CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

SOBRE A VELHICE

A velhice é uma realidade que não existe para a consciência do homem. O jovem a ignora porque está ocupado em viver a própria idade, o adulto a ignora graças ao medo que sua proximidade causa e o velho está procurando coisas saudáveis como a dança de salão, anestésicas como a religião ou prejudiciais como o álcool para não ter que pensar nela até perder a consciência de si próprio e da própria morte.

Os que convivem com um velho procuram mostrar-se capazes de abnegação, paciência e bondade para despertar a admiração dos outros e de si mesmos ou então ficam ocupados em se irritar com os transtornos que esse velho está causando na família. Não pensam na velhice, pensam naquele velho em particular para fugir da consciência do espelho de todas as velhices que uma velhice é.

Os meios de comunicação, principalmente as revistas femininas, quando abordam o tema trazem matérias sobre como se pode manter a saúde e o ânimo por mais tempo, dão exemplos de pessoas ou grupos que encontraram uma maneira de continuar vivos e alegres apesar da idade, dizem sempre e de todas as formas coloridas e otimistas que a velhice não é ruim se a pessoa não se deixar abater por ela. A grande maioria dos que não são ou não admitem o fato de serem velhos acredita ou se obriga a acreditar nisso, e acrescentam aos exemplos dados pelos meios de comunicação outros avôs e avós que viveram lúcidos e felizes até muito depois dos setenta, oitenta, e alguns chegam até a passar dos noventa anos de idade.

Essa crença cega naquele que diz que a vida é o que queremos que seja é muito parecida com a “cegueira” que costuma atingir muitos pais e mães que, por mais evidências com que deparem, se negam a acreditar que um filho seu está usando drogas, trilhando os caminhos do crime, ou é homossexual. É parecida também com a maneira seletiva com que se escolhe uma religião ou doutrina, como o espiritismo; acreditamos em tudo que está de acordo com o que desejamos acreditar.

O que acontece com o indivíduo acontece também com a sociedade.
Nos países pobres, como nas famílias que têm muitos filhos e baixa renda, as pessoas envelhecem mais cedo porque são mal nutridas e mal cuidadas, têm muito trabalho e pouca ou nenhuma assistência médica e os velhos são ignorados e deixados sem amparo porque o país já tem dificuldade para dar vida digna às crianças e aos jovens. Nos países ricos, como nas famílias que têm poucos filhos e alta renda, dão a eles todo o respeito e amparo possível e são felizes por serem bons e não permitir que seus velhos se sintam excluídos da sociedade da qual o excluem. O velho não trabalha e pode viajar e viver na companhia de outras pessoas, leia-se outros velhos, para não se sentirem solitários e infelizes. Além disso, eles têm todo tipo de assistência médica para que não sofram por causa das doenças que a velhice traz.

A convivência com a velhice, própria ou alheia, consiste em não se permitir pensar nela. Tudo é colocado pelo homem para possibilitar o esquecimento desse fato que em si e por si é muito pior do que a morte. Quando pensa na morte o homem encontra o descanso e o esquecimento caso não acredite na vida após a morte, o paraíso ou até mesmo o inferno que, por pior que seja, é algo que está reservado para o outro nunca para si mesmo. Pode pensar na reencarnação e no retorno à vida na terra, o que traz a esperança de uma outra vida melhor, na qual se será mais saudável, mais rico, mais bonito, mais inteligente, mais famoso, mais qualquer coisa que se queira ser e que nessa vida não foi possível, inclusive e principalmente mais bom e digno de receber o preço da bondade que é a felicidade completa e total, seja lá o que isso for.

A velhice não tem beleza, não tem poesia e não tem recompensa visível porque um velho não é bom nem ruim, é apenas um velho e seu futuro é apenas a morte. Uma das coisas boas de se estar vivo é poder fazer planos a longo prazo. O velho não pode fazer planos a longo prazo, ele não tem longo prazo. Não pode pensar no amanhã para corrigir os erros de hoje e não pode pensar no amanhã para se compensar dos sofrimentos de hoje. Não pode nem mesmo pensar em ver um ente querido, neto ou sobrinho, crescer e se tornar adulto espelhando nessa vida seus desejos de realização como os pais às vezes costumam fazer com os filhos. O velho não tem cura, sua doença é mortal e seu futuro não existe. Se pensar sobre isso o velho não resiste, por isso procura algo para fazer hoje, por isso toma antidepressivos e por isso se preocupa com a vida de seus familiares e de quem está perto dele até tornar-se inconveniente e incômodo.
E se a velhice é ruim para o ser humano, ela é pior ainda para a mulher. À mulher tudo é perdoado se tiver beleza física e todas as qualidades são escondidas se a beleza não estiver presente. E porque a beleza é relativa toda mulher é bela, é sua sina e sua obrigação, é seu castigo e seu êxtase. A beleza é parte da personalidade da mulher mais do que o instinto materno e mais do que todos os sentimentos e pensamentos que podem habitar seu mundo. A beleza é a felicidade da mulher, inclusive da mulher que não dá valor à beleza, que se diz intelectualizada, que acha que o cérebro é mais valioso que a bunda ou os seios. Toda mulher é bela e toda beleza é feminina. Uma velha é uma mulher que perdeu a beleza. Uma velha é uma mulher que perdeu a essência de ser mulher. Uma velha não é. Não é mulher, não é feminina, não é pessoa. Um velho não perde sua condição de homem, uma velha perde sua condição de mulher. A velhice é uma sombra que paira sobre a mulher desde a primeira ruga, desde o primeiro fio de cabelo branco, desde a primeira vez que uma criança a trata de tia ou um jovem a chama se senhora. A mulher continua sorrindo depois dessa primeira e de muitas outras manifestações dessa sombra porque o sorriso é feminino e belo, continua frente ao espelho à procura da beleza que ainda resta mesmo quando toda a beleza que resta é aquela que sobreviveu apenas na sua imaginação. Quando desiste da beleza a mulher desiste da vida e deixa de ser mulher para se tornar algo nem vivo nem humano que caminha para o próprio túmulo.

Caminhar para o próprio túmulo. Esse é na verdade o fato puro, sem máscaras, simples e real da vida do velho, de todos os velhos. A gente brinca, a gente nega, a gente cria mentiras bonitas que viram “verdades”, a gente vive o hoje e se obriga a não pensar no terror, a gente faz tudo isso e essa será a nossa vitória. Negar, negar sempre e para sempre, negar ante as provas mais óbvias, negar ante a realidade mais viva, negar em grupo, em comunidade, fazer da mentira verdade. É aí que reside nossa força, é isso que nos impede de enlouquecer diante do espelho e da primeira ruga.

Divina de Jesus Scarpim
Enviado por Divina de Jesus Scarpim em 20/02/2008
Reeditado em 05/12/2013
Código do texto: T867473
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre a autora
Divina de Jesus Scarpim
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 55 anos
442 textos (73396 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 01/09/14 15:41)