Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Bandeiras da Intolerância

“Não sou a favor nem do judeu, nem do muçulmano,
porque acho que só existe uma raça: a raça humana”.
(Georges Bourdoukan)


Abra o jornal, folheie uma revista, ligue a tevê. Observe como poucas são as notícias veiculadas que podemos apreciar. Os informativos, todos eles, têm como matéria-prima a desgraça. Ora são as guerras, ora os conflitos políticos, ora as mazelas econômicas. A fome, o frio, o fogo na mata adentro – os quais não deixam de ser outras formas de guerra.

Tiroteio entre facções que disputam a hegemonia em regiões habitadas, porém desprovidas de lei. A droga que grassa e viceja, que invade escolas, bares e lares, atingindo não apenas adultos e adolescentes, mas até mesmo crianças. Uma arma de fogo que dispara acidentalmente, um garoto que chacina sua própria família ou um grupo de colegas da escola. Filhos que matam pais, pais que violentam filhas, filhas que se prostituem. Governos que desdenham da miséria e que lutam apenas pelo poder como fim absoluto de sua vaidade e ganância.

Mesmo onde se poderia imaginar prazer, encontramos o negativismo. O caderno de esportes relata a contusão de um atleta, exalta a suspensão de outro flagrado num exame antidoping, anuncia em polvorosa a demissão sumária de um técnico. No caderno de cultura, críticas ganham mais espaço do que elogios.

Não sei de onde vem este apego, este quase que encantamento do ser humano para com o que é menor, para com o que não o eleva. Talvez seja uma espécie de indulgência às nossas próprias fraquezas. É como se, para nos sentirmos melhor, fosse necessário que os outros se mostrassem piores do que nós. Parece que a gente não busca se melhorar, mas sim diminuir os outros...

Vivemos tempos de amargura, tempos de desamor, tempos de intolerância. Compomos as nossas teias, os nossos círculos fechados de relacionamentos e de amizades. E carregamos bandeiras diferentes. Não são mais apenas bandeiras representando nações, pois a luta transcende o plano territorial e a supremacia.

Carregamos bandeiras de religiões sem perceber que independentemente de qual seja a crença o fundamental é a fé que se pratica. Religiões afastam as pessoas, enquanto a espiritualidade as aproxima.

Carregamos bandeiras diferentes nos estádios de futebol, e quando poderíamos apenas e tão somente comemorar a magia do espetáculo, fazemos de estandartes, armas que ferem; fazemos da provocação animada e prazerosa, concertos e odes para a ira coletiva.

Carregamos bandeiras pessoais, as bandeiras segregacionistas. Ora são os negros, ora os índios, ora os homossexuais, cada qual colocando-se numa posição inferior, chamando a si próprios de minorias, buscando através do julgamento diferenciado o tratamento equânime. Querem a igualdade, mas a perseguem a partir da diferença. E muitas vezes acabam colhendo apenas a indiferença.

A palavra intolerância diz muita coisa. Ela remete à incapacidade de tolerar, ou seja, de aceitar, de permitir, de escutar, de respeitar, mesmo que discordando. De tanto ostentar bandeiras, negligenciamos nossa própria liberdade, colocando-a em segundo plano, esquecendo o prazer de contemplar e de amar a vida.

Mastros no chão, ao cruzar para o outro lado de um rio, ao atravessar uma ponte ou mesmo uma linha ou um marco imaginário, encontraremos alguém igual a nós, com as mesmas dúvidas, as mesmas incertezas e os mesmos desejos de respostas que povoam nossas mentes e nossos corações sem bandeiras.


* Tom Coelho, com formação em Economia pela FEA/USP, Publicidade pela ESPM/SP, especialização em Marketing pela MMS/SP e em Qualidade de Vida no Trabalho pela FIA-FEA/USP, é empresário, consultor, professor universitário, escritor e palestrante. Diretor da Infinity Consulting e Diretor Estadual do NJE/Ciesp. Contatos através do e-mail tomcoelho@tomcoelho.com.br. Visite: www.tomcoelho.com.br.
Tom Coelho
Enviado por Tom Coelho em 30/12/2005
Código do texto: T92556

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite autor e o link www.tomcoelho.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Tom Coelho
Cotia - São Paulo - Brasil, 45 anos
76 textos (13125 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 14:19)
Tom Coelho