Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Luís Guimarães Filho

Luís Guimarães Filho, diplomata, poeta, cronista, nasceu no Rio de Janeiro, RJ, em 30 de outubro de 1878, e faleceu em Petrópolis, RJ, em 19 de abril de 1940. Eleito em 17 de maio de 1917 para a Cadeira n. 24, na sucessão de Garcia Redondo, foi recebido em 19 de julho de 1917, pelo acadêmico Paulo Barreto (João do Rio).

Filho de Luís Guimarães, o poeta lírico que também foi diplomata e ministro do Brasil em Lisboa, e fundador da Cadeira n. 31, e de Cecília Canongia Guimarães, falecida aos 28 anos. O menino Luís foi entregue, juntamente com suas duas irmãs e o irmão Horácio, aos cuidados da avó materna, que residia em Portugal, enquanto o pai continuava a vida diplomática. Estudou na Universidade de Coimbra, onde recebeu o grau de bacharel em Filosofia em 1895.

Seguindo o exemplo do pai, Luís Guimarães, ingressou na carreira diplomática. Em setembro de 1901 foi nomeado secretário do Congresso Pan-Americano do México. Em 1902 foi nomeado, por concurso, segundo secretário de legação em Buenos Aires. Também foi segundo secretário de legação em Montevidéu, Tóquio e Pequim; conselheiro de legação em Havana e Berna; encarregado de negócios em Tóquio, Pequim, Havana e Berna; ministro plenipotenciário em Caracas, São Petersburgo, Montevidéu e Haia; promovido a embaixador, ocupou o posto em Madri e na Cidade do Vaticano.

Colaborou na imprensa, sobretudo na Gazeta de Notícias e no Correio da Manhã. Desde o primeiro livro de poesias, Versos íntimos, publicado em 1894, revelou-se um lírico, de expressão simbolista, e essa feição confirmou-se nas obras subseqüentes, até chegar a Pedras preciosas (1906), sem dúvida alguma a sua obra capital como poeta, traduzida para o italiano em 1923, com o título Pietre preziose. Seu livro de crônicas Samurais e mandarins, publicado em 1912, logrou grande êxito literário.

Sua última obra foi o ensaio biográfico Fra Angélico, em que reconstituiu a vida do grande artista da Renascença e a sua época histórica. Marcado sempre por forte religiosidade, esta se manifesta em muitas poesias e, sobretudo, no estudo sobre Santa Teresinha, escrito para o Correio da Manhã e depois incluído no livro de viagens Hollanda.

Era membro da Academia das Ciências de Lisboa, da Real Academia Espanhola e de várias associações culturais brasileiras e portuguesas. Recebeu as mais altas condecorações nos países em que viveu.

Obras: Versos íntimos (1894); Livro de minha alma, poesia (1895); Ídolos chineses, poesia (1897); Ave-Maria, poesia (1900); Uma página do Qua vadis, poesia (1901); Pedras preciosas, poesia (1906); Samurais e mandarins, crônicas (1912); Cantos de luz, poesia (1919); Hollanda, impressões e viagens (1928); Fra Angélico, ensaio biográfico (1938).
Milton Nunes Fillho
Enviado por Milton Nunes Fillho em 23/11/2006
Reeditado em 23/12/2012
Código do texto: T299374
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Milton Nunes Fillho
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 55 anos
1141 textos (460554 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 09:20)
Milton Nunes Fillho