter um filho e escrever um livro. Fiquei a pensar no porque da escolha destas três opções de felicidade. Não poderia ser? construir uma casa, comprar uma Ferrari e ser dono de uma editora? Ou quem sabe, comprar uma fazenda, passar as férias na Europa e ser dono de um restaurante? Pensei em outras opções e cheguei a conclusão que a primeira hipótese é a verdadeira.
Se a paciência de uma árvore que leva dezenas de anos para crescer, dar sombra e doces frutos tivesse nos servido de exemplo, talvez o homem  pensasse mais antes de sombrear Hiroxima e Nagasaghi com o cogumelo do terror.
Se a pureza de uma criança que usa os pais como espelho para a formação do seu caráter comportamental, tivesse nos servido de exemplo, talvez o homem houvesse aberto o seu coração, tirado os sapatos e corrido com os pés descalços ao lado do seu filho, mostrando a ele que os espinhos do caminho furam os pés de todos nós.
Se o ensinamento das palavras que estão nos livros tivesse nos servido de lição, o homem teriam cumprido o que diz a bíblia; não precisava matar o seu próximo para chegar na frente dele na corrida do sucesso. Simplesmente, só seria necessário correr mais que ele. Não necessitava cobiçar as coisas do próximo, pois aquilo que satisfaz a um, pode não ser o suficiente para outro. Ele tem o dinheiro, o poder e a fama. Você é simples, porém é amado, tem filhos sadios e seu sorriso é sincero. Vale a pena trocar? Porque cobiçar a mulher do próximo? Ela é escultural e o marido dela não vai nem saber. Não importa, você sabe. Continuar deitando ao lado de sua mulher que dedicou-lhe a vida, sem se sentir parte daquele quarto  é  no mínimo um ato de covardia. Se você não a quer mais,  deixe-a, sempre existe um outro amor por entre os espinhos a espera de uma rosa ferida. Como alguém pode pegar os seus pais e largá-los em um abrigo? Se eles não respondem mais aos comandos dos mortais, significa que eles dedicaram-se demais para que você fosse feliz. Beije-lhes o rosto e pegue-os pela mão para lhes ajudar a subir os últimos degraus da escada da vida que os levará aos braços do pai. Não minta para você mesmo. Ninguém consegue se enganar nem por muito, nem por pouco, nem por um segundo sequer. O alívio para as dores de sua cabeça não está nos analgésicos e sim na paz de espírito que você pode desfrutar no dia seguinte. Podemos errar, podemos até persistir no erro, desde que estejamos na incansável tentativa de acertar.
Ter filhos, plantar uma árvore e escrever um livro, é a teoria poética da tríade filosófica da realização do homem. Sinto que o filósofo estava equivocado. Não se completa um homem com filhos, árvores e livros.  Ainda é preciso ajudar a acabar com a fome, diminuir a violência, proteger as crianças de rua, dar carinho aos deficientes, amar mais, perdoar mais ...
Ainda falta muita coisa, más nós vamos conseguir. Sei que para alcançar esses objetivos teremos que ter a paciência de uma árvore, a pureza das crianças e a criatividade de um escritor.
Nós conseguiremos...
Henrique Gondim
Enviado por Henrique Gondim em 10/11/2007
Código do texto: T731021
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (Henrique Gondim - www.henriquegondim.com.br). Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Henrique Gondim
Natal - Rio Grande do Norte - Brasil, 52 anos
53 textos (5825 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/08/17 20:06)
Henrique Gondim