CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

Qual a função da escola atualmente no país?

Qual a função da escola atualmente no país?

Esse texto reflexivo é fruto de uma discussão acadêmica do curso de matemática (licenciatura) que debatia em uma das aulas de Praticas Pedagógicas o tema, Vestibular: será que ele é justo? Depois de uma fervorosa conversar, muitos mudaram de opinião outros não e outros ainda, como eu, apenas reformulou que defendia.
Mas vamos lá. Qual a função da escola atualmente no país?
Certamente toda a vida escolar dos alunos brasileiros vem baseada nos princípios da LDB (Lei de Diretrizes e Bases) que tem como fundamentos:
II - A cidadania;
III - A dignidade da pessoa humana;
IV - Os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa;
Baseando no consenso que para um indivíduo exercer sua cidadania ele precisa saber como usá-la e isso ele aprende não só, mas também e em grande parte na escola, com matérias que levam ao conhecimento baseado em outros fatos ocorridos, como historia a geográfica. A partir daí já temos uma das funções importantes da escola no país, que é preparar e criar cidadãos.
Para que um ser humano seja dito digno, este precisa viver de forma humana, isto é, vivendo com qualidade, tendo acesso a saúde, lazer, alimentação, moradia, transporte, saneamento básico e também educação. Assim para que seja digno um ser humano, o mesmo tem de ter educação que se encontra na forma planejada e direcionada nas escolas. Eis que surge mais uma função da escola no país, a de dignificar o ser humano.
Quanto a valores sociais e a liberdade social, não resta dúvida que na escola seja possível sim aprender o que é e como agir para ter esse III fundamento presente.
A escola trás contribuições extremamente importantes para um país, e talvez você já estivesse convencido disso, basta que o governo acredite e faça concreta, mas vejamos. Sem levar para o lado utópico da situação, onde poderíamos ficar imaginando como seria belo se tudo fosse perfeito, nada disso, analisemos de acordo com a realidade que não é nada boa.
Se a educação é importante e todos precisam dela para poder desfrutar dos três fundamentos da LDB, logo ela esta restrita, o que não deveria, e se ela é restrita haverá alguma forma de selecionar os que poderão ter acesso à educação, e como isso poderia acontecer?
No ensino infantil, onde não há uma obrigatoriedade em relação ao seu oferecimento pelo governo, muitas crianças esperam pelo ensino fundamental e este sim é obrigatório e todos os alunos em idade escolar não devem ficar fora da escola se você sabe de um que esta fora da escola diga a mãe dele que a escola mais perto de casa é OBRIGADA a recebê-lo mesmo que o menino não tenha nem um papel ou documento. Mas depois que o aluno recebe o ensino fundamental e vai para o ensino médio, que já não é obrigatório para o governo, mas ainda assim ele atende de maneira satisfatória, o aluno passa três anos até terminar e seu ensino básico e agora “esta” pronto para fazer o vestibular, concursos e conseguir um bom emprego.
Teoricamente ele está preparado, ele já tem o fundamental e médio, mas lembre-se que ele está teoricamente preparado, pois a realidade nos mostra que o ensino fundamental é precário e o ensino médio é somente uma continuidade do descaso. Considerando essa realidade em nível nacional das escolas públicas, já que estamos relacionando diretamente com o governo.
E é ao terminar o ensino médio que fica o ponto crucial, ele enfrenta o vestibular e não passa, passa a maioria que teve um ensino privado e observando isso podemos perceber que o problema não é o vestibular, pois ele aprova quem está preparado, o problema é o ensino básico que é formado pelo ensino fundamental e médio, tipicamente o público.
A discussão na faculdade na aula de Praticas Pedagógicas a professora defendeu até o fim o que o vestibular seria melhor se avaliasse de forma qualitativa, mas eu que defendi o oposto, em parte é claro que se for qualitativo muito bom, mas tudo indica que mesmo que o vestibular fosse qualitativo os mesmos alunos que passaram passariam e os que não passaram não passariam, pois o problema está no que o curso precisa como base para ter qualidade e uma forma de não dar continuidade ao fraco ensino no país que inicia no ensino fundamental, passa pelo médio e não passa para o superior público, pois o vestibular seleciona os que estão preparados.
Isso é justo? Claro que não. Mas não é justo também que a maioria da população que estuda em escola pública não receber um ensino de qualidade que lhe der “base” para fazer o curso escolhido na universidade pública. Um país cresce com estudo cientifico e não falo somente de física, química e matemática, um país cresce quando se estuda para elevar tanto seu nível cultural entender e ser crítico, e essa palavra “crítico”. Será que os governantes querem pessoas criticas?
Digo que essa é uma das razões para não se investir em educação.
Hênio Delfino
Enviado por Hênio Delfino em 10/05/2008
Reeditado em 14/10/2010
Código do texto: T984259

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Hênio Delfino). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre o autor
Hênio Delfino
Planaltina - Distrito Federal - Brasil
178 textos (139368 leituras)
10 e-livros (1667 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 28/07/14 07:20)