Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Infância em Camapuã

                                                                   Marcos Barbosa

        Não sei como começar a contar minha vida. Acho que não é fácil escrever uma autobiografia. Começo pela lembrança mais antiga que eu tenho desta vida? Ou falando da cidade onde nasci? Vou começar pela lembrança.
— Mãe, a senhora se lembra de um aniversário meu, quando eu ainda era criança de colo e as moças ficavam me disputando? Eu me lembro daquela festa bonita, daquela mesa grande, do bancão de ripas na área da casa onde o  meu pai tocava o "bulicho", armazem. A senhora se lembra daquela filha da dona Zú? Uma moça bonita que mais tarde veio a ser minha professora?
— Mas não é possível, aquele foi o seu aniversário de um ano!
— Devia ser mesmo, porque eu era levinho e as meninas me tomavam das mãos uma da outra com uma facilidade tremenda. Me lembro das pessoas comendo bolo e tomando guaraná. A festa toda ficou levemente registrada em minha memória, mas a parte mais emocionante, que era a alegria das meninas que conseguiam me pegar, desta sempre me recordo com detalhes até dos elogios, tipo " que menino lindo ! "ou "Ai que gracinha ! "etc.
Cresci num ambiente de muito fanatismo religioso. Minha mãe era da Igreja Batista. Ia todos os domingos pela manhã à Escola Dominical. Sentia medo da Igreja católica, até mais ou menos os 10 anos de idade. A pregação do Pastor Manhães contra a idolatria era aterrorizante e deixava na mente dos fiéis e principalmente das crianças uma imagem muito negativa da Santa Igreja Católica. A impressão que ficava em minha mente infantil era a de que ali reinava o Satanás e aqueles ídolos eram os demônios. Nos anos 50 e 60 os  templos católicos ainda eram cheios de imagens de san-tos. Em Camapuã a situação não era diferente de outras cidades de Mato Grosso. A única igreja católica que tínhamos lá, me botava medo.
A primeira vez que eu botei meus pés dentro de uma Igreja Católica foi no casamento de meu irmão mais velho, por parte de pai, o Marcílio. Fui, mas contrariado, porque na verdade eu queria que o casamento do meu irmão fosse na minha igreja, mas como ele e a noiva eram católicos, não houve outro meio e a presença de toda a família era  até uma questão de honra. A minha mãe foi se aconselhar com o pastor.
— Irmã Amélia, a senhora e seus filhos não se ajoelhem diante dos ídolos. Nem acompanhem as rezas.
Não me lembro bem a ordem que muitas coisas aconteceram em minha infância. Fiz tudo que tinha direito como criança. Peguei sarampo, desobedeci as recomendações de minha mãe e enfiei as mãos numa bacia de água da chuva. Já devia ter de dois a três anos de idade, mas a curiosidade foi maior e paguei caro pela desobediência, porque o sarampo "recolheu". Meu corpo ficou todo coberto de feridas, até dentro da boca estouravam aquelas bolhas doloridas. Doía o corpo todo e não tinha forças para nada. Minha comida  era papinha ou bananas amassadas com um garfo. Recebia tudo na boca, pelas carinhosas mãos de minha mãe .
               
                         PASSANDO O CHAPÉU:

Agência 01616
Banco 232 - Bradesco
Conta corrente 0674315-3
Favorecido: Marcos Aurélio Barbosa da Silveira

Agradecemos todas a contribuições depositadas no "chapéu" que foi substituido pela conta bancária acima.

ANTIGAMENTE HAVIA UM MÉTODO SIMPLES DE FINANCIAMENTO POPULAR DA ARTE, PASSANDO O CHAPÉU. ARTISTAS, POETAS E ATÉ ALGUNS ESCRITORES, APÓS A APRESENTAÇÃO DE SUA PRODUÇÃO LITERÁRIA OU ARTÍSTICA PASSAVAM O CHAPÉU PARA OS OUVINTES, QUE OFERTAVAM A SUA CONTRIBUIÇÃO  EM PRAÇA PÚBLICA E ATÉ EM FESTAS PARTICULARES.
OS TEMPOS MUDARAM E OS COSTUMES SÃO OUTROS... ENTÃO ESTAMOS TENTANDO ARRECADAR A CONSTRIBUIÇÃO DOS LEITORES QUE GOSTAM DE NOSSOS TEXTOS PARA POSSIBILITAR A  PUBLICAÇÃO DE NOSSOS LIVROS NA VERSÃO IMPRESSA.
SABE-SE QUE LIVRO NÃO DÁ LUCRO PARA ESCRITOR INICIANTE, MAS MESMO ASSIM O NOSSO SONHO DE CRIAR UMA FUNDAÇÃO E DEIXAR UM PEQUENO LEGADO CULTURAL PARA AS GERAÇÕES FUTURAS NÃO ACABOU. UM PROJETO QUE PRETENDEMOS FINANCIAR É A PRODUÇÃO E DISTRIBUIÇÃO GRATUITA DE UM JORNAL DE CONTEÚDO EDUCATIVO/ CULTURAL NAS  ESCOLAS PÚBLICAS.
Dom Marcos Barbosa II
Enviado por Dom Marcos Barbosa II em 12/12/2005
Reeditado em 12/04/2013
Código do texto: T84771
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original ( Autorizamos a publicação citando o autor e a fonte: Marcos Barbosa - www.recantodasletras.com.br/autores/marcosbarbosa). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Dom Marcos Barbosa II
Águas Lindas de Goiás - Goiás - Brasil, 60 anos
200 textos (33980 leituras)
11 e-livros (651 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 08:47)
Dom Marcos Barbosa II