Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PDL, 14 de Março de 2006

Ponta Delgada, 14 de Março de 2006

Faz um ano comecei a escrever aqui no Recanto das Letras. Comecei por escrever uma breve poesia, uma quase fantasia: pôr em versos um dizer, como se não tivesse mais que (o) fazer...
'estar'
http://www.recantodasletras.com.br/poesias/6510
No mesmo dia escrevi outro texto, uma carta.
'14 de Março de 2005, Ponta Delgada'
http://www.recantodasletras.com.br/cartas/6514
Também hoje publiquei um poema, e escrevo uma carta. Não será uma carta de intenções; nem me apetecia escrever. Durante um ano fiz amizades, isso parece-me o mais importante a registar.
Escrever para pessoas que nos vão ler, é bastante diferente de escrever desafiando a matéria da palavra para a moldar numa arte de contornos difusos entre poesia e mundo. A matéria dos nossos sonhos confronta-se de imediato com um aspecto prático, ao qual nem sempre obedecemos: com_u_nic_ação...
Acho que o poeta é muita coisa. Não se será bom poeta se não se escrever bem, razão pela qual pratico a escrita nas suas mais variadas ver_tentes...
O que há pouco lembrei, antes de escrever... o poeta: trata-se duma ideia que pensei e senti, e, de certo modo, é importante - o poeta é um sedutor. Seduz-se pelas palavras e isso é princípio, é meio e não é fim... porque não tem fim. Mas se se seduz, não é sedutor, é seduzido. Acontece que é sedutor ver alguém seduzido, o que torna esse alguém sedutor... Sem nunca pretender ser sedutor por estar seduzido!
Isto acontece-me muitas vezes, querer ser uma coisa e o seu contrário: «ser tudo de todas as maneiras» fazia parte do ideário de Pessoa, foi o seu pensamento que mais me atraiu. Pois está na base do seu desdobramento poético, abertura para o verbo 'outrar' que conjugou teorizando e desenvolvendo a heteronímia.
Há uma grande facilidade em ser a_berto, tentando compreender os outros. Vou tentar dar resposta a um desafio, dizendo quais  são os seus limites. Fazer um acróstico sobre o meu nome e cidade, não me parece difícil, mas difícil é não ser "forçado". Vou-me esforçar... COIMBRA

'C'oimbra banhada pelo Mondego
'O'nde já não há tricanas
'I'das, proibidas...
'M'as para sempre
'B'ela presença no imaginário
'R'evisitado e mantido com(o) fado
'A'té!!...

Recantuais saudações a todos e aos demais!
Amanhã é novo dia, boa disposição e alegria!!
Será novo ano... seja este um Feliz Aniversário!!!

P.S. Vou ter de fazer um 'Post Scriptum', por causa desta frase «Não se será bom poeta se não se escrever bem». Escrever bem é escrever com ritmo e tratar com arte a palavra; variar os registos da escrita, é procurar esse ritmo que tento encontrar e per-pe-tu-ar... Não entro na questão de saber se um analfabeto não pode fazer melhor poesia, e porque não?, melhor literatura, que qualquer literato. Terá de ter quem escreva por ele ou quem leia por ele... É muito do que acontece na pintura 'hoje em dia', onde são os 'críticos' que andam 'fabricando' pintores. «Adeus ó meus amores!...»
Francisco Coimbra
Enviado por Francisco Coimbra em 14/03/2006
Reeditado em 14/03/2006
Código do texto: T123127
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Francisco Coimbra
Portugal
785 textos (310493 leituras)
37 áudios (39566 audições)
1 e-livros (148 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 17:34)
Francisco Coimbra