Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O ANJO CURANDEIRO

Tinha recém feitos quinze anos e fugira de casa do pai, em São Leopoldo, Rio Grande do Sul,  no final de novembro de 1980. Era início de janeiro de 1981 e eu estava para passar outra noite sob as hortênsias na praça central da cidade de Lages, ao sul de Santa Catarina. A meia tarde despedi-me do menino pipoqueiro, amigo que eu fizera na estação rodoviária, que fica numa parte baixa da cidade. Sentia o corpo dolorido e fraco, dor no peito e febre, indício que uma forte bronquite se aproximava. Somente essa doença podia me causar medo, pois costumava fazer febre de quarenta graus, suor a noite inteira, com delírios que muitas vezes me fizeram voar da cama sobre o roupeiro, fugindo de visões aterradoras. Sem contar a falta de ar, que eu vencia com o pescoço esticado, respirando pela boca, que ficava muito ressecada. Algo que amainava tais crises era a presença do pai, que eu percebia ao lado da cama.
Então só, distante uns quinhentos quilômetros de casa, os sintomas pressagiavam um forte ataque desses, o que não previ ao ter o impulso de fugir na tarde de sábado em que o pai nos proibiu de sair, nos pondo no quarto a ler a Bíblia por castigo porque gritei com nossa madrasta sustentando que não lhe diria onde íamos. Ela exigia em altos berros que lhe dissesse, justamente quando o pai me tirara a incumbência de dizer-lhe, pois disse que eu estava ficando homenzinho e já devia saber bem onde era bom ou não ir.
Foi com dificuldade que percorri a íngreme avenida desde a estação rodoviária até a praça central. O sol declinara uns sessenta graus por trás da torre da Matriz. Sentei-me num banco de frente para o sul, percebendo a Catedral uns quarenta e cinco graus à minha direita. Uns quatro metros a minha frente, uns vinte graus para esquerda, observei admirado dois caipiras sentados no encosto do banco, alisando palha de milho e cortando fumo. Enquanto saboreavam seus palheiros, deixei reclinar a cabeça sobre os braços entrelaçados nos joelhos e adormeci por instantes, sendo despertado pela mão do pai me acariciando os cabelos. Com a cabeça ainda abaixada, abri os olhos e vi os sapatos de couro branco do homem que vestia calça branca à minha frente. Ele disse que eu estava fazendo bronquite, o que ocorria comumente, acompanhada de dores, muita febre e delírios, mas que estava distante de casa, por isto meu pai não poderia me cuidar como costumava fazer. Enquanto ele falava, fui levantado a cabeça lentamente e vi seu sinto de couro branco com uma fivela de um dourado forte, abaixo da camisa tão branca quanto a calça. Convidou-me para acompanhá-lo até sua casa, onde sua esposa me prepararia chás, dando com remédios que, após o sono reparador numa cama aconchegante, me deixariam curado. Recusei, informando-lhe que meus pais sempre nos tinham ensinado que não devíamos seguir a estranhos. Porém ele insistiu, mas vencido por minha determinação em não segui-lo, combinou que iria e retornaria com os remédios, que eu tomaria e ficaria curado. Após confirmar que eu o esperaria, virou-se e seguiu em direção à Catedral. Terminando de erguer a cabeça, vi seus cabelos brancos como a neve. O sol quase desaparecera por atrás da igreja. Antes de deixar a praça, o homem desapareceu por detrás um casal que cruzou seu rastro.
Permaneci olhando na direção para onde ele fora, aguardando que retornasse. Passou-se, talvez, meia hora e ele não retornou. Pus-me a indagar por quê esperava. Lembrei que tinha dito que retornaria com remédios que eu tomaria e ficaria bom. Pensei por quê eu ia querer remédios se não tinha nada de errado com minha saúde.

Wilson Amaral
Wilson do Amaral Escritor
Enviado por Wilson do Amaral Escritor em 26/10/2006
Reeditado em 23/01/2008
Código do texto: T274063
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Wilson do Amaral Escritor
São Leopoldo - Rio Grande do Sul - Brasil, 51 anos
1157 textos (264202 leituras)
5 e-livros (10266 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/07/17 08:19)
Wilson do Amaral Escritor