Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SENTIMENTO: A ILUSÃO NA POESIA

(para Sunny Lóra, em Vitória/ES)

Ó amadinha, apenas procuro retribuir o carinho com que sou tratado.

Estamos todos aprendendo. Aliás, a gente aprende até na hora da despedida deste plano terreno. No entanto, para o escritor, é necessário ter isto sempre em conta, com perseverança.

Ler, ler, ler e mais ler é o desafio. Congeminar aquilo que é pensado com o que é lido, ruminado.

E mais: é importante perceber e apreender o que está no inconsciente coletivo, no espiritual dos pensadores em determinado momento, em determinada época. Algumas destas coisas são verdadeiros modismos, nem sempre permanecem.

Ninguém nasce sabendo escrever. Isto é fruto da arte, da técnica, do talento a desenvolver.

Não importa se falas ou não de sentimentos, o importante é que tenhas dedicação e que não venhas a acreditar em inspiração como produto final, e, sim, no segundo momento de criação, de inventiva, a que os escritores experimentados chamam de TRANSPIRAÇÃO.

A espontaneidade do fluir das idéias representa, no máximo, dez por cento do produto final, da matéria lavrada, criada.

No entanto, a catarse emocional a que não gosto de chamar “inspiração” é necessária para que a poesia se materialize no poema. É neste momento que se desencadeia o fogo, a centelha, asas para voar, bólido para navegar no tapete das metáforas, travestindo de signos, de códigos, de palavras, esta matéria candente.

Esta estória de 'sentimentos' é coisa para o leitor, aquele que se desatavia com a proposta feita pelo bom escritor, em prosa ou verso.

Fico com o escritor português Fernando Pessoa, o grande poeta da língua portuguesa contemporânea, falecido em 1935: o importante, em poesia, é escrever com inteligência.

Os autores novos e novatos, ainda diletantes, boquiabertos com o mistério da criação, confundem aquilo que é a tradução dos sentimentos com o “balde despejado dos sentimentos”.

ESCREVER, fazer literatura, não é sentimento, é INTELIGÊNCIA usada, bem usada, para atingir o sentimento... DOS OUTROS.

– Do livro CONFESSIONÁRIO – Diálogos entre a Prosa e a Poesia, 2006.
http://www.recantodasletras.com.br/cartas/155272
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 13/05/2006
Reeditado em 23/05/2008
Código do texto: T155272
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 70 anos
2581 textos (709613 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 11:53)
Joaquim Moncks