CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

"Racismo na sociedade"

O racismo na sociedade

O racismo na sociedade brasileira tem causado sérios transtornos aos negros, porque impede que eles participem da integração social; a manifestação desta aberração é sutil e disfarçada de tal modo que não se percebe sua manifestação. Há exclusão, descaso, e desvalorização desta parcela do povo brasileiro. A hipocrisia não permite que o preconceito seja admitido como prática comum.
Em pleno início do terceiro milênio, ainda não se conseguiu superar o terrível mal da segregação racial; exclui-se o negro por qualquer motivo, considerando-no inferior, impedindo sua auto-afirmação como individuo que pode contribuir para o crescimento do Brasil. Isto pode ser notado no elevado índice de analfabetismo, pobreza e marginalidade nesta classe. É tudo tão absurdo que, se um negro for visto dirigindo um carro de luxo, logo é considerado traficante e que provavelmente seu carro é roubado. Em blitz policial, se houver um negro, ele será sempre o primeiro suspeito. Criou-se o conceito de que os espaços mais nobres da sociedade não podem ser ocupados pela senzala.
Nega-se inclusive, o Papel de destaque que esta raça exerceu na história, sendo que o desenvolvimento deste país se deu justamente com sua contribuição, apesar de estar longe de sua pátria mãe, trabalhou muito, ainda que obrigado. Os piores trabalhos foram executados por eles. Deve-se reconhecer sua força, pois sempre lutaram para conquistar dignidade à custa de muito sangue e suor. Em qualquer parte desta terra, encontrar-se-ão marcas de sua luta. A cultura, a arte, a música e culinária seriam mais pobres sem a participação dos negros, que representam a grande maioria da população.
Apesar dos espaços conquistados, eles ainda têm muito crédito. A sociedade tem que saldar a dívida enorme que tem para com eles. Só para se ter uma idéia, quase não se encontra negros nas universidades, que segundo pesquisas, eles são somente 3% dos universitários e quando se formam, não conseguem os mesmos espaços que outros profissionais da elite dominante conseguem. É mister que se devolva  dignidade,  igualdade de direitos e  oportunidades ao povo que luta incansável em condições desumanas para conseguir seu lugar ao sol. Não se pode simplesmente impedir, mediante ações mesquinhas, a possibilidade de crescimento e liberdade a quem luta contra todo tipo de exclusão e opressão. O fato de ser negro não significa ser cidadão de 3ª categoria.
Portanto, chegou o momento da sociedade encarar o preconceito de frente, discuti-lo claramente, sem subterfúgios, avaliar os seus transtornos; assumir que o prática e, se possível, combatê-lo e conscientizar-se de que a cor da pele não transforma o ser em mais ou menos superior que o outro. Geneticamente, todos são iguais. Todos têm sentimentos; amam, riem, sentem dores, choram, ficam tristes e desejam dias melhores. São gerados da mesma forma. A diferença está tão somente na cor da pele, nos costumes e no habitat. A beleza está justamente na enorme diversidade existente no universo. Conviver em harmonia com as diferenças é uma qualidade do ser humano.
Com todo o processo de segregação racial, podemos afirmar que o negro é uma raça forte, tanto no que se refere à força física, quanto à força psicológica, porque encara as adversidades com coragem; vai superando as barreiras e abrindo fronteiras para se firmar como ser capaz de modificar realidades desfavoráveis. Mediante a ação de diversas entidades representativas de diversos estados, como Olodum na Bahia, Consciência Negra do Rio Grande do Sul e Fundação Palmares entre outras, podemos constatar que os negros conseguem recuperar seus direitos e buscam através do exercício da cidadania, a liberdade, a igualdade, a fraternidade e a dignidade plena. Vemos diversos negros influentes na política, no meio acadêmico, na literatura e na vida social. Não é o suficiente, mas é o começo do resgate da autonomia desses nossos irmãos, que durante sua história, têm sido injustiçados sistematicamente.
Silvanio Alves da Silva (21/02/2001.
   
Silvanio Alves
Enviado por Silvanio Alves em 17/03/2008
Reeditado em 13/04/2013
Código do texto: T905721
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (SILVANIO ALVES). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre o autor
Silvanio Alves
Divinópolis - Minas Gerais - Brasil, 54 anos
1565 textos (450776 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/08/14 03:32)