Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DORIS LESSING, PRÊMIO NOBEL DE LITERATURA 2007

Os jornais e os sites de pesquisa levam a notícia ao mundo inteiro, trata-se da romancista britânica Doris Lessing que é a vencedora do Prêmio Nobel de Literatura 2007. A informação é da Academia Sueca (em Estocolmo).

Doris Lessing é  a décima primeira mulher a ganhar o prêmio. Muitos  acreditam que Gabriela Mistral, em 1945, foi a primeira mulher premiada com o Nobel. Entretanto, a Wikipedia apresenta um quadro completo dos premiados, desde 1901, e consta que a primeira a ser galardoada foi a sueca Selma Lagerlöf, em 1909. As demais mulheres merecedoras do prêmio foram: Grazia Deledda, Sigrid Undset, Pearl S. Buck, Gabriela Mistral, Nelly Sachs, Toni Morrison, Nadine Gordimer, Wislawa Szymborska e Elfriede Jelinek.

A academia sueca classificou a escritora de 87 anos como uma autora "da experiência feminina, que, com ceticismo, fogo e poder visionário, sujeitou uma civilização dividida ao escrutínio".
 
Doris Lessing nasceu em Kermanshah, na antiga Pérsia _ atual Irã _ em 1919. Filha de pais britânicos, criada na Rodésia do Sul (atual Zimbábue),  África. Desde1949 passou a viver no Reino Unido, onde publicou seu primeiro romance, The Grass Is Singing. A escritora premiada publicou livros no Brasil pelas editoras Record, Companhia das Letras e Nova Fronteira.


Ainda, para a Wikipedia, Doris criou um mundo novo para si mesma.
A BBC Mundo.com refere que “Lessing es autora de obras como Canta la hierba (1950), El cuaderno dorado (1962), Historias de Londres (1992) y muchas otras que le han hecho merecedora de un gran número de premios, entre los que destacan el Médicis y el Príncipe de Asturias de las Letras”.

Afonso Cautela, em seu texto, Quando o intruso aparece. O pecado original na obra de Doris Lessing,  publicado no jornal A Capital, Livros na Mão, em 18 de dezembro de 1990, traça um panorama da obra da mulher Nobel de Literatura 2007, centrando-se especialmente nos textos O Quinto Filho,( Ed. Círculo de Leitores); Diário de uma Boa Vizinha (Os Diários de Jane Somers) e A Erva Canta _  Publicações Europa-América.

Assim se expressa Cautela a respeito de Doris Lessin:

 “Literatura «genesíaca», portanto, podia ser uma adjectivação muito apropriada a esta cronista dos sentimentos mais subtis e insólitos, das paixões mais estranhas e desgarradoras, dos meandros mais labirínticos, quase sempre em casos-humanos limite, fora dos cânones greco-latinos da estética e da ética. Aquilo a que o cristianismo, frente ao Diabo, chamou o «Mal»”.

Há quem critique o a premiação de Doris, é o caso da escritora gaúcha, Cíntia Moscovich que, segundo a fonte Schneider Carpeggiani/Jornal do Commercio, afirmou:

“Temos de pensar que o Nobel, cada vez mais, é um prêmio político. Nos últimos anos, ele foi para autores de países periféricos, Turquia, Índia. Esse caso de Doris Lessing é estranho porque ela é uma autora inglesa. É estranho a Academia Sueca ter decidido por uma súdita da rainha, isso é uma questão que precisa ser pensada”.(...)  “O curioso, para mim, é que Doris Lessing nunca me passou a imagem de grande escritora, sempre a tive na minha cabeça como uma espécie de Nora Roberts (best-seller de livros açucarados), como uma Patricia Highsmith (autora de O talentoso Ripley)”.

Na opinião de Mário Lima, a escritora premiada “denunciou o que ela chamou de podridão no mundo literário e também na sociedade”.


Os meios de comunicação fazem o seu papel de divulgar e de formar a opinião pública; os escritores produzem suas obras e a Academia Sueca tem os seus critérios soberanos de premiação. Para as mulheres é motivo de orgulho e alegria se acharem representadas no mais significativo prêmio literário, na carismática figura de Doris Lessing e de outras anteriormente galardoadas.

Ainda relativamente pouco conhecida entre a maioria dos brasileiros, a escritora está ganhando popularidade na Internet, num vídeo MSN onde exclama "Ah, meu Deus!", surpresa perante o prêmio e, de forma  lúcida, diz não mais conseguir se emocionar com o que lhe acontecera.

Os críticos de sempre estarão aí para aprovar ou condenar , não só a premiação de Lessing, mas a de outros que sejam escolhidos. Normal até aí.

Quanto a políticas e premiações, embora tardias como a de Doris Lessing, estas existem há séculos e continuarão existindo, independentemente de quaisquer críticas. O importante é que haja leitura, escrita e valorização do profissional das letras.

Fontes eletrônicas consultadas:

http://afp.google.com/article/ALeqM5iOsO1PmJt6hF7o6RvohgnOjXo_Mw http://oeiras-a-ler.blogspot.com/2007/10/prmio-nobel-da-literatura-2007.html
http://oglobo.globo.com/cultura/mat/2007/10/11/298099896.asp
http://news.bbc.co.uk/hi/spanish/misc/newsid_7039000/7039361.stm
http://pt.wikipedia.org/wiki/Categoria:Pr%C3%A9mio_Nobel_de_Literatura
http://pt.wikipedia.org/wiki/Nobel_de_Literatura
http://pwp.netcabo.pt/big-bang/gatodasletras/lessing.htm
http://adeliciadoabsurdo.blogspot.com/2007/10/doris-lessing-arte-de-algum-poder-ser.html
http://www.bienalpernambuco.com/noticias/uma-escritora-sem-milita

TÂNIAMENESES
Enviado por TÂNIAMENESES em 07/12/2007
Reeditado em 03/01/2008
Código do texto: T768607
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
TÂNIAMENESES
Aracaju - Sergipe - Brasil, 69 anos
1684 textos (176276 leituras)
1 áudios (102 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/10/17 09:27)
TÂNIAMENESES