Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

                  Rabindranath Tagore, o sol da Índia

Em 7 de maio de 1861, na cidade de Calcutá, Índia, nasceu Rabindranath Tagore. Nesta época, a Índia estava sob domínio da Inglaterra. Seus pais eram reformadores religiosos e sociais, que a todo custo procuraram libertar a Índia dos preconceitos milenares que esmagavam o povo. Sua família era abastada e deu-lhe uma educação tradicional. Tagore em sânscrito quer dizer "homem nobre", "senhor". 

Em 1875, faleceu-lhe a mãe. 

Em 1877, Tagore começou a escrever para o jornal mensal da família, Bharati. 

Entre 1878 e 1880, estudou Direito na Inglaterra, onde conheceu a literatura e a música européias. Retornando à Índia, passou a administrar as propriedades rurais da família.
 
Em 1883, casou-se. Tinha ele 23 anos. Na ocasião, já havia publicado dois livros de poemas: Canções da Noite e Canções da manhã, e a novela para crianças O Sábio Real, que mais tarde serviu de tema para a peça intitulada O Sacrifício. 

Em 1891, Tagore foi morar em Shilaidah. Viveu então em contato direto com a natureza de Bengala, cuja influência se expressou nos dramas líricos Chitrangada (1892) e Malini (1895) e numa série de coletâneas poéticas, como Citra (1896), Kalpana (1900; Sonhos) e Naibedya (1901; Sacrifício), obras nas quais a comunhão com a natureza é realçada pela linguagem cristalina e emotiva. 

Em 1901, vendeu uma casa e as jóias da esposa para fundar uma Escola Superior de Filosofia em Santiniketan, que foi transformada em Universidade e na qual combinava elementos da cultura hindu e ocidental. Em clima de liberdade, com aulas ao ar livre, a escola logo se converteu em centro de difusão do panteísmo espiritualista, relacionado com as doutrinas védicas e dos ideais de solidariedade humana preconizados pelo fundador. 

De 1902 a 1918, sua vida é marcada pela perda de familiares queridos: começa em 1902, com a morte da mulher; em 1903, morre-lhe o filho Rani; o pai em 1905; o filho Samindra em 1907; e a filha mais velha, Bela, em 1918. 

Em 1913, recebeu o Prêmio Nobel de Literatura, pela primeira vez atribuído a um não-ocidental, devido à repercussão internacional do livro A oferenda lírica. Essa obra, publicada em 1910, possui profundos poemas místicos inspirados na morte da mulher e dos dois filhos. 

Em 1915, encontrou-se, pela primeira vez, com Gandhi. Neste mesmo ano, a rainha da Inglaterra concedeu-lhe o título de Cavaleiro (Sir).

Em 1919, devolveu o título de Cavaleiro por causa do terrível massacre do General Reginald Dyer de Jalianwalabag (Punjab) em Amritsar. 

Em 1921, passou a promover o ensino da Universidade Internacional de Visva-Bharati, que ajudou a fundar no centro de Santiniketan. 

Em 1928, começou a pintar, vindo a expor algumas das suas pinturas em várias capitais européias. 

Em 7 de agosto de 1941, Tagore, chamado pelos indianos de “sol da Índia". faleceu em Santiniketan, Bengala. 

Rabindranath Tagore, aclamado por Gandhi como "o grande mestre”, foi poeta, contista, dramaturgo, crítico de arte hindu, músico e filósofo, publicou muitas obras místicas e profundamente humanas. Suas atividades literárias, educativas e místicas contribuíram bastante para o melhor conhecimento mútuo das culturas indiana e ocidental. As preocupações sociais do escritor, levaram-no a defender a independência da Índia. Por ser um escritor de prestígio, recebeu convites para fazer palestras em encontros em diversos países. 

Sua obra poética compreende uma coleção de 3 mil poemas em língua bengali sobre temas religiosos, políticos e sociais. Sua obra em prosa é extensa. É composta de oito novelas, 50 ensaios e contos. Como músico, além de escrever as letras dos hinos nacionais da Índia e do Bangladesh, compôs 2 mil canções. O volume de poesias mais conhecido é Oferenda Poética. Seus últimos trabalhos, entre eles Cantos Musicais, são classificados dentro do simbolismo. 

Transcrevemos a seguir uma das poesias de Tagore. 

MEU CORAÇÃO 

Eu perdi o meu coração no empoeirado caminho deste mundo;
Mas tu o tomaste em tuas mãos.
Eu buscava alegria e apenas colhi tristezas;
Mas a tristeza que me enviaste tornou-se alegria em minha vida.
Os meus desejos se espalharam em mil pedaços;
Mas tu os recolheste e os reuniste em teu amor.
E enquanto eu vagava de porta em porta,
Cada passo meu estava me conduzindo ao teu portal.
("Travessia")

Referências 

http://www.beatrix.pro.br/literatura/tagore.htm Acesso em: 7 out. 2006.
http://www.geocities.com/toshiko.geo/biografia.htm Acesso em: 7 out. 2006.
http://www.eurooscar.com/poesoutros/tagore1.htm Acesso em: 9 out. 2006.
http://antologiadoesquecimento.blogspot.com/2005/07/pergunta.html Acesso em: 9 out. 2006.
http://www.netsaber.com.br/biografias/ver_biografia.php?c=1097 Acesso em: 9 out. 2006.
http://enciclopedia.tiosam.com/enciclopedia/enciclopedia.asp?title=Rabindranath_Tagore Acesso em: 9 out. 2006.
http://expressoriente.blogspot.com/2004/08/tagore.html Acesso em: 9 out. 2006.





Mardilê Friedrich Fabre
Enviado por Mardilê Friedrich Fabre em 19/11/2006
Reeditado em 20/11/2006
Código do texto: T295566
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Mardilê Friedrich Fabre ( http://www.recantodasletras.com.br/autores/mardile)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Mardilê Friedrich Fabre
São Leopoldo - Rio Grande do Sul - Brasil
1400 textos (1453766 leituras)
151 e-livros (19464 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 00:15)
Mardilê Friedrich Fabre

Site do Escritor