Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Comadre...






Penso que não importa em que país,
continente, estado, cidade onde estejamos,
nosso clima é sempre variável com constantes alterações...
Hoje o calor desse sol escaldante não me aquece... se aquece, não clareia...
Minha luz, que é de lamparina ou candeia,
não alumia quase nada... bruxuleia...
Eu conheço o cansaço e o  abomino.
 É um descompasso da vontade com a força.
Um chama e o outro não responde...
Sei que a coragem não morre
mas tem hora que tá dormindo...
Um é chama e o outro se esconde...
Cadê eu cadê tú?
Tou com saudades. Sinto-me só...
Mortal em terra de mortos-vivos, cansativos.
Quero chorar mas não consigo...
No canto, nem canto nem assobio...
Porque é o que faço mentalmente,
Quase ininterruptamente:
Cantar...
Resmungar cantiga...
Pra mim, pra vida...
Seja ela fértil,  desmilinguida...
Canto de vício de sapequice...
Canto como se cantando risse...
E sempre dou meu canto ao vento ...
Ao céu... Pras nuvens... Pra esse calor.
Mas canto como qualquer cantador...
Canto de tristeza ou de louvor, mas
canto e, em rima como poeta ou compositor...
Mas meu canto hoje é diante desse computador.
Cabeça doendo, as veias cheias desse veneno:
Pra virose, enxaqueca, hipertensão... glicose... calmante...
É muita muleta tem hora que não tenho nem sovacos pra enfiar...
Ainda bem que tenho vc pra desabafar.... e, se tenho vou usar!!!
Guenta latorraca!!!!
Mas vai passar, tá?
Prometo...
Xêro pra tú
Marilu Santana
Enviado por Marilu Santana em 11/05/2005
Código do texto: T16406
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Marilu Santana
Paulista - Pernambuco - Brasil
204 textos (37058 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 22:53)
Marilu Santana