Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sem remo, sem rumo

                        Sem remo, sem rumo

   Ultrapassamos os 500 anos de existência cheios de entusiasmo, assim como um adolescente que completa maioridade e acredita que a partir deste momento tornou-se independente e apto a dar rumo à sua vida, por sua própria conta.
No entanto, ainda somos tolos inocentes que ainda não nos livramos das amarras ditadas por forças externas, que a todo custo, tentam se apossar de nossas riquezas, após terem esgotado suas próprias fontes durante séculos de devastação.

   Reunimos um cenário de causar inveja a qualquer potência mundial, por ocuparmos a parte melhor contemplada no planeta. Temos rios abundantes de água e peixes, esplêndidas praias extensas e uma agricultura que encobre um solo rico em minérios valiosos, compondo um celeiro para abastecer o globo por mais 500 anos. Possuímos um coração gigante, que abraça gente de todas as partes do mundo, sem distinção, gozando das mesmas regalias e oportunidades dos nossos nativos. Paradoxalmente, não valorizamos os poucos indígenas que ainda nos restam e que oprimidos, ainda guardam nossa herança inicial. Somos donos de
uma força enorme para superar as eventuais adversidades que assolam nossas populações, quando a Natureza protesta contra nossa falta de senso em preserva-la. Neste instante, a solidariedade une todas as camadas no esforço de ajudar aos atingidos pelo destino. Mas este espírito não perdura o tempo necessário para erguermos os alicerces de sustentação de nosso projeto de vida.

   Passada a borrasca, rapidamente nos deixamos deslumbrar com aparatos bem montados pela mídia, que comercializa e enaltece a boa qualidade de vida, que só está disponível para uma minoria privilegiada. Logo nos esquecemos de nossos irmãos menos afortunados, sem cultura, doentes, esfomeados e destelhados, que teimosa e heroicamente sobrevivem sob condições adversas. Trocamos nossas riquezas brutas, por belos artesanatos de plástico, movidos a pilhas.
Nós, que produzimos mestres em diversas áreas (futebol, música, medicina, moda, etc), não conseguimos manter aqui nossos ídolos. Eles são atraídos para o estrangeiro, onde existem recursos que lhes permitem desenvolver e valorizar suas habilidades físicas e intelectuais. Somos capazes de desenvolver nossos próprios produtos, voltados para nosso estilo de vida. Mas somos doutrinados a importar os pacotes que trazem em seu bojo, funções desnecessárias à nossa rotina. Custam caro e nos endividam eternamente. E não somos capazes de impedir a saída ilegal de nossa madeira, nossa fauna, nosso minério, nossos pesquisadores.

  Os que se beneficiam deste quadro sombrio, se rotulam de otimistas e alegam que nós, que levantamos estes temas, somos pessimistas, que só enxergam a parte perdida do processo. Os tais otimistas, fingem não perceber que estamos condenados à condição de eterna colônia sob o jugo do metal (arma ou dinheiro). Perenes escravos daqueles que comandam o mundo de forma gananciosa, que gastam bilhões em poderosos foguetes e armas, que poderiam doar sementes aos esfomeados que os ajudaram a enriquecer. Será que somos um bando perdido pelo deserto da ignorância, sem ídolos vivos que possam nos dar exemplos para seguirmos e ensinarmos? Ou teremos de nos contentar em idolatrar os filmes enlatados que veneram os heróis estrangeiros? Ou no máximo, suspirar por um inocente que no Big Bobo Brasil é rotulado de “gênio” quando consegue emendar 5 palavras numa frase?

   Mas ainda há tempo. No limiar deste século, estamos iniciando o período de nossa sofrida maturidade. As consciências estão despertando, se libertando da escuridão do desconhecimento. Apesar da acomodação de nossa sociedade, nossos jovens, que a cada geração nos surpreendem mais cedo com seus questionamentos quanto à visão de vida que lhes passamos através dos ditados discriminatórios, que inteligentemente contestam dogmas e paradigmas arcaicos que amordaçam a criatividade, certamente nos conduzirão à trilha que nos levará à descoberta de uma melhor qualidade de vida, sem precisar pisotear os menos afortunados. E conseguirão isto com apenas três ingredientes bem dosados : perseverança, amor e esperança. O tempo que isto vai demorar, depende de quantos da NOSSA geração tentarão atrapalhar.
Haroldo
Enviado por Haroldo em 05/12/2005
Código do texto: T81369
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Haroldo
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 71 anos
678 textos (24818 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 21:11)
Haroldo