Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CARTAS ELETRÔNICAS

TEMPORAIS

Minha amiga:           

Todas as afirmações que me enumerou a respeito do objetivo da vida são válidas. Mas ponha V. todas essas considerações um pouco de lado e leia este fragmento que retirei do livro "Temporais", de Gibran:

Havia num bosque isolado uma bonita violeta que vivia satisfeita entre suas companheiras.

Certa manhã, levantou a cabeça e viu uma rosa que se balançava acima dela, radiante e orgulhosa.

A violeta reclamou, dizendo: “Pouca sorte tenho eu entre as flores: humilde é meu destino! Vivo pegada a terra, e não posso levantar a face para o sol como fazem as rosas.”

A natureza ouviu o desabafo da violeta e lhe disse: Que te aconteceu filhinha? As vãs ambições apoderam-se de ti?

— Ó Mãe poderosa – disse a violeta – transforma-me em rosa, por um só dia que seja.

— Tu não sabes o que estás me pedindo, retrucou a Natureza. Ignoras o que se esconde de mazelas atrás das aparentes grandezas.

— Transforma-me numa rosa esbelta e alta, insistiu a violeta. E tudo o que me acontecer será a conseqüência de meus próprios desejos e aspirações.

A Natureza estendeu sua mão mágica, e a violeta tornou-se uma rosa suntuosa.

Na tarde daquele dia, o céu escureceu-se e os ventos, depois a chuva devastaram o bosque. As árvores e as rosas foram abatidas. Somente as humildes violetas escaparam ao massacre.

A rainha das violetas vendo a rosa que tinha sido violeta estendia no chão como morta, disse:

— Vejam e meditem minhas filhas, sobre a morte da violeta que as ambições iludiram. Que seu infortúnio lhes sirva de exemplo!

Ouvindo estas palavras, a rosa agonizante estremeceu e, apelando para todas as suas forças, disse com voz entrecortada:

— Ouvi vós, satisfeitas covardes. Ontem eu era como vós, humilde e segura. Mas escutei no silencio da noite e ouvi o mundo superior dizer a este mundo: “o objetivo da vida é atingir o que há além da vida”. Pedi então à Natureza que me transformasse em rosa. Vivi uma hora como rainha. Vi o mundo pelos olhos da rosa. Ouvi a melodia do universo com o ouvido da rosa. Acariciei a luz com as pétalas da rosa. Pode alguma de vós vangloriar de tal honra? Morro agora, levando na alma o que nenhuma alma de violeta jamais experimentou. Morro, sabendo o que há atrás dos horizontes estreitos onde nasci. É este o objetivo da vida.

E V., minha amiga, o que acha? Valeu a pena o sacrifício da violeta? É também objetivo da vida «atingir o que há além de nosso horizonte»?

R.Sérgio.

Ricardo Sérgio
Enviado por Ricardo Sérgio em 04/02/2006
Reeditado em 22/07/2007
Código do texto: T107961

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Sobre o autor
Ricardo Sérgio
Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Brasil, 69 anos
1281 textos (21175051 leituras)
7 e-livros (8546 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 16:07)
Ricardo Sérgio