Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
À MÃE DE UM FILHO DA P...

Prezada Senhora,

Há tempos quero escrever-lhe e, como estamos comemorando seu dia, finalmente realizo meu desejo. A senhora certamente vai bem, apesar de tantas agressões verbais. Lembra aquele seu filho, o Cláudio, árbitro de futebol? Pois desde menino era meio levado, acertou um botocaço na janela da vizinha que foi preciso pagar, a cada pelada na rua vinha reclamação de todo lado. A tudo a senhora suportava. Afinal foram os nove meses de geração, um ano amamentando, depois os cuidados para não deixá-lo fugir, anos de escola, alguns bilhetes chamando a senhora para o colégio... Tudo a senhora agüentou, o amor fala alto e a paciência de uma mãe é infindável. Mas um dia a senhora saiu do sério, foi prá briga, acabou na polícia e por pouco não deu processo. O filho da vizinha, colega do Cláudio, o Beriva, chamou-o de "filho da puta". Tudo esclarecido ele disse que isso apenas escapuliu; a senhora acabou fazendo as pazes e o Beri prometeu com juras nunca mais repetir a palavra. 
O seu menino cresceu, virou homem e em vez de jogador, como discretamente a senhora desejava, tornou-se árbitro de futebol. Coitada da senhora! Milhares de bocas a insultam a cada jogo e mesmo que não cometa nenhum engano ( todos os árbitros se enganam seguidamente) ele é insultado por vencedores e ainda mais pelos perdedores. Quando acontece empate, então é um coro do estádio inteiro: "filho da puuuuutttta". Como a senhora nunca foi e nunca será aquela depreciação que se dá às mulheres que amam sem muita escolha, e não pode levar toda a turba à delegacia, simplesmente tapa os ouvidos com algodão quando assiste seu filho apitar e fica com o coração na mão no final do jogo, só respirando aliviada quando o vê são e salvo dentro de casa. 
Isso que vou lhe dizer agora seu filho queria falar, mas ele sente tanta vergonha de fazê-lo porque sabe de sua íntima revolta contra a má educação popular. Senhora, o Cláudio quer pedir-lhe perdão por cada insulto dos outros e garante-lhe que pelo menos um domingo a cada ano ele não aceita apitar jogo: no Dia das Mães.
Então amanhã a senhora não precisa de algodão nos ouvidos e nem assistir jogo. Seu filho vai ficar fazendo-lhe companhia. A noiva dele também vem. E segure-se, ela está grávida, a futura mãe de outro filho da puta, a não ser que a criança seja menina, ou se menino, não seguir a profissão do pai.
Encerro esta carta com um grande abraço.
                                                                                  Seu ex-esposo, Carlos Cardeal
..............................................................................................................................................................

Obs. Nomes fictícios, qualquer semelhança é mera coincidência.
Prof Roque
Enviado por Prof Roque em 13/05/2006
Reeditado em 13/05/2006
Código do texto: T155482
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (http://profroque.zip.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Prof Roque
Santa Rosa - Rio Grande do Sul - Brasil, 67 anos
1899 textos (163591 leituras)
1 áudios (133 audições)
3 e-livros (1045 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 04:18)
Prof Roque

Site do Escritor