Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
"Perdoe-me, minha pequenina"

Era madrugada do dia 15 de outubro de 1.999, lembro-me que fora acordada pelo tocar da campainha, que ressoou sombriamente. Levantei-me rapidamente, já temendo e prevendo o que era inevitável: o falecimento do meu avô Agenor Fogacci.

Meu tio parado na porta, minha mãe com as mãos segurando parte do peito, enquanto eu me deixava cair sobre o sofá da sala, nem me importava com a nudez.

Algumas lembranças ainda tenho daquele palmeirense fanático, bastava chegar frente à sua casa e tocar a buzina que ele prontamente se dispunha a dar qualquer voltinha, pelo simples prazer de sair de casa.

Quando eu ia até a casa dos meus avós (que fica a um quarteirão da minha) dedicava-me a irritar o meu “Buda”, apelido que carinhosamente coloquei. “Buda” ria das minhas palhaçadas, e irritava-se com o enorme barulho que eu proporcionava no silêncio daquela casa.

Meu dom culinário, que àquela época era variado, despertava em meu avô um carinho muito mais do que especial. Vira e mexe o saudoso palmeirense pedia: “Faz aquela berinjela com molho?” E foi assim, dois dias antes do meu avô morrer. 

Havia chegado do hospital, onde ficara internado por conta da pressão alta, não conseguia levar a colher à boca, era um martírio vê-lo daquele jeito. Lembro-me que pediu para fazer a tal berinjela, mas só comeria se fosse frita. Tentei engana-lo, dizendo que estava do jeito que ele gostava, mas foi inútil a tentativa. Negou abrir a boca para que eu continuasse a alimentá-lo.

Era uma figura carismática por demais. Em seu enterro conseguiu reunir os veteranos do “Vila Nova” e até mesmo os rivais “Madureira”, foi difícil acompanhar o cortejo pela cidade, sem que as lágrimas marcassem cada esquina dobrada.

Não houve egoísmo da minha parte e nem dos outros familiares, não esperávamos a morte rápida, achávamos que minha avó Tidinha iria antes, por conta da doença. 

A imagem de minha avó, sentada no antigo sofá da sala, chorando baixinho pela morte do meu avô, ainda vive em minha memória. Os dois viviam sozinhos, mesmo rodeados pelos filhos e netos, mantinham-se integralmente unidos, um ajudava o outro, nas queixas, nas brigas (minha avó é sistemática, exigia horário para almoçar e jantar, enquanto meu avô era um “bater de pernas” inveterado) e até mesmo nos receituários médicos.

A triste partida do meu avô pré-anunciou o esfacelamento “parcial” da família, que antes era extremamente unida.

Resolvi morar com a minha avó, e no dia após o enterro do meu avô eu estava já me acostumando à rotina da dona Tidinha: seis horas da manhã me acordando para tomar um cafezinho fresquinho. Naquela época ela não caía à toa, caminhava pelo quintal da casa e até ensaiava umas varridinhas no quintal. Mas eu a poupava; ladrilhava todos os dias o chão, que era de taco. Eu adorava sentir o cheiro de limpeza, deixava a casa todinha arrumada até a hora do almoço, depois enquanto eu lia algum livro ela tentava tirar um cochilo no sofá, e foi assim durante nove meses, até que resolvi bater as minhas asas. Foi aí que começou o desterro da minha pequenina.

Eu jamais havia comentado o meu sentimento em relação ao meu “suposto abandono”, talvez movida pela culpa e pela sensação de que estarei perdendo-a. O fato é que após eu ter saído da sua casa, ela foi definhando dia após dia. Sua casa, dantes freqüentada diariamente, começou a ficar vazia; meu primo, que também morava conosco, resolveu voltar para Campinas, e assim ela foi ficando sozinha.
Minha mãe ia todos os dias ajuda-la, e fazia isso quantas vezes fora preciso, às vezes, tentava persuadi-la de que melhor seria se ficasse em casa, mas ela jamais deixaria sua casa.

Certo dia, minha irmã mais nova resolveu subir na casa da minha avó para “espia-la”. Voltou chorando copiosamente. 

Não devo relatar a cena que minha irmã presenciou, pois não ficaria à vontade para narrar. No mesmo instante, ligou para meus tios e fizeram uma “reunião” (eu odeio este termo, dava a impressão que minha pequena sempre fora um negócio ou uma situação emergencial, que assim deveria ser tratada), na qual ficara decidido que pagariam uma pessoa para cuidar dela. 

E assim foi, entre reclamações e elogios, entre choros e risos, entre brigas e aperto de mão, entre o natal triste e o carnaval festivo, até os dias de hoje.

Hoje, minha pequenina encontra-se internada no hospital após agravamento da pneumonia. No mesmo hospital que meu avô fora internado, e no mesmo dia em que também fora internado, só que no mês de outubro.

Não quero ser mais egoísta, não a quero sofrendo. Eu só quero pedir perdão por tê-la abandonado, mesmo que meu abandono tenha sido para seguir o meu destino.

Como eu já havia dito em um texto anterior: “Queria eu, ser Deus, para poupá-la do martírio e da dor.”

Que Deus à abençoe, minha querida avó.



Anita Fogacci
Enviado por Anita Fogacci em 02/09/2007
Reeditado em 10/01/2008
Código do texto: T635880

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Anita). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Anita Fogacci
Cabreúva - São Paulo - Brasil, 44 anos
532 textos (38721 leituras)
1 e-livros (263 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/08/17 03:48)
Anita Fogacci