Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

LINGÜÍSTICA _ algumas reflexões

O dicionário aponta, entre outros, alguns significados que o vocábulo NATUREZA apresenta, entre eles: espontâneo; algo em que não há trabalho do homem; que segue a ordem natural das coisas. Pode-se também dizer que natural é independente, por si só se forma e se mantém, subsiste.

A Bíblia Sagrada se refere ao momento em que toda a humanidade usava um só idioma até que, por castigo divino, os homens passaram a falar línguas diferentes. Significaria o momento inicial da comunicação humana que o ideal é existir uma língua universal?

A Língua Inglesa, há muito, é considerada universal por, supostamente, apresentar uma estrutura ideal possível de ser facilmente apreendida por qualquer pessoa . Claro que se trata de uma generalização absurda. Quem conhece um pouco do Inglês sabe que não é tão fácil assim. Entretanto, nota-se que o ser humano, mesmo que não o perceba, organiza-se em função de uma linguagem comum, como a do Orkut. Mas, jamais a unidade será possível pois assim como uma forma de comunicação é criada no Orkut, vaárias outras são criadas por pedagogos, médicos, marqueteiros, publicitários. Cada grupo quer se sobressair, o que é natural do ser humano.

Quanto à Língua Inglesa, deve-se levar em conta o processo de convencimento que cerca o indivíduo, a força econômica especial e estrategicamente utilizada pela América do Norte no afã de exercer ainda maior domínio sobre o globo. Para alcançar um objetivo de tal porte, a melhor das armas é a língua_instrumento com o qual se penetra fundo no íntimo do semelhante. Só dessa forma é possível entender seus anseios, conquistá-lo, subjugá-lo.

A Língua Inglesa não é fácil como muitos acreditam. Na sua formação passou e passa pelos mesmos movimentos e influências sofridos por outras línguas no planeta. Conte-se, na formação da Língua Inglesa, inclusive a presença da Língua Latina.


Pensar a língua na Pós-Modernidade inclui pensá-la envolvida em um contexto bem mais complexo, num panorama de novas e avançadíssimas tecnologias, uma realidade bem mais palpitante do que aquela das Grandes Navegações, da Revolução Industrial e das primeiras conquistas da Ciência. A língua de hoje contém sangue e espírito de hoje.

O panorama pós-moderno traz novas formas de expressão veiculadas pelo mundo virtual/digital, pela tentativa de democratização do conhecimento, pelas conquistas espaciais e pelo avanço da Medicina e das pesquisas no âmbito da Biologia.

Estudiosos da Língua Portuguesa, amantes apaixonados pela face européia de suas origens, lutam com unhas e dentes  pela sua "preservação", pelas formas puristas/clássicas/nobres, loiras e de olhos azuis. Esta luta tanto pode ser consciente quanto inocente e fruto do desconhecimento ou do preconceito. Esquecem-se, estudiosos, em sua louca paixão, da presença do índio e do negro na formação do nosso idioma. O mapa genético da língua não pode ser escondido, falsificado. E não há a mínima possibilidade de isolamento lingüístico por ser a língua o mais importante e utilizado instrumento da comunicação entre os humanos.

Historicamente ocorre a imposição de modelos, de padrões lingüísticos. Por que há a necessidade de impor e de adotar modelos? A sociedade adota modelos para tudo que vê pela frente:beleza, educação, casamento, artes.

Tomando por critério a unidade da comunicação em um país do tamanho do Brasil, admita-se alguma validade para justificar a adoção de um modelo. Só que não há consulta, há imposição.

A engrenagem sócio-econômica força um modelo de língua que dá acesso ao trabalho. Se o indivíduo não pretende escorrer pelo ralo da exclusão, melhor que aprenda o modelo exigido, como manda o figurino da norma padrão.

As variantes lingüísticas tidas como padrão se fortalecem quando o grupo social se fortalece economicamente . Cabe a cada indivíduo, principalmente ao professor, refletir sobre o seu próprio comportamento sobre a diversidade, sobre a coerência de seu discurso e prática.

Quando se repele e, ao mesmo tempo, se ironiza, condena, reprime, exclui qualquer forma de expressão, o que se está fazendo é ignorância, é falta de leitura e diálogo com o mundo. É injustiça, maldade, tirania.

Um outro aspecto a ser pensado é o da canonização/divinização de determinado modelo/padrão lingüístico. Padrões dessa qualidade não existem pois não somos deuses.

Há uma conjugação de forças cujos objetivos têm um endereço certo, o do sucesso eterno de determinada classe social sustentada pelo dinheiro e pelo poderio bélico.

O leitor deste texto já parou para pensar que a llíngua se mostra moldável quando usada e que, ao contrário das outras coisas, não se desgasta, mas se renova ? Falamos e escrevemos o Latim renovado. repaginado.

A Lingüística ou Glotologia é uma senhora e respeitável ciência  cuja função é estudar a linguagem e seus fenômenos, em si mesma e por si mesma. Observa a língua a partir de seu comportamento, manifestações, constatando, registrando, descrevendo, examinando e comparando esse comportamento/essas manifestações, sem sobre isto influir. Assim como Piaget observou o comportamento das crianças em seu desenvolvimento sensório-motor. Piaget não mandou que as crianças fossem diferentes de sua essência.

Se lançarmos um olhar para  o passado, poderemos constatar que o Império Romano, a Península Ibérica e Portugal faziam distinções firmes, traduzidas na separação lingüística dominantes/dominados.De um lado, o sermo nobilis, do clero e da nobreza; do outro, o sermo vulgaris/castrensis, das classes sociais inferiores e dos soldados.

O português formou-se a partir da mistura do latim vulgar com os dialetos naturais das regiões conquistadas por Roma. O Período das Grandes Navegações trouxe, em seus navios, de Portugal para o Brasil, um idioma já em outro estágio de evolução. Este idioma foi ensinado, implantado, imposto durante o período da colonização do Brasil, cujos habitantes nativos falavam o tupi-guarani, principalmente.

A língua de Portugal unida com o tupi-guarani e dialetos africanos ganhou uma nova fisionomia. Temos hoje um português diferente do de Portugal e contamos com mais influências de línguas européias como o Francês e o Espanhol (filhas também do Latim), a linguagem surgida com o avanço tecnológico e o Inglês.

Não se pode colocar freios na língua. É o mesmo que tirar a liberdade, proibir o pensamento, cercear a expressão. Não adianta, por outro lado,  dizer que é desnecessário dominar a norma considerada padrão, seria um absurdo.
TÂNIAMENESES
Enviado por TÂNIAMENESES em 18/11/2007
Reeditado em 18/11/2007
Código do texto: T742066
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
TÂNIAMENESES
Aracaju - Sergipe - Brasil, 69 anos
1682 textos (175378 leituras)
1 áudios (102 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/08/17 13:30)
TÂNIAMENESES