Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

RECORDANDO CRUZ DAS ARMAS

RECORDANDO CRUZ DAS ARMAS

Por Aderson Machado.


Foi Cruz das Armas o primeiro bairro que conheci em João Pessoa nos dourados anos 60. Mais precisamente no ano de 1963. Eu tinha, à época, apenas onze anos e era a primeira vez que visitava a capital paraibana. Por sinal, nas minhas visitas a João Pessoa eu me hospedava na casa de minha tia Júlia.
Em 1971 meu pai comprou uma casa no bairro em apreço para que, na capital, seus filhos concluíssem os seus estudos. Assim, de mero visitante de outrora, passei a ser um morador desse importante e imponente bairro.
Cruz das Armas já era muito populoso nessa época, além de ser um dos bairros mais tradicionais de João Pessoa. Lá de tudo existia, o que não se fazia necessário que as pessoas se deslocassem para o centro da cidade para adquirir alguma coisa. Com relação ao item lazer, com exceção da praia, lá não faltava nada. A propósito, devo dizer que havia dois cinemas, e assisti a muitos filmes no outrora Cine Glória. Também era um frequentador do tradicional Clube Internacional, onde, normalmente, ia aos sábados à noite, ou aos domingos à tarde. Como não tinha o costume de beber, ia ao Internacional com a finalidade única de dançar, embora não fosse um autêntico pé-de-valsa. Muito pelo contrário: incontáveis vezes era abandonado no meio do salão pelas parceiras, exatamente por não acertar o passo quando tocava determinadas músicas.
Cruz das Armas é o portal de entrada de João Pessoa, para quem vem do Recife, dispondo de pista dupla para segurança, bem como para desafogar o trânsito, tanto para quem entra ou sai da cidade em direção, principalmente, à capital pernambucana.
É bom lembrar que na época em que morei em Cruz das Armas, o sistema viário ainda era precário, porquanto não havia mão dupla e a única pista era construída pelos tradicionais paralelepípedos e sequer havia semáforos. A propósito, esse fato não era motivo de preocupação para mim, posto que não possuía veículo, sendo o ônibus o meu meio de transporte tradicional.
As minhas andanças por entre o bairro, o fazia a pé mesmo. Afinal, era adolescente e essas caminhadas me faziam muito bem. Principalmente ao corpo. Hoje em dia, como sabemos, a caminhada é recomendada para as pessoas de todas as faixas etárias.
Como adolescente e aguilhoado por alguns amigos, normalmente, nos finais de semana, me aventurava a frequentar alguns “assustados”, mais com a finalidade de dançar do que qualquer outra coisa. Certa vez fui informado de que havia uma festinha famosa no Bairro dos Novais, vizinho a Cruz das Armas, mais precisamente numa localidade conhecida como “tabaco-da-burra”. O nome em si não me cheirava muito bem. Literalmente. Na verdade, tratava-se de um prostíbulo de quinta categoria, e as garotas que lá frequentavam eram do tipo “comeu-morreu”. Preferi continuar vivo, e foi a primeira e a última vez que frequentei esse lugar repugnante. Depois tomei conhecimento de que nesse inferninho, não raras vezes, muitos crimes aconteciam, porquanto era um lugar por demais perigoso.
Como sempre fui um amante do futebol, desde pequeno, ao chegar em João Pessoa comei logo a ir aos estádios de futebol. Nessa época, o campeonato estadual era realizado no Estádio José Américo de Almeida e no Estádio das Graças. Este último ficava exatamente no Bairro de Cruz das Armas. E não raras vezes, quando o Botafogo ia jogar nas Graças, eu assistia aos jogos de graça, apesar de não ter nenhuma credencial que me desse esse direito. O artifício que usava, juntamente com outros colegas, era pulando o muro mesmo! Afinal de contas, era estudante, a grana era curta, fazer o quê?
Em 1973, tive a alegria de passar, na primeira tentativa, no vestibular de Engenharia Civil – um vestibular muito concorrido nessa época.
Já como universitário e ensinando, de pronto deixei essa prática de assistir aos jogos de futebol no Estádio das Graças, de graça, porque, graças a Deus, já tinha condições de comprar o meu ingresso para ir ver os jogos do meu time de coração – o Botafogo.
No ano de 1974, deixei Cruz das Armas para ir morar em Tambauzinho. A partir desse ano fui perdendo o contato com esse tão tradicional bairro, que, diga-se de passagem, foi perdendo espaço para outros bairros que começaram a proliferar ao longo da grande João Pessoa. Foi a força do progresso o responsável por esse estado de coisas. Hoje em dia, Cruz das Armas, apesar de muitos progressos, é apenas mais um bairro que pertence à capital paraibana. Infelizmente.


Aderson Machado
Enviado por Aderson Machado em 20/11/2007
Reeditado em 15/12/2014
Código do texto: T745423
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Aderson Machado
Floresta - Pernambuco - Brasil, 65 anos
73 textos (15083 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 10:21)
Aderson Machado