Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

         Primeiro de Abril

                          Rosa Pena




Rio, 1º de abril de qualquer 2000.
 
Ariovaldo
 
A cidade grande é enorme! Estou morando na Rocinha, que é um roção e não tem nadinha de roça. Moro num barraco feio, vazio, alugado e tenho que subir muitos degraus, mas vejo de longe o mar. Ele é imenso.
Aqui tudo é enorme, mas a lua aí é maior.

Arrumei um emprego de faxineiro num big prédio de apartamentos no Leblon. O doutor síndico é bacana. Se você não sabe o que é síndico, eu digo. É um cara que mora num edifício, mas manda mais que os outros moradores, por que manda mais eu ainda não sei lhe dizer, pois todos aqui são doutores, mas sei que ninguém gosta dele, nem gosta de ficar no lugar dele, apesar de poder usar os empregados do prédio de graça e o material de limpeza também.
Ele me contratou e até assinou minha carteira, de modo que eu tenha direito ao benefício do INSS. Louvado seja o doutor. Ele desconta um tanto do salário que ganho pro tal prêmio, que eu ainda não sei qual é, porém ele afirma que é muito grande.
Aqui tudo é enorme, mas a lua aí é maior.

Semana passada ele mandou eu começar a lavar o carro dele, depois que lavasse as escadas e ainda vai me dar cinco reais por fora todo final de mês.
O doutor é bem bacana. Este doutor não é o que anda de branco e cuida das feridas. Este é o doutor que anda de preto e cuida das leis. Ele prometeu arrumar uma vaga na escola pública pro Juninho, de forma que eu não pague essa escola pública. Um homem de um grande coração.
Aqui tudo é enorme, mas a lua aí é maior.

Noutro dia, viu que Marieta tá de bucho cheio e disse que também vai dar um jeito pra ela ter neném num hospital do tal benefício que eu pago, porém não garantia que tivesse algum doutor de branco pra atender Marieta, pois os de branco vivem de greve, sem trabalhar, mas ganham da mesma forma. Antes que eu perguntasse por que os de preto não fazem nada pro outros trabalharem, ele foi logo dizendo que aqui é uma cidade sem lei, daí eu ter descoberto por que ele só trabalha dois dias na semana. Achei muito legal ele ter conversado comigo. Me deu até um boné velho, pois ele tem uma coleção imensa deles. O doutor é superbacana.
Aqui tudo é enorme, mas a lua aí é maior.

Ontem ele deixou o Juninho entrar um bocadinho no carro dele, mas sem pôr a mão em nada. Vai que o menino, sem querer, suja aquela lindeza! Prometeu dar pra ele as bexigas que sobrarem da festa da Marianne, caçulinha dele, desde que a gente as assopre de modo bem ligeirinho. Ainda bem que não fumo mais, assim encho correndo, como todos fazem tudo por estes lados.
Até a pressa é gigante.
Aqui tudo é enorme, mas a lua aí é maior.

Não volto tão cedo, pois quando eu completar sessenta anos, daqui há trinta, não pago mais condução, tenho vacina de gripe gratuita, aliás, aqui pego toda hora coisa que nunca tive, mas poderei comprar remédio por um real. Fui informado por ele. O doutor é hiperbacana.
Acertei na sorte grande.
Aqui tudo é enorme, mas a lua aí é sempre maior.
 
Bilzão












LIVRO UI!
Rosa Pena
Enviado por Rosa Pena em 09/04/2005
Reeditado em 05/12/2009
Código do texto: T10549
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Rosa Pena
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
960 textos (1420014 leituras)
48 áudios (24767 audições)
33 e-livros (29020 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 18:58)
Rosa Pena

Site do Escritor