Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

"Confesso que vivi em 2013" ( Aprendi o que é possessividade)

Um ano revelador esse que tô vivendo...

em meios aos problemas percebi, o quanto eu posso tirar tanta lição e passar pro papel da vida. No primeiro momento entra um certo medo, aflição, receio. Desesperos te invadem. E você só relaxa quando ver que ela é pequena diante aos olhos de Deus.

Nesse ano passei por problemas sentimental, profissional, familiar e na saúde. Bom, tanta gente me apontando falhas...

Me envolvi com uma pessoa pela internet, no qual namoramos por 06 meses. No começo, vi que ia dar certo. Passou um mês, e vi que tava gostando muito dele. Ele me fazia bem, me agrava e até então passei a admira-lo, e vice- versa...
No segundo mês, veio os problemas. Percebi que ele tinha um ciúme e medo de traição muito elevados. Só que relevei.
Passamos a nos comunicar constantemente, quase o dia todo ou até o dia todo, pela rede social. Eu havia o  conhecido num chat de bate-papo. E nem éramos tão amigos, mal nos falávamos. Só viemos a nos aproximar quando o adicionei na rede social...

 Voltando a parte que já estávamos "juntos"...

 Eu conversava com ele pelo celular, no qual me dava muitos problemas de lentidão e por travar muito. Foi aí que começou os desentendimentos. Porque tinha vez que não conseguia falar com ele, por problemas na utilização da rede social. E já tinha avisado antes. E foi num dia que, fui tentar falar com ele e travou e demorei a retornar. Quando fui falar com ele. Ele não me respondia. E ficou sem falar comigo por horas. Eu fiquei sem saber o que fazer, perguntava por que ele tava assim... falei os motivos, pedia desculpas.
Até que, ele veio falar comigo. E me disse que o tava ignorando, por que tava fazendo isso, disse que eu não tinha consideração e me jogava culpas e mais culpas...  bom, eu admiti que errei ( por que não queria que ele ficasse chateado comigo) joguei suas culpas pra mim, pra ficar tudo certo entre a gente. Aí, voltou a ficar tudo bem como antes...

Só que teve um dia, que havia saído e quando cheguei ele disse que queria falar comigo, e me pedia perdão...  e eu tava toda feliz antes, por que tava apaixonada. E que gostava tanto dele... ahh, dia triste horas depois!
Eu imaginava o que era, e já tava triste. Mas queria saber o motivo...
Li o que ele tava digitando...
Que queria terminar comigo, porque não ia dar certo e que, estávamos alimentando sonhos impossíveis, que morávamos longe um do outro. ( ele morava em São Paulo)... Nossa!! cair em prantos, nem conseguia responder. E  não aguentei mais ler e fui pro quarto chorar e lamentar... primeira vez que havia sofrido por um homem... lia tanto sobre sofrer por um amor e não entendia, até chegar esse dia.

Passou dois dias e tava melhor, tinha decidido recomeçar ou tinha achado que tinha tomado alguma decisão. Não havíamos ainda, trocado alguma palavra.

Só que no terceiro dia do "término" ele veio me perguntar se eu tava bem, e que ele tava mal e blá blá. E eu disse que tava tudo bem...
passou mais um dia conversávamos como amigos ou não. brincávamos um com o outro,  com as velhas palhaçadas de antes. E eu dizia que iríamos continuar sendo amigos. ( não querendo que fosse assim). E ele digitava risos e não concordava concretamente. Até que disse pra ele assistir a um filme de comédia romântica ótima que ia passar numa emissora. Lembrando que nossa amizade foi iniciada por causa dos filmes bons que passavam na tevê. Até aí tudo bem.
No dia seguinte. Estávamos conversando até que ele falou que: me amava, que tava sofrendo e que aquele filme relembrava a gente e que se sentia só, mesmo quando falava comigo...
Eu dizia que: que era assim mesmo e o vazio era normal, por que não estávamos mais juntos. E o que os personagens do filme não tinha nada a ver com a agente.
Mais aí ele falou que tava arrependido, e que não queria mais sofrer, perguntou se eu o amava ainda e se voltaria com ele.

Ah, se eu dissesse não... mas eu o amava, era o que queria. Até aí, voltamos.

Passou meses. Já havia dito pros meus pais, e algumas das minhas amigas e conhecidos sabiam. Foi aí que começou as cobranças, pressões, excesso de ciúmes e querer satisfações demais.

Ele me pediu que comprasse um chip da  mesma operadora que a dele. Não demorou uns dias eu comprei. E ele ficou feliz, até esses tempos não saberia o que era mais paz em minha vida...
 
Ele ligou pra mim, nos falamos por horas. No outro dia, ele já não tava conseguindo falar comigo por problemas no meu chip que não tava recebendo ligações... ahhh, ele ficou estressado na hora. No primeiro momento pensou que eu tava fazendo de propósito, e que de novo tava achando que eu não queria falar com ele. Só que aí, o problema do chip acabou e tava tudo bem outra vez. Passou uns tempos e falávamos pelo celular e pela rede social. Ele me ligava duas vezes ou três por dia.
 Passou uns tempos e não ligava mais duas ou três vezes. Mais várias vezes, e a ficávamos horas e horas no celular.

Minha mãe já tava preocupada, disse que ele era louco.

Eu dava risada ou ignorava. Digo-lhes escutem a quem te quer o bem.

Foi passando mais tempo e ele já me ligava bêbado me dizendo que eu tava traindo ele. Eu nem saia pra lugar algum, pra evitar desconfiança alguma dele. Mais nem adiantava ele já tava obcecado. Achando que eu tava com outra pessoa. E ele passou a me ofender, a ameaçar... e eu tão passiva, aceitava. No outro dia ele me pedia perdão e dizia que tava bêbado que não lembrava de nada. Eu o perdoava. Isso virou rotina.  Eu já não dormia bem, tinha pesadelos quase todo dia. Andava aflita e ansiosa. A partir daí, foi só piorando. Terminava com ele e voltava muitas vezes.

Comecei a trabalhar no meu primeiro emprego. Ele até me apoiava. Mais como estávamos com planos pra ficarmos juntos, ele viajaria pra cá ou eu iria morar com uma tia minha que morava numa cidade próxima de lá . Então ele temia que por causa do emprego eu desistisse. Então eu dizia que não era o problema que era por um tempo, que me ajudaria a conseguir um dinheiro pra eu ir... no começo ele entendeu. Mas aí eu disse que ficaria mais tempo por aqui. Affe. Ele ficou descontrolado, não aceitava. Nem passou um mês fui mandada embora, sem saber. Meu pai que havia me dito quando chegou em casa. Sentir traída, injustiçada. Porque lá inventaram diversas coisas de mim, e até hoje não recebi um centavo. Eu perguntei a meu pai. Ele me disse que foi o E. ( O homem que eu amei). Porque o E. Ameaçou a minha ex patroa pela rede social e a ofendia.

Como tudo tem um fim. Minha infelicidade tinha que partir né? por favor!
 
O E. hackeou meus emails,  nisso entrou nos dois facebooks e saiu mandando mensagens agressivas a meus amigos em geral. A tantas ameaças dele. Eu desejei nunca ter tido contato com ele. Pedia pra Deus tirar ele da minha vida. Pois queria paz.

Meus pais estavam já com medo, meu pai até passou mal de preocupação. Fora que meus pais me julgavam e falavam que eu era culpada. Enfim, me sentir perdida sozinha. E me odiando...

O finalmente chegou quando, o E. passou a ameaçar a minha ex patroa. Chegando a falar que ia mata-la, que sabia o endereço dela. ( eu não falei nada sobre ela ao E.)

Então ela, resolveu denuncia-lo. Meu pai me disse que eu teria que ir a delegacia pra falar o endereço do E. Pra o namorado dela ir atrás dele. Mas graças a Deus eu não cheguei a fazer isso.

Mas meu pai foi até a delegacia, e ouviu broncas e broncas da delegada...  voltou no outro dia pra casa com uma cara. E com muita raiva de mim. Fiquei ainda pior do que tava. Pedia ajuda a Deus todos os dias... chorava e pedia perdão. E ELE me ouviu. :). Obrigada, meu pai celestial!

De novembro pra cá, eu resolvi mudar minha vida...  ( depois conto mais).

A esperança adiada desfalece o coração, mas o desejo atendido é árvore de vida.
           Provérbios 13:12




   
Autenticidade
Enviado por Autenticidade em 13/12/2013
Código do texto: T4610835
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2013. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Autenticidade
Salvador - Bahia - Brasil, 20 anos
122 textos (3345 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 01/11/14 12:04)
Autenticidade



Rádio Poética