Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ENSINO-APRENDIZAGEM DA LÍNGUA PORTUGUESA

 ENSINO-APRENDIZAGEM DA LÍNGUA PORTUGUESA


“Toda a terra tinha uma só língua, e servia-se das mesmas palavras (...)”, diz a Bíblia em Gênese 11, 1; 6-7.


Na opinião de Steven Roger Fischer, lingüista norte-americano, em entrevista a Eduardo Salgado, publicada na Revista Veja, de 5 de abril de 2000, pp. 11 a 15, está decretado o fim da língua portuguesa e de outras.

Para o importante lingüista “A globalização e a Internet devem aumentar ainda mais a influência da língua inglesa. (...). O lema hoje é aprenda inglês e prospere, ou ignore e padeça”. E sobre a torre do Gênese, afirma que estamos nos encaminhando para a língua universal, a exemplo da existente antes do castigo divino.

Parece insuficiente e inocente colocar a questão do ensino-aprendizagem da língua portuguesa unicamente centrada na concepção e prática de uma metodologia que objetive o texto escrito em qualquer uma de suas modalidades.

A oralidade não é prestigiada nas chamadas aulas de Português. Famílias, escola e a
sociedade, em geral, estão excessivamente  preocupados com a aquisição dos livros e outros materiais didáticos. Em conseqüência de tal estado de coisas, é proibido falar durante as aulas, o que é cinqüenta por cento, cômico e, cinqüenta por cento, trágico.

O mundo moderno e globalizado está infiltrando os seus tentáculos por toda parte. A língua se movimenta, acompanha a evolução sócio-histórica e se moderniza; desprende-se naturalmente de algumas características de épocas remotas. Para novos tempos e novas gerações há novas tendências e novos significados para a comunicação do pensamento. E para o ensino-aprendizagem de uma língua.

O sensível desenvolvimento das comunicações e o progresso tecnológico inserem alterações nas formas de escrever e de falar. O código lingüístico se renova enquanto pessoas conservadoras consideram ser a renovação natural um empobrecimento da língua.

O ensino-aprendizagem da língua portuguesa exige que se esteja consciente de ser a língua um ser vivo, instigante e interativo. “O objetivo final de uma aula deveria ser formar futuros pesquisadores, e não decoradores de matéria”, opina Kanitz, em artigo publicado pela Veja, de 29 de outubro
TÂNIAMENESES
Enviado por TÂNIAMENESES em 24/11/2007
Código do texto: T750783
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
TÂNIAMENESES
Aracaju - Sergipe - Brasil, 69 anos
1682 textos (175324 leituras)
1 áudios (102 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/08/17 22:19)
TÂNIAMENESES