Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sábato Magaldi

Sábato Antonio Magaldi, crítico teatral, jornalista, professor, ensaísta e historiador, nasceu em Belo Horizonte, MG, em 9 de maio de 1927. Eleito em 8 de dezembro de 1994 para a Cadeira n. 24, na sucessão de Cyro dos Anjos, foi recebido em 25 de julho de 1995, pelo acadêmico Lêdo Ivo.

Bacharel em Direito pela Universidade de Minas Gerais, em 1949, obteve o certificado de Estética da Sorbonne, em 1953, com bolsa de estudos concedida pelo Governo francês.

Iniciando-se na administração pública em 1948, no Rio de Janeiro, chefiou o gabinete do Departamento de Assistência do Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Estado, então dirigido por Cyro dos Anjos, sendo depois chefe de Divisão e Procurador da entidade

Foi crítico teatral do Diário Carioca de 1950 a 1953. Transferindo-se para São Paulo, nesse ano, a convite de Alfredo Mesquita, passou a lecionar História do Teatro na Escola de Arte Dramática, onde criou, em 1962, a disciplina de História do Teatro Brasileiro. Redator do jornal O Estado de S. Paulo, de 1953 a 1972, tornou-se, em 1956, titular da coluna de Teatro de seu Suplemento Literário. Foi redator-chefe e crítico teatral da revista Teatro Brasileiro, que se publicou em São Paulo (nove números, de novembro de 1955 a setembro de 1956); crítico teatral do Jornal da Tarde, desde sua fundação, em 1966, aposentando-se do cargo em fins de 1988, crítico teatral da revista Visão, de 1968 a 1975.

Professor da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo, desde 1970, doutorou-se na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, em 1972, com uma tese sobre "Nelson Rodrigues: Dramaturgia e Encenações". Prestou, em 1985, concurso para professor adjunto, tornando-se, em março de 1988, professor titular de Teatro Brasileiro.

Foi o primeiro secretário municipal de Cultura de São Paulo, de abril de 1975 a julho de 1979, na administração Olavo Egydio Setúbal; criador, junto com o cenógrafo Aldo Cravo, das Bienais de Artes Plásticas de Teatro, realizadas no quadro das Bienais de São Paulo; primeiro representante do Serviço Nacional de Teatro, em São Paulo, na administração Edmundo Moniz; membro da Comissão Municipal de Teatro de São Paulo e, várias vezes, da Comissão Estadual de Teatro; membro do Conselho Federal de Cultura de 1975 a 1985, licenciando-se, para lecionar em Paris; membro do Conselho Cultural da Coordenadoria Cultural da Universidade de São Paulo, do qual se licenciou, em 1989, para lecionar em Aix-en-Provence.

Nos anos letivos de 1985-86 e 1986-87, lecionou, como professor associado, no Instituto de Estudos Portugueses e Brasileiros da Universidade de Paris III (Sorbonne Nouvelle), e, nos anos letivos de 1989-90 e 1990-91, também como professor associado, no Instituto de Estudos Portugueses e Brasileiros da Universidade de Provence, em Aix-en-Provence.

Proferiu conferências e deu cursos, em épocas diversas, no Chile, na França, na Alemanha, na Itália, em Portugal e na Áustria, além de numerosas cidades brasileiras.

Recebeu os seguintes prêmios: Medalha de Ouro da Associação Paulista de Críticos Teatrais como Personalidade Teatral de 1962; Prêmio Jabuti de Teatro, da Câmara Brasileira do Livro, em 1963 e 1965; Medalha do Mérito Literário, categoria Teatro, do PEN Clube de São Paulo, em 1972; Prêmio Especial de Teatro da Associação Paulista de Críticos de Artes, em 1976; Prêmio Personalidade das Artes Plásticas, da Associação Paulista de Críticos de Artes, em 1976; Prêmio Molière (Especial) da Air France, em 1976; Medalha de Honra da Inconfidência, do Governo de Minas Gerais, em 1982; Menção especial da Associação Paulista de Críticos de Artes, em 1988; Troféu Mambembe em São Paulo, da Fundação Nacional de Artes Cênicas, na categoria: Grupo, Movimento ou Personalidade; Troféu Mambembe no Rio de Janeiro, da FUNDACEN, na categoria: Grupo, Movimento ou Personalidade; Prêmio Sérgio Milliet de Ensaio, da União Brasileira de Escritores, em 1988; Prêmio Jorge Andrade (destinado ao Melhor Ensaio sobre Dramaturgia), da Associação Brasileira de Crítica Literária, em 1988; Prêmio Machado de Assis, da Academia Brasileira de Letras, pelo conjunto de obra, em 1990; Prêmio por "relevante desempenho na área de pesquisa" na Escola de Comunicações e Artes, concedido pela Reitoria da Universidade de São Paulo, em 1993; Prêmio Especial da Associação de Produtores de Espetáculos Teatrais de São Paulo, em 1994; Homenagem do Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversões no Estado de São Paulo, em 1995; Prêmio da Sociedade Brasileira de Autores Teatrais, em 1995.

Títulos honoríficos: Chevalier des Arts et Lettres do Governo Francês, em 1967; Chevalier de l’Ordre National du Mérite do Governo Francês, em 1979.

Obras: Panorama do teatro brasileiro (1962); Temas da história do teatro (1963); Aspectos da dramaturgia moderna (1963); Iniciação ao teatro (1965); O cenário do avesso (1977); Um palco brasileiro (O Arena de S. Paulo) (1984); Nélson Rodrigues: dramaturgia e encenações (1987); O texto no teatro (1989).

Participação em obras coletivas:

O período moderno, com o capítulo "O teatro moderno" (1981); Literatura brasileira: Ensaios — Crônica, teatro e crítica, vol. I, com o capítulo "O texto no moderno teatro brasileiro" (1986); Brecht no Brasil — Experiências e influências, com o capítulo "O papel de Brecht no teatro brasileiro: uma avaliação"(1987); Sobre Anatol Rosenfeld, com o capítulo "O crítico de teatro" (s.d.); O teatro através da história. Vol. II. O teatro brasileiro, com o capítulo "Dramaturgia brasileira moderna" (1994); Homenagem a Décio de Almeida Prado, com o capítulo "Saudação" (1995). Autor de cerca de 30 prefácios de peças e estudos sobre teatro.

Direção e consultoria de coleções:

Direção e organização da Série Teatro Universal da Editora Brasiliense de São Paulo, constante de 34 volumes de peças, publicadas de 1965 a 1969; organização e introdução do Teatro completo de Nélson Rodrigues, publicado em 4 volumes (1981 a 1989); organização geral e prefácio do Teatro completo de Nelson Rodrigues, em um volume (1993); direção da coleção "O Melhor Teatro". Volumes aparecidos: Oduvaldo Vianna Filho, Gianfrancesco Guarnieri e CPC.

Consultor da Enciclopédia Abril. Autor do verbete sobre o Teatro Brasileiro, na Enciclopédia Mirador Internacional. Autor do verbete sobre o Teatro Brasileiro, no Dictionnaire des Littératures das Presses Universitaires de France. Autor do capítulo sobre o Teatro Brasileiro, para uma História das Literaturas de Língua Portuguesa no Mundo, publicada na Itália, em Portugal e na França. Co-autor, junto com Maria Thereza Vargas, de Cem anos de teatro em São Paulo, em quatro números do Suplemento do Centenário do jornal O Estado de S. Paulo. Organizador, junto com Décio de Almeida Prado, do Dossiê Teatro, publicado no número 14 da Revista USP — junho a agosto de 1992.
*********
Milton Nunes Fillho
Enviado por Milton Nunes Fillho em 01/10/2006
Código do texto: T253785
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Milton Nunes Fillho
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 55 anos
1141 textos (460569 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 22:55)
Milton Nunes Fillho