Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SALOMÉ

Na realidade eu sou frigida, mas tratei-me...
Primeiro porque Sim, depois porque Também... Ele curou-me, é certo! Não sei é se tenho cura?...
O facto de não atingir o orgasmo era para mim uma brincadeira, tornei-me uma “histérica controlada” e dava um prazer desmedido ao meu marido. Fui experimentando ver até que ponto o punha em êxtase, até ao ponto de cravar, arranhar e morder lhe passarem a ser uma necessidade: ele sentia através da violência!
Eu desejava ser Salomé! Seduzir até à morte... Comecei a habitar um mundo de fera, aleijar e já não dar prazer: começou a ser vicio, sonhei castrá-lo! Aí..., assustei-me.
Até saber do facto notável dum doente em Moçambique fazer curas de fertilidade, fidelidade e felicidade... Quem o beija-se, entregando-se ao seu poder, ficava curada. Pensei que daria “o 'anûs' e cinco tostões” para lhe beijar os quilhões, a causa da sua doença, um crescimento continuo do escroto, o saco já lhe chegava aos joelhos.
Quando regressei curada, continuei a chicotear o meu marido e a dar-lhe os requintados prazeres da dor. Já sem ele correr qualquer perigo, mas frigida de novo.
Foi quando apareceu um cara a quem escrevi uma carta:
«Possuis a minha razão e os meus dias, escravizas os desejos que tenho e os que não quero ter!», só fixei a primeira frase e não sei se vai haver segunda fase no nosso relacionamento: “deu-me com os pés” ou “deixou de cá pôr os pés”, para já não há escolha, a relação está neste pé. Mantenho-me fiel...
Salomé
Francisco Coimbra
Enviado por Francisco Coimbra em 01/05/2005
Reeditado em 01/05/2005
Código do texto: T14113
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Francisco Coimbra
Portugal
785 textos (310469 leituras)
37 áudios (39564 audições)
1 e-livros (148 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 20:43)
Francisco Coimbra