Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Uma Mulher Brilhante

Via de regra, uma pessoa só se propõe a ler ou escrever sobre coisas que lhe interessam*.

Com este texto, caro leitor**, quero apresentar-te uma mulher muito interessante. É bem provável que já a conheças, que dela já tenhas ouvido falar. Trata-se de uma escritora nascida em Nova York, e por muitos considerada uma das maiores “intelectuais” de seu país. Tenho reservas quanto ao uso da palavra “intelectual”. Para mim soa pedante, distante, imbecil. E não é assim que eu vejo essa mulher. Prefiro então, como a Nélida fez,  usar a palavra “brilhante”.

Se bem que ela mesma, essa mulher BRILHANTE, certa vez tenha declarado: “Eu não gostaria de ser professora nem jornalista, e sim escritora, que também é INTELECTUAL.” E isso, creio eu, sem dúvida ela se tornou, digo: escritora. Não conheço bem o suficiente outros dos grandes representantes de sua época, de modo que me reservo a impressão inicial de que ela tenha sido, de fato, uma das MELHORES escritoras de sua geração - em seu país, claro.

Essa mulher, valendo-se de sua fama e de um glamour natural, ajudou a promover outros tantos autores – grandes, porém desconhecidos. Daniel Schreiber, um de seus mais recentes biógrafos, escreveu: “Seus textos mais belos surgiam quando ela deixava de lado o rigor de ensaísta consagrada que sempre foi.”

E um desses textos é justamente um prólogo à tradução de obras de autores latino-americanos, como o nosso genial Machado de Assis (1). Uma Grande Dama, uma mulher que buscou viver de maneira autêntica, crítica e ativa nas questões de seu tempo, e por isso mesmo sempre gerando polêmica em torno de seu nome. Caso ainda não tenhas te ocorrido, leitor, refiro-me aqui a Susan Sontag.

Quem me abriu os olhos ao seu brilho, foi a não menos talentosa Nélida Piñon (2). Independente de fama ou produção, admiro todas as mulheres fortes, determinadas, idealistas, lutadoras, dispostas a conseguirem seu lugar ao sol "duela a quién duela". E essas duas mulheres - Piñon e Sontag - são dignas de serem assim chamadas: “brilhantes”, pois conquistaram tudo isso e muito mais.

Enganas-te se pensas que aqui pretendo endeusar Sontag. De modo algum. Todo ser humano tem defeitos e qualidades, vive uma vida de erros e acertos. Toda pessoa (principalmente se famosa) é suscetível a críticas, pois é impossível agradar a todos ao mesmo tempo. Se bem que Susan... Susan para mim tornou-se especial, sobretudo pela clareza de seu pensamento, o engajamento político, uma visão critica e inovadora. E ela não teve uma vida fácil, de jeito nenhum.

Escolheu divorciar-se e construir uma existência própria, justo numa época em que tal coisa bem poderia arruinar a reputação e a vida de uma mulher. Ela assumiu, lutou e comprovou a condição de mãe solteira, cuidando de um filho pequeno e, ao mesmo tempo, ganhando o sustento dos dois com o próprio trabalho.

Insistiu em investir numa carreira como escritora independente, pioneira em sua época; Teve a coragem de viver abertamente, em âmbito privado, sua sexualidade – teve um relacionamento estável e feliz com a fotógrafa Annie Leibovitz –, porém conseguiu manter discrição por toda a vida pública.

Exímia ensaísta, escreveu para Partisan Review, New Yorker Review of Books, Evergreen Review, Frankfurter Allgemeine Zeitung, New York Times Magazine, The New Yorker e outros, além de revistas como Vogue, Mademoiselle, Harper’s Life, Vanity Fair etc. Publicou mais de vinte livros, inúmeros ensaios, artigos, contos, resenhas. Atuou também em produções para teatro e cinema (artístico).

Militante - apelidada Radical Chic - atuou em protestos contra a Guerra do Vietnã, contra casos de perseguição a escritores – como Salman Rushdie -, contra vários conflitos - como o de Sarajevo -, o que lhe rendeu, além dos prêmios no mundo literário, outros tantos prêmios e homenagens.

Como presidente do PEN-Club americano, Schreiber conta que Susan é apontada como uma das mais bem sucedidas que já ocuparam o cargo. Sabendo dialogar como ninguém com outras culturas, portava-se nos eventos como uma escritora internacional, ao invés de, simplesmente, como uma escritora americana.

Como romancista, ouso dizer que o perfeccionismo muito mais a atrapalhou do que ajudou. Certa vez, ela declarou à sua terapeuta, conta Schreiber: “Tenho medo de não ser boa o suficiente”. Um fato curioso - mas também só isso - é que Sontag jamais concluiu sua tese de doutoramento. Recusou também muitos títulos Honoris Causa que depois, ao longo da vida, várias instituições lhe ofereceram. Isso fez alegando saber o valor de um título de doutor. O porquê disso é segredo que morreu com ela e talvez só as pessoas que lhe foram mais próximas sejam guardiãs de uma tal resposta.

Vislumbrando a obra de Sontag é pouco provável que alguém levante a hipótese de incapacidade acadêmica. Talvez porque, para ela, significasse apenas perda de tempo, ou por razões de sobrevivência (especulo) – viver de bolsa de estudos não é coisa fácil, principalmente para uma mãe solteira.

Sim, mas voltando ao tópico "romances": ao que parece, Sontag lutou a vida inteira para escrever um romance que pudesse, ainda em cem anos, ser lido e aclamado pelas pessoas. Não tenho competência literária, nem conheço sua obra o suficiente ainda para aqui julgar se nisso ela foi bem-sucedida não. Por suas declarações, eu diria que, nesse sentido, ela morreu insatisfeita.

Guerreira. Três vezes lutou bravamente contra o câncer, tendo sucumbido da terceira vez. Como resultado da primeira vitória, Susan trouxe muita luz e esperança a pessoas que sofriam com essa doença. Tendo desafiado as estatísticas – contrariando as chances (mínimas) de sobrevivência – publicou o livro ILNESS AS METAPHOR (1978), onde disseca a causa mortis maior em casos de câncer naquela época: o tabu, o preconceito extremo, a postura dos pacientes ao se entregarem ao destino cruel, aceitando (e sem questionar!) o diagnóstico como sentença infalível de morte.

Uma das coisas que mais me chamaram a atenção na vida de Susan foi uma constante curiosidade por tudo, uma sede de descobrir novos interesses que a acompanhou por toda vida. Lendo o que escreveu o biógrafo Daniel Schreiber, diria que, ao se ver perdendo a luta contra o câncer, muito maior do que o medo da morte, o que mais apavorou Susan foi a constatação de ter ainda tanto por fazer e não ter mais tempo para tal.

A luz física desta mulher, que nesta existência começou a brilhar em 16 de janeiro de 1933,  foi apagada em 28 de dezembro de 2004, na companhia do filho e dos amigos mais íntimos, lúcida (como sempre), na cidade de Nova York. Digo a luz física, pois a luz desse espírito questionador, cheio de energia, persiste e ainda hoje alcança todos aqueles que são colocados em contato com a força da vida e dos escritos dessa luminosa mulher.

Obrigada, Susan, por tudo o que tem me ensinado até aqui. Também a você, Daniel, que tão lindamente sua história contou.

Ah, das obras de Susan que já me iluminaram o caminho, a ti, caro leitor, recomendaria:
- Against Interpretation
- On Photography

Referências:
1 - Parte de uma coleção de ensaios publicados sob o título Where The Stress Falls
2 - Leia o texto O Coração Andarilho de Nélida Piñon

Bibliografia:
Daniel Schreiber, Susan Sontag – Geist und Glamour – Biographie, Aufbau Verlag, 2008, ISBN 978-3-351-02649-3

Notas:
* Li algo parecido em algum lugar, não lembro onde. Se bem que essa idéia, a meu ver, é  senso comum.

** Uso a forma no masculino por convenção, e também pela convicção de que isso não exclui as leitoras, naturalmente. É só uma escolha para forma de tratamento, sim? Não vá o leitor ou a leitora ver discriminação onde não há. :-)
Helena Frenzel
Enviado por Helena Frenzel em 11/07/2009
Reeditado em 02/01/2010
Código do texto: T1693693
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (você deve citar autoria de Helena Frenzel e usar um link para o site original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Helena Frenzel
Alemanha
487 textos (36083 leituras)
47 áudios (2336 audições)
45 e-livros (1919 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/09/17 19:01)
Helena Frenzel