Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A praga do gerundismo

Reproduzo aqui o excelente artigo do jornalista Luiz Caversan, da Folha de S.Paulo, sobre o vício do gerundismo: aquela mania de dizer "vou estar te ligando...", ao invés de "vou te ligar...", e assim por diante com outros verbos. Reproduzo em seguida o e-mail que enviei ao jornalista, comunicando que aproveitaria o artigo dele neste espaço.



"Folha Online (19/11/2005)


Gerundiando

Luiz Caversan

 
Já lá se vão cinco anos quando pela primeira vez, aqui neste mesmo espaço, foi dada a partida para uma onda de protesto contra a praga do gerúndio que então se estabelecia no país.

Sabe-se lá vinda de onde, provavelmente da tradução mal feita de manuais americanos de telemarketing, a série de acintes contra a língua portuguesa era ampla e variada: vamos estar mandando sua encomenda amanhã, vou estar transferindo esta ligação, o senhor pode estar vindo aqui?, esta mercadoria só vai estar chegando na próxima semana.

Na época a solidariedade foi irrestrita por parte de leitores e colegas, alguns célebres, como o meu caro Pasquale Cipro Neto e o Hélio Schwartsman.

Mas eram vozes no deserto, porque de lá para cá o maldito gerúndio se estabeleceu, galgou degraus sociais, instaurou-se até nas classes mais instruídas e não é raro hoje em dia em palestras de personalidades, reuniões de primeiro escalão ou seminários altamente qualificados (de jornalistas, pasmem) alguém de repente soltar uma pérola do tipo: "Hoje eu vou estar falando sobre o uso correto na língua portuguesa nas campanhas publicitárias..."

Vamos mandar, vou transferir, o senhor pode vir?, sua mercadoria chegará amanhã, e hoje eu vou falar da língua portuguesa... Não é simples?

Parece que não, porque todos , ou quase, preferem "enfeitar" a coitada da língua pátria com algo que não lhe pertence, a não ser em ocasiões especiais, ou seja, quando alguma coisa efetivamente estiver acontecendo no futuro.

Mas eis que surge um alento. Segundo me alerta uma amiga querida e culta, dia desses a personagem da ótima Fernanda Montenegro na novela "Belíssima" deu uma tremenda bronca na secretária, que saiu lá com um gerúndio desses. Houve um breve comentário a respeito, a partir do qual a neta da personagem, vivida por Gloria Pires, protestou contra a tal da onda de gerúndio. Meus agradecimentos ao autor do folhetim eletrônico, Silvio de Abreu

Quem sabe agora que o alerta apareceu no programa de maior audiência da rede de maior audiência as pessoas que adoram esta forma burra de falar se dêem conta.

Mas o mais provável é que elas estarão falando da mesma maneira, para desespero de quem presta atenção no que as pessoas dizem, e como...  Luiz Caversan, 50, é jornalista. Foi repórter especial e diretor da Sucursal do Rio da Folha. Escreve crônicas sobre cultura, política e comportamento aos sábados para a Folha Online.

E-mail: caversan@uol.com.br"
 


Caro Caversan,
 
 
Todo apoio à sua campanha (será que acertei a crase?). Vou divulgar seu artigo nos sites onde colaboro, obviamente te dando o crédito e remetendo para a página da Folha, se não se importa.
 
Considero-me um inimigo ferrenho e feroz do gerundismo, por motivos linguísticos, culturais e políticos. Agradeço a munição que você acaba de me fornecer.
 
Abraço,
 
Nelson Luiz de Oliveira
 
jornalista
 
Brasília (DF)
Nelson Oliveira
Enviado por Nelson Oliveira em 19/11/2005
Código do texto: T73634
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nelson Oliveira
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 55 anos
345 textos (25590 leituras)
2 áudios (313 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 05:40)
Nelson Oliveira