Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PUBLICAR OU NÃO PUBLICAR?

(para Gilda Delgado, em Maricá/RJ)

Amada Gilda! Vamos por partes, como diria Jack, o célebre estripador! Assim que vou repartir a tua mensagem anterior pra poder responder, OK?

A tua linguagem, nesta, é a do proverbial iniciante: o autor fica embasbacado com a sua inventiva e criatividade – novas magias – e anseia pelo sucesso.

Às vezes, erroneamente, corteja a fácil popularidade. Quer “chegar na couve” muito cedo, como diria a gurizada, em sua gíria picaresca. Sempre ocorre isto com quem está a se iniciar nas Letras.

Os editores ficam pesquisando quem se atreve a publicar e quem tem poder aquisitivo para tal. Olham o perfil publicado nas fontes disponíveis. Apostam. Se colar, colou. Estou sendo extremamente franco e sincero. Este é o meu perfil.

Se ainda não sabes o que produzes, se achas que o texto ainda não tem qualidade, remete a mim que te ajudarei na escolha dos mesmos. Escolherei e te avisarei o que pode ser publicável. Digo isto com base na tua confiança em mim, OK?

As tais "coisas da minha alma" são como o diletante denomina o seu processo de criação, mormente nossas amadas mulheres. Acreditam piamente na sensibilidade pessoal e se esquecem do leitor, que é outra pessoa, outro universo. É para este que escrevemos, não para nós mesmos. Tenho um texto, no Recanto das Letras, em que me preocupei em examinar isto.

E cada um vê o mundo conforme o concebe... Há uma inocência de propósitos nos novos que chega a fazer com que o autor experiente sinta dó! Mas é assim mesmo que as coisas começam. Assim, meio sem sentido, querendo “sentir o mundo que nos rodeia”, não é mesmo?

Grande parte do processo de produção de boa poesia tem regras, cânones próprios, contemporâneos. Encontramos isto depois de muito andar pelos clássicos e outros quejandos.
Descobre-se mais tarde, quando se identifica a metáfora e outras figuras de linguagem e começamos a alicerçar o estilo pessoal.

Vai lendo os meus textos no Recanto. Abordo isto em muitos deles. Procuro acicatar os autores novos e novatos. Exponho e retrato o que tenho vivenciado em cerca de trinta e cinco anos de condenação ao verbo.

Veja os textos com alguns títulos instigadores, provocatórios, e os abras, rogo, para que elabores juízo pessoal.

São exemplos: ‘Contemporaneidade  no verso e na prosa’; ‘Sentimento: a ilusão na poesia’; ‘Disputar espaço no associativismo literário?’; ‘Posteridade na arte poética? Aceitemos o desafio’; ‘Reflexões sobre a Poesia’; ‘A luta pela Poesia’; ‘Palavra: esse mistério!’; ‘Poetar é mimetizar a vida’; ‘A psique atordoada’, etc.

Peço que não mistures filosofia com poesia. Marx, Kant e Hegel são instigadores de outra vertente. São coisas diferentes, embora, por vezes, se tangenciem. Mas é ótimo ter formação filosófica. Ajuda em muito na elaboração do poema.

Cuidado pra não te perder em longas explicações. Poesia é linguagem de síntese. Esta dama da palavra não compactua com o tal "como queríamos demonstrar”, o C.Q.D. matemático dos teoremas ginasianos. E nem comporta silogismos filosóficos. A lógica formal a ela não se aplica.

É a vida, onde o caminho mais curto entre dois pontos nem sempre é a reta. Poesia é a matéria da vida transfigurada, no dizer de Zeferino Fagundes, poeta e pensador, meu mestre de humanidades.

Os editores querem o mercado de novatos e novos, mas são estes que desejam a publicação. Engravidam-se facilmente e, depois, é dar a luz ao rebento. E pagam o que puderem pra se ver nas páginas do gibi cultural.

O editor é o beneficiário, sempre. Ele vive disto. Nunca se sabe a seriedade deles, mas o que querem é ganhar dinheiro. Só o longo tempo no mercado pode dar alguma credibilidade.

Muitos se iniciam na editoração em pequenas cidades do interior e se dão bem. Prosperam à conta e ordem do autor. São empresários! Que mal há em oferecer a comida a quem tem vontade de comer?

Acho que as dúvidas, no exterior, cabem, identicamente aqui. O papel aceita tudo, basta ter dinheiro. Só que lá custa muito mais caro editar, publicar. Lá, como aqui, os editores só apostam em favas contadas. E não há muitos Paulo Coelho dando sopa por aí.

O Rossyr Berny é o editor de meu último livro, o OVO DE COLOMBO. Um lutador na área de edição, que tem cumprido seus compromissos com os novos e novatos. Até aposta em alguns veteranos como eu.

Investe o seu pequeno capital de giro com vigor e talento. Boa equipe de atendimento aos autores e terceirização da impressão em boas casas do ramo. Tudo informa que está trabalhando bem. Tem a credibilidade de 20 anos no mercado. Tudo a seu favor. É o que vejo de fora, como autor.

Acaba que o nome de alguém que já está um pouquinho conhecido, publicizado nos sítios da NET, leva gente para os projetos editoriais, como está ocorrendo agora. Colocado o nome deste no projeto do calendário, que é uma bela peça gráfica, convidativa, gera-se a procura do produto. Um pouco oneroso, mas, se tens disponibilidade financeira, toca o barco.

Para um calendário, seria bom que a peça literária fosse um poema ou uma prosa poética com alguma síntese, devido à natural falta de espaço gráfico.

Ao que tudo indica, parece ser aconselhável tal publicação. É preciso investir no que se quer. Tudo aconselha que se tente mostrar o talento, mesmo que ainda precoce. O leitor que o diga. E sempre leva algum tempo.

E tem mais! Quem quer coquinho tem que subir no coqueiro! Ou pagar alguém para que faça o trabalho por ou para ele!

Quanto ao mérito, o que seria do verde, se todos gostassem do amarelo?

– Do livro CONFESSIONÁRIO – Diálogos entre a Prosa e a Poesia, 2006 / 2007.
http://www.recantodasletras.com.br/cartas/165626
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 29/05/2006
Reeditado em 23/05/2008
Código do texto: T165626
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 70 anos
2581 textos (709667 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 01:10)
Joaquim Moncks