Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O maior ativo das empresas

Todos sabemos que uma empresa é composta pelo tripé: acionistas ou dono, clientes e funcionários. Se faltar algum dos elementos desse tripé a empresa não existirá. No entanto, algumas empresas têm uma visão míope dessa realidade, pois valorizam apenas acionistas e clientes esquecendo-se dos funcionários. Em relação a outra parte do tripé, ou seja, os funcionários, infelizmente é utilizada a política do troca troca. São empresas onde a rotatividade de pessoal é grande, e praticamente não há valorização do ser humano.
Contudo, podemos afirmar que são organizações que terão de repensar sua forma de atuar no mercado. Ou mudam sua política ou estarão fadadas à extinção.
O grande Peter Drucker que utilizava os potentes binóculos da visão arejada e ousada, e, por isso, enxergava anos luz à frente da maioria de nossos empresários, afirmava há mais de trinta anos que, o maior ativo de uma empresa é o seu pessoal.
Drucker tinha razão. Quando a empresa valoriza o indivíduo proporcionando um ambiente saudável, distante da rotatividade que amedronta e gera incerteza, a produtividade é maior e a qualidade dos produtos e serviços melhor. Maior produtividade e melhor qualidade dos produtos e serviços satisfazem os clientes. Clientes satisfeitos são lucros garantidos aos acionistas. Por isso não é demais afirmar que a parte mais importante do tripé acionistas, clientes e funcionários, é sem sombra de dúvidas os funcionários que compõem a organização. Preste atenção, caro leitor, geralmente em empresas, lojas e indústrias que você é mal atendido, pode ter certeza de que lá trabalham funcionários insatisfeitos, descontentes com o ambiente e a política da empresa. Não são valorizados, são tratados como mais um, portanto, não se empenham em atender bem o cliente. E se você foi mal atendido, provavelmente falará a seus amigos e deixará de adquirir produtos dessa loja ou indústria.
A MTW Corp., empresa de software dos Estados Unidos diminuiu significativamente a rotatividade de seu pessoal, passou a valorizar as pessoas que trabalhavam na organização, primou por um ambiente saudável e o resultado foi excelente. Em cinco anos seu faturamento anual pulou de 7 milhões de dólares para 40 milhões de dólares.
Em seu livro “Liderança Saudável” nos conta o consultor de empresas e escritor Alkindar de Oliveira que a empresa Souwthwest Airlines, que está entre as oito maiores companhias aéreas dos Estados Unidos, vem se consolidando no mercado como uma das empresas mais lucrativas de sua área. Seus vôos são pontuais,  - bem diferente do que ocorre no Brasil - , o manuseio com as bagagens é perfeito e as reclamações praticamente inexistem. Os clientes estão satisfeitos, os acionistas também. È que na Souwthwest os clientes e acionistas vêm em segundo lugar. Em primeiro estão as pessoas que trabalham na companhia.
São apenas dois exemplos de como a valorização do indivíduo agrega valores às empresas. São duas gotas em um imenso oceano de modificações, de melhorias e de valorização da criatura humana. Sinal de que as coisas estão mudando, e para melhor.
Por isso, forçoso admitir que as famosas frases: “O cliente tem sempre razão” e “O cliente em primeiro lugar”, são frases de impacto, entretanto, devem servir apenas para marketing. Se a empresa quer de fato ver seu cliente satisfeito e seu acionista obtendo  lucros, deve pensar que em primeiro lugar vem mesmo o cliente, mas o cliente interno, ou seja, os funcionários da organização, pois como afirma o guru dos gurus Peter Drucker, o maior ativo das empresas é o seu pessoal.

Wellington Balbo
Enviado por Wellington Balbo em 25/11/2007
Código do texto: T752444
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Wellington Balbo
Bauru - São Paulo - Brasil, 42 anos
364 textos (110945 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 06:48)
Wellington Balbo